oficinas & cursos

Mãos ao barro com audiodescrição da OVNI!

(texto) A Secretaria de Estado da Cultura apresenta:
Vila Flores Uma Experiência Aberta Dois.
Oficina de Cerâmica Sensorial com Miriam Gomes e OVNI Acessibilidade Universal.
25 de abril, das 8h às 12h. Atividade gratuita.
Realização: Vila Flores.
Financiamento: Pró-cultura RS e Governo do Estado do Rio Grande do Sul – Secretaria da Cultura.
(descrição da imagem) O card quadrado com moldura em azul claro tem como fundo duas fotos idênticas de um dos prédios do Vila Flores, uma com filtro vermelho e a outra com filtro ciano, uma misturas das cores azul e verde. As fotos estão sobrepostas e ligeiramente deslocadas na horizontal, criando um efeito de imagem borrada, como as que são vistas com óculos 3D. O prédio tem três andares, com portas e janelas no térreo e também sacadas nos demais andares. No topo, é possível identificar as características águas-furtadas, que são como sótãos que se erguem do telhado de telhas de barro. O texto, em letras maiúsculas brancas, com alguns trechos sobre faixas em azul claro, está distribuído por todo o card. No rodapé, os logotipos do Vila Flores, do Pró-cultura e do Governo estadual. (fim da descrição)

Tá chegando mais uma oficina de cerâmica sensorial com as artistas incríveis que dividem conosco o espaço no Vila Flores. Desta vez, como parte da segunda edição do projeto Vila Flores – Uma experiência aberta, financiado pelo Pró-cultura RS. É na manhã do dia 25 de abril, no Vila (Rua São Carlos, 753 – Floresta – Porto Alegre/RS). A maioria das vagas foi preenchida por alunos da rede pública do entorno, mas restam algumas para o público externo. As inscrições são pelo email educativo@vilaflores.org.

Opções de transporte coletivo com parada na Avenida Cristóvão Colombo, na altura da Rua São Carlos:
Ônibus

T5 – Transversal 5
608 – IAPI
610 – Minuano
611 – Lindoia
617 – Iguatemi
620 – Iguatemi / Vila Jardim
637 – Chácara das Pedras
TR61 – Cristóvão Colombo
671 – Carlos Gomes / Salso

Lotação
50.6 – Guerino / Lindoia
50.8 – Higienópolis – Benjanin Constant
50.81 – Higienópolis – Hospital Militar

Anúncios

OVNI ministra workshop sobre audiodescrição de imagens estáticas nas redes sociais

Realização da AB Consultoria em inclusão e acessibilidade, a atividade ocorre na tarde do próximo dia 24, quarta-feira, em Porto Alegre/RS.

Workshop Audiodescrição: para ver com os ouvidos.
Data: 24 de outubro de 2018.
Horário: das 13h às 17h.
Local: Auditório da Fecosul, na Rua dos Andradas, 943 conjunto 701.
Inscrições e informações: cursos@tudoembraille.com.br
Realização: AB Consultoria em inclusão e acessibilidade e OVNI Acessibilidade Universal.
Apoio: Coletivo Feminino Plural, Fecosul – A Voz dos Comerciários Gaúchos e Inclusivass.
(descrição da imagem) O card quadrado tem fundo branco, texto em preto e é ilustrado, à direita, pelo desenho colorido de um homem de barba, com um balão de fala em branco na altura da cabeça, orientando com os braços o deslocamento de um homem com uma bengala branca. O homem de barba é branco, ruivo, tem a barriga arredondada e usa suéter em tons de verde, calças roxas e sapatos marrons. O homem com a bengala é branco, ruivo, magrinho e usa óculos escuros, colete azul claro sobre camiseta branca, calças azuis escuras e botas marrons. Os dois personagens estão desenhados sobre um círculo bege. O texto está à esquerda. No rodapé, os logotipos coloridos dos realizadores e apoiadores. (fim da descrição)

A AB Consultoria em inclusão e acessibilidade promove no próximo dia 24, quarta-feira, o workshop Audiodescrição: para ver com ou ouvidos, ministrado pela OVNI Acessibilidade Universal. A atividade será no auditório da Fecosul (Federação do Empregados no Comércio de Bens e Serviços do Rio Grande do Sul), na Rua dos Andradas, 943, conjunto 701, no Centro, em Porto Alegre/RS.

A proposta é uma sensibilização e introdução à aplicação da audiodescrição de imagens estáticas nas redes sociais. Apoiam a atividade o Coletivo Feminino Plural, Fecosul e o grupo Inclusivass. Para mais informações e inscrições, escreva para o email cursos@tudoembraille.com.br.

CasaCor RS 2018 tem mediação audiodescrita da OVNI em duas atividades neste domingo, 16

As vagas são limitadas para uma visita guiada e a oficina Modelagem em argila: a expressão do sentimento na ponta dos dedos, em Porto Alegre/RS, com entrada franca.


(descrição da imagem) A foto colorida e horizontal mostra o ambiente do Ateliê de Arte da CasaCor RS. À frente e ao centro, uma mesa retangular com dois cavaletes e tampo de vidro tem de cada lado um banco longo feito de barras pretas. Ao fundo, junto a uma janela, um cavalete de pintura ao lado de um balcão preto. Sobre o balcão, um pequeno manequim articulado de madeira e um busto humano em argila ocre. À esquerda, em uma parede preta, um painel composto por nove fotos coloridas e emolduradas de galhos de árvores, dispostas em três linhas e três colunas. Diante do painel, no piso bege, três bancos cilíndricos em tons de ferrugem. À direita, um painel composto por chapas retangulares em bege e preto. O ateliê está iluminado por três spots pretos no teto escuro. (fim da descrição) Foto: Divulgação CasaCor.

Pela primeira vez em 27 edições da mostra de arquitetura, design de interiores e paisagismo CasaCor RS, haverá uma ação de acessibilidade na programação. Uma visita guiada e uma oficina de modelagem de argila receberão mediação audiodescrita da OVNI Acessibilidade Universal no próximo domingo, 16 de setembro, das 14h às 16h. As atividades ocorrem na Casa Aberta, uma das seis residências que integram o circuito da mostra, no Bairro Três Figueiras, em Porto Alegre/RS. O endereço é Rua Carlos Huber, 147 (Casa 6).

Novidade desta edição, a Casa Aberta tem entrada gratuita e apresenta uma exposição de obras de artistas consagrados, como Iberê Camargo, Siron Franco, Ubiratan Braga, Xico Stockinger e Bianca Santini, além de um espaço artístico comandado pelo Stúdio Prestes que trouxe uma agenda repleta de cursos e oficinas ao longo da Mostra.

A proposta da visita e da oficina com mediação audiodescrita partiu da artista Mariana Prestes, que acompanhará as atividades, e do artista plástico e professor Ramon Alejandro Ruíz Velazco, que ministrará a oficina Modelagem em argila: a expressão do sentimento na ponta dos dedos. Em função das dimensões do ateliê, haverá apenas cinco vagas. As inscrições devem ser feitas pelo e-mail ovniacessibilidade@gmail.com, informando nome, RG e telefone.


(descrição da imagem) A foto colorida e vertical mostra uma poltrona de couro marrom junto a uma parede preta decorada com oito desenhos emoldurados de pássaros coloridos. Pendendo sobre a poltrona, uma luminária branca com a luz acesa. Ao lado, uma mesinha de apoio com tampo oval e escuro. O piso apresenta padronagem de ziguezague em tons de bege. (fim da descrição) Foto: Divulgação CasaCor.

Sobre a CasaCor
Criada em 1992, neste ano a mostra ocorre em seis residências da Rua Carlos Huber, ao lado do Colégio Farroupilha. Uma delas, a Casa Aberta, além da programação de arte e oficinas, recebe as atividades de gastronomia, como o Chef’s Table. Além de Porto Alegre, Gramado também sediou e fez parte desta história. No entanto, as maiores ações da versão gaúcha da mostra aconteceram na capital. A Confeitaria Rocco, o Prédio Força e Luz (CEEE) e a Fiateci já tiveram seus edifícios revitalizados por profissionais da CasaCor. Outra marca da franquia é a realização do evento simultaneamente em vários endereços. Já participaram Moinhos Shopping, Barra Shopping Sul e Hotel Laghetto.

Sobre Mariana Prestes

(descrição da imagem) A fotografia colorida e vertical mostra a artista Mariana Prestes sorrindo e segurando um tecido aberto, estampado com desenhos de pássaros. À esquerda, ela aparece dos joelhos para cima, de frente. Tem cerca de 30 anos, é branca, magra, de cabelos compridos, lisos e castanhos com uma franja reta que cobre sua testa, olhos castanhos, nariz reto e lábios finos. Está levemente maquiada e usa um vestido sem mangas com estampa em branco, amarelo e cinza. O tecido tem fundo escuro e os pássaros em tons de amarelo, branco, cinza e verde estão pousados aos pares em galhos brancos. Ao fundo, uma arara de roupas com alguns cabides com blusas confeccionadas no mesmo tecido e uma estante de madeira com as prateleiras ocupadas por livros e garrafinhas. (fim da descrição) Foto: arquivo pessoal

Publicitária formada pela PUCRS e artista plástica de coração, Mariana Prestes quando pequena queria ser “desenhista” e hoje retoma as artes, após anos em cargos executivos. Com dois anos de ênfase em Desenho no Instituto de Artes da UFRGS e muitas referências e vivências na infância, iniciou-se também na aquarela, a fim de desenvolver ilustrações e estampar superfícies. Hoje, trabalha como designer de superfície, criando para clientes como Hospital Moinhos de Vento, La Basque, Casa Café no Aeroporto Salgado Filho e Florense de Volta Redonda-RJ. É também ilustradora e professora de aquarela. Seus projetos autorais têm como tema espécimes da flora e da fauna gaúchas ameaçadas de extinção.

Sobre Ramon Alejandro Ruíz Velazco
Na Argentina, formou-se Bacharel em Escultura no Instituto de Artes, em 2010 e, em seguida, iniciou a Licenciatura. Trabalha com Educação Popular desde 1987, e após a chegada ao Brasil, em 1992, desenvolve projetos de Educação Popular no campo, junto ao MST. De 2010 até hoje, atua como professor Eestadual contratado, no regime de 40 horas/aula semanais. Atualmente, cursa o Pós-Graduação “Arte no Campo”, parceria entre a UDESC e a UFSC, em Florianópolis e Abelardo Luz (SC). É presidente da associação de artistas plásticos Ateliê 1. Trabalha com pintura, pintura mural, escultura e alto relevo. Possui experiência em fotografia (analógica e laboratório), serigrafia (alternativa – papel colado, goma laca, tintas artesanais), desenho, ilustração e cerâmica.

Visita guiada e oficina Modelagem em argila: a expressão do sentimento na ponta dos dedos, na CasaCor RS, com mediação audiodescrita.
Quando: Domingo, 16 de setembro de 2018.
Horário: das 14h às 16h.
Onde: Rua Carlos Huber, 147 (Casa 6) – Bairro Três Figueiras – Porto Alegre/RS.
Ingressos: grátis. Vagas limitadas. Reservas pelo email ovniacessibilidade@gmail.com, informando informando nome, RG e telefone.
Mediação cultural: João Petrillo e Mariana Prestes.
Ministrante da oficina: Ramon Alejandro Ruíz Velazco.
Mediação audiodescrita: OVNI Acessibilidade Universal.

Opções de transporte coletivo com parada próxima da Avenida Protásio Alves (Terminal Carlos Gomes – Protásio e Comercial Zaffari):
Ônibus

T2
T8
M52 Assis Brasil/Protásio
433 Vila Jardim
490 Morro Santana
491 Passo Dorneles
494 Rubem Berta/Protásio
L490 Jari via Protásio Alves

Lotação
40.5 Chácara das Pedras

Teve acessibilidade cultural no Projeto Simultaneidade

O final de semana foi de acessibilidade cultural na terceira edição do Projeto Simultaneidade, no Vila Flores, que propôs o tema TransVerCidade, trazendo uma abordagem artística transversal e empática para ultrapassar as limitações do simples olhar e construir a cidade e as relações que desejamos. A OVNI Acessibilidade Universal participou de duas atividades na programação supervariada: no sábado, 16, exibimos filmes em curta-metragem e episódios de séries de televisão para os quais produzimos audiodescrição, legendas para surdos e ensurdecidos e janela de LIBRAS ao longo deste ano; no domingo, 17, foi a vez de usarmos a audiodescrição para mediar a oficina de cerâmica sensorial ministrada pela artista Miriam Gomes, nossa vizinha de sala no Vila Flores. As fotos abaixo registram os dois momentos dessa programação. Confira:


(descrição da imagem) Na foto colorida e quadrada, tirada em um dia ensolarado na sala da OVNI Acessibilidade Universal, no Vila Flores, na direita, em primeiro plano, em uma TV sobre uma bancada amarela, a cena de um video colorido com legendas, em que um homem de cabelos escuros e curtos em um pátio com folhagens diz: “com as diferenças que o público naturalmente tem”. Na esquerda, em um cartaz na parede preta feito lousa, a frase “Experimente descrever estes postais #paratodosverem” acima de dois cartões-postais. Ao fundo, a luz do dia entra pela janela aberta. (fim da descrição) Foto: Mimi Aragón.


(descrição da imagem) Na foto colorida e horizontal, tirada no Atelier de Cerâmica do Vila Flores, a artista Miriam Gomes orienta a oficina de cerâmica sensorial com três participantes vendadas. Miriam, de meia idade e cabelos curtos e avermelhados, usa camiseta regata vermelha, um longo avental creme respingado de tinta, sandálias e está na esquerda, em pé, de perfil, voltada para a direita, atenta à atividade de três mulheres sentadas em volta de uma mesa com potes de argila e moldes metálicos. Cada participante tem as mãos sobre uma placa de argila, parecendo moldá-la. Ao fundo, junto à parede de azulejos brancos, um aparador e uma prateleira repletos de copos, vasos, tigelas, moringas e pratos de cerâmica. Entre o aparador e a mesa, no chão de lajotas vermelhas, um torno elétrico para cerâmica e, bem na direita, em um cômodo ao lado, um forno de cerâmica com painel digital. (fim da descrição) Foto: Kemi Oshiro.

ovni_simultaneidade_ceramica sensorial2
(descrição da imagem) A foto colorida e vertical retrata uma das participantes da oficina de cerâmica sensorial com a venda no alto da testa, olhando para baixo, sorrindo admirada para as três peças que produziu: um incensário, um prato e um vaso. Sentada à mesa de trabalho, ela tem os braços abertos e as palmas das mãos lambuzadas de argila voltadas para cima, expressando surpresa. Ela é negra, tem os cabelos pretos, curtos, crespos e volumosos, o peito tatuado e usa camiseta regata branca, colete jeans e calças pretas. Atrás dela, junto à parede de azulejos brancos, o torno elétrico e o aparador com peças de cerâmica. (fim da descrição) Foto: Miriam Gomes.
 

OVNI estará em duas atividades da terceira edição do Projeto Simultaneidade, no Vila Flores

No sábado, 16, conversaremos sobre a produção de recursos de acessibilidade comunicacional e no domingo, 17, mediaremos com AD a oficina de cerâmica sensorial ministrada pela artista Miriam Gomes

(descrição da imagem) Na foto colorida e horizontal, uma vista do pátio interno do complexo arquitetônico do Vila Flores em um dia claro. Dois prédios de alvenaria com três andares cada estão dispostos em forma de L, o mais visível da esquerda para o centro da foto e o outro ao fundo, na direita. O aspecto de ambos é rústico e alegre, com tijolos aparentes, alvenaria envelhecida, janelas envidraçadas basculantes ou de madeira, sacadas em tons vibrantes, algumas delas exibindo desenhos coloridos a tinta spray, conhecidos como grafites, e, em cada telhado, três pequenos sótãos de madeira, chamados de águas-furtadas. O pátio é de paralelepípedos e ao longo dele estão distribuídos grandes carretéis virados feito mesas, bancos de madeira e concreto, tonéis coloridos de metal, lixeiras para coleta seletiva e canteiros com folhagens. (fim da descrição) Foto: Juliana Prestes.

Em 2015, dois anos antes de nos instalarmos no Vila Flores, participamos da segunda edição do Simultaneidade, lançando em Porto Alegre a versão do curta-metragem Objetos, de Germano Oliveira, com audiodescrição e legendas para surdos e ensurdecidos.
Agora, na programação desta terceira edição do projeto bienal que, em 2013, alinhou os primeiros passos do centro cultural do Bairro Floresta focado em economia criativa, empreendedorismo e sustentabilidade, preparamos dois momentos para celebrar nossa chegada ao Vila e debater o tema TransVerCidade, que propõe uma abordagem transversal, empática e que ultrapassa as limitações do simples olhar para construir a cidade e as relações que queremos. Confira:

OVNI de portas abertas.
16/12, sábado, das 13h às 20h, na OVNI Acessibilidade Universal.

A gente percebe o mundo à nossa volta com todos os sentidos. Nesta terceira edição do Simultaneidade, a OVNI Acessibilidade Universal abre suas portas para quem quiser conhecer um pouquinho sobre a produção de audiodescrição, legendas para surdos e ensurdecidos e LIBRAS. Vem tomar um café com a gente, trocar uma ideia sobre acessibilidade comunicacional e exercitar a empatia para entender por que o mundo, a partir do quintal de cada um de nós, fica mais justo e bonito se estiver acessível a todos.

Oficina de cerâmica sensorial.
Ministrantes: Miriam Gomes e OVNI Acessibilidade Universal.
17/12 – 14h às 15h, no Atelier de Cerâmica.

Uma oficina para experimentar as possibilidades da cerâmica… de olhos vendados! Com a ajuda da audiodescrição, que traduz cores e formas em palavras.

Clique aqui e saiba mais sobre a terceira edição do Simultaneidade.

Clique aqui e confira a programação completa.

Clique aqui e confirme sua presença no evento do Facebook.

Simultaneidade III – Edição TransVerCidade.
Quando: 16 e 17 de dezembro, sábado e domingo, das 10h às 22h.
Onde: Vila Flores (Rua São Carlos, 753 (a 30 metros da esquina com a Rua Hoffmann) – Bairro Floresta).
Quanto: Contribuição consciente.

Opções de transporte coletivo com parada na Avenida Cristóvão Colombo, na altura da Rua Hoffmann:
Ônibus

T5 – Transversal 5
608 – IAPI
610 – Minuano
611 – Lindoia
617 – Iguatemi
620 – Iguatemi / Vila Jardim
637 – Chácara das Pedras
TR61 – Cristóvão Colombo
671 – Carlos Gomes / Salso

Lotação
50.6 – Guerino / Lindoia
50.8 – Higienópolis – Benjanin Constant
50.81 – Higienópolis – Hospital Militar

OVNI Acessibilidade Universal promove atividade na programação oficial da 2ª Virada Sustentável Porto Alegre

Roda de conversa sobre acessibilidade comunicacional será no Parque da Redenção, dia 1º de abril, sábado, às 16h30h, com entrada franca.

A 2ª edição da Virada Sustentável Porto Alegre contará, em sua programação oficial, com uma roda de conversa sobre audiodescrição e outros recursos de acessibilidade comunicacional, uma realização da OVNI Acessibilidade Universal. O objetivo é compartilhar vivências na produção de audiodescrição, legendas para surdos e ensurdecidos e LIBRAS, apresentando exemplos práticos para interessados no tema e na disseminação de informação e de cultura acessíveis ao maior número possível de pessoas. A atividade será no EcoPonto do Parque da Redenção – palco sustentável (estande), dia 1º de abril, sábado, das 16h30 às 17h30, com entrada franca.


(descrição da imagem) Na foto colorida e vertical, tirada durante a apresentação do espetáculo de teatro DANKE, com audiodescrição da OVNI, na Sala Álvaro Moreyra, em Porto Alegre/RS, em fevereiro passado, dona Cledi Dutra está à esquerda, na primeira fila da plateia, de perfil, voltada para a direita, com fones de ouvido, acariciando a cabeça do cão-guia Darwin. Ela tem cabelos loiros e lisos, na altura do queixo, usa óculos de grau, blusa preta e azul, e olha carinhosamente para o cão, um flat-coated retriever de pelo castanho, olhos castanhos e miúdos, focinho longo e topetinho arrepiado, que está em pé, de frente para dona Cledi, e tem a cabeça voltada para nós. Ao fundo, na direita, desfocada, a atriz Dani Dutra, branca, magra e com os cabelos escuros presos em um coque, está caracterizada como a Carcereira, de blazer, blusa e calças pretos, em pé, voltada para a direita, com as mãos apoiadas no espaldar de uma cadeira preta. (fim da descrição) Foto: Adriana Marchiori.

A atividade faz parte da 2ª edição da Virada Sustentável Porto Alegre – um movimento de pessoas, coletivos e instituições que tem o objetivo comum de melhorar a sociedade e sua relação com o ambiente. Com os temas Empreendedorismo & Inovação Sustentável, Educação para a Sustentabilidade, e Ecogastronomia & Alimentação Saudável, o festival acontece de 30 de março a 2 de abril e reúne cerca de 200 atividades que serão realizadas simultaneamente em diferentes locais da Capital gaúcha, especialmente na Casa de Cultura Mario Quintana, na Associação Cultural Vila Flores, no Parque da Redenção e no SESC Campestre. Todas atividades são gratuitas e abertas ao público. A programação completa pode ser consultada no site: https://www.viradasustentavel.org.br/poa/virada-sustentavel-porto-alegre-2017/programacao.html. Participe da construção de uma sociedade mais justa e equilibrada. Venha conosco virar Porto Alegre! #Euviropoa #VireSuaCidade


(descrição da imagem) A inscrição Virada Sustentável Porto Alegre 2017 está em três linhas de caracteres roxos, alinhadas à esquerda, dentro de um quadrado cor de laranja. No canto superior direito, um círculo formado por duas meias-luas roxas, sobrepostas, está contornado por duas setas na mesma cor, orientadas no sentido anti-horário. (fim da descrição)

Roda de conversa sobre audiodescrição e outros recursos de acessibilidade comunicacional na 2ª Virada Sustentável Porto Alegre.
Quando | 1º de abril, sábado.
Onde | EcoPonto do Parque da Redenção – Palco sustentável (estande).
Hora | Das 16h30 às 17h30.
Ingressos | Entrada franca.

Opções de transporte coletivo com parada nas proximidades do Parque da Redenção:
Ônibus (Av. Osvaldo Aranha)

353 – Ipiranga/PUC
473 – Jardim Carvalho/Jardim do Salso
C2 – Circular Praça XV
C3 – Circular Urca
D43 – Universitária Direta
T5 – Transversal 5
T7 – Transversal 7
280 – Otto/HPS
349 – São Caetano
429 – Protásio/Iguatemi
430 – Bela Vista/Anita
431 – Carlos Gomes
433 – Vila Jardim
436 – Jardim Ipê
438 – Santana
439 – São Manoel
441 – Antonio de Carvalho
470 – Bom Jesus
476 – Petrópolis/PUC
490 – Morro Santana
491 – Passo Dorneles/Vila Safira
492 – Petrópolis/SESC
493 – Jardim Ypu
494 – Rubem Berta/Protásio
495 – Manoel Elias
496 – Jardim Protásio Alves
525 – Rio Branco/Anita
R41 – Rápida Protásio

Ônibus (Av. João Pessoa)
343 – Campus/Ipiranga
149 – Icaraí (Centro/Bairro)
177 – Menino Deus (Centro/Bairro)
209 – Restinga
210 – Restinga Nova
211 – Restinga Velha
250 – 1° de Maio
251 – Alpes
253 – Renascença (Bairro/Centro)
254 – Embratel
256 – Intendente Azevedo
257 – Paulino Azurenha
260 – Belém Velho
262 – Jardim Vila Nova
263 – Orfanatrófio
264 – Prado (Bairro/Centro)
265 – Jardim Medianeira (Bairro/Centro)
266 – Vila Nova
269 – Lami (Bairro/Centro)
270 – Grutinha (Centro/Bairro)
271 – Amapá (Centro/Bairro)
272 – Moradas da Hípica (Bairro/Centro)
273 – Moradas da Hípica (Bairro/Centro)
274 – Glória/Azenha/Cascatinha
280 – Campo Novo (Centro/Bairro)
282 – Cruzeiro do Sul (Bairro/Centro)
283 – Ipanema/Cavalhada (Centro/Bairro)
284 – Belém Velho (São Francisco) (Bairro/Centro)
285 – Nonoai (Bairro/Centro)
288 – Ipanema/Morro Alto (Bairro/Centro)
289 – Rincão via Oscar Pereira (Bairro/Centro)
255 – Caldre Fião (Bairro/Centro)
297 – Cemitério
340 – Jardim Botânico (Bairro/Centro)
344 – Santa Maria
345 – Santa Catarina
346 – São José
347 – Alameda
348 – Jardim Bento Gonçalves
360 – Ipê
361 – Cefer
375 – Agronomia
376 – Herdeiros
394 – Mapa
395 – Quinta do Portal
397 – Bonsucesso (Bairro/Centro)
398 – Pinheiro

Lotação (Av. Osvaldo Aranha)
03.11 – Ipiranga/PUC (Osvaldo Aranha)
30.3 – Santana
40.2 – João Abott
40.4 – Petrópolis SESC
40.41 – Petrópolis FAPA
40.5 – Chácara das Pedras

Lotação (Av. João Pessoa)
03.3 – Jardim Botânico
20.1 – Medianeira
20.2 – Otto/Teresópolis
20.6 – Glória
30.1 – Canal 10
30.2 – Partenon

Programação oficial da Virada Sustentável em Porto Alegre/RS terá atividade realizada pela OVNI Acessibilidade Universal

OVNI_virada sustentável_20160402 (descrição da imagem) A foto colorida e horizontal mostra cinco pessoas de perfil, vendadas, sentadas em cadeiras dispostas em duas fileiras sob um telhado sem forro, com as tesouras aparentes, em um ambiente ligeiramente escurecido. Voltadas para a direita, elas parecem estar concentradas em algo à sua frente que não aparece na foto. (fim da descrição) Foto: Kemi Oshiro.

Dinâmica para sensibilização e apresentação do recurso da audiodescrição será no Parque da Redenção, dia 2 de abril, às 14h, com entrada franca.

Evento realizado pela primeira vez na Capital gaúcha, a Virada Sustentável contará, em sua programação oficial, com a dinâmica Audiodescrição: para ver com os ouvidos, uma realização da OVNI Acessibilidade Universal. A ideia é exibir um curta-metragem ao público vendado para sensibilizar e apresentar o recurso da audiodescrição, que permite a pelo menos 36 milhões de brasileiros ir ao cinema, ao teatro, a exposições, estudar, trabalhar, viajar e fazer tudo o que dê o acesso a uma vida plena. A atividade será no EcoPonto do Parque da Redenção, dia 2 de abril, sábado, das 14h às 15h, com entrada franca.

OVNI-viradaPOA logo

 

 

 

 

 

 

(descrição da imagem) A inscrição Virada Sustentável Porto Alegre 2016 está em três linhas de caracteres pretos sobre um fundo amarelo com formato irregular. Acima do fundo amarelo, à direita, duas meias-luas em tons de cinza, sobrepostas, formando um círculo, estão contornadas por duas setas pretas em sentido anti-horário. (fim da descrição)

Virada Sustentável
A Virada Sustentável acontece desde 2011 em São Paulo e articula pessoas, grupos e instituições para conscientizar e mobilizar a sociedade em favor de um modelo sustentável para o Planeta. Em Porto Alegre, o evento será entre 1º e 3 de abril e terá atividades culturais, esportivas, ambientais, educativas e iniciativas que buscam valorizar e dar visibilidade a ideias e projetos que promovam a sustentabilidade. A programação está focada em iniciativas que nos levem a um mundo mais consciente da necessidade de preservação. A Virada também pretende criar uma rede de mobilização permanente para o debate de questões fundamentais ao futuro da cidade, como mobilidade urbana, mudanças climáticas, águas, ética no consumo e tudo que possa levar a comportamentos sustentáveis, buscando construir novas alternativas para a vida em comunidade. A concepção do evento é baseada nos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, definidos pela ONU, que são também os princípios que regem os projetos realizados pelo grupo: erradicação da pobreza; fome zero; boa saúde e bem-estar; educação de qualidade; igualdade de gênero; água limpa e saneamento; energia acessível e limpa; emprego digno e crescimento econômico; indústria, inovação e infraestrutura; redução das desigualdades; cidades e comunidades sustentáveis; consumo e produção responsáveis; combate às alterações climáticas; vida debaixo d’água; vida sobre a terra; paz, justiça e instituições fortes; parcerias em prol das metas.

Dinâmica Audiodescrição: para ver com os ouvidos, na Virada Sustentável de Porto Alegre.
Quando | 2 de abril, sábado.
Onde | EcoPonto do Parque da Redenção.
Hora | Das 14h às 15h.
Ingressos | Entrada franca.

Opções de transporte coletivo com parada nas proximidades do Parque da Redenção:
Ônibus (Av. Osvaldo Aranha)

353 – Ipiranga/PUC
473 – Jardim Carvalho/Jardim do Salso
C2 – Circular Praça XV
C3 – Circular Urca
D43 – Universitária Direta
T5 – Transversal 5
T7 – Transversal 7
280 – Otto/HPS
349 – São Caetano
429 – Protásio/Iguatemi
430 – Bela Vista/Anita
431 – Carlos Gomes
433 – Vila Jardim
436 – Jardim Ipê
438 – Santana
439 – São Manoel
441 – Antonio de Carvalho
470 – Bom Jesus
476 – Petrópolis/PUC
490 – Morro Santana
491 – Passo Dorneles/Vila Safira
492 – Petrópolis/SESC
493 – Jardim Ypu
494 – Rubem Berta/Protásio
495 – Manoel Elias
496 – Jardim Protásio Alves
525 – Rio Branco/Anita
R41 – Rápida Protásio

Ônibus (Av. João Pessoa)
343 – Campus/Ipiranga
149 – Icaraí (Centro/Bairro)
177 – Menino Deus (Centro/Bairro)
209 – Restinga
210 – Restinga Nova
211 – Restinga Velha
250 – 1° de Maio
251 – Alpes
253 – Renascença (Bairro/Centro)
254 – Embratel
256 – Intendente Azevedo
257 – Paulino Azurenha
260 – Belém Velho
262 – Jardim Vila Nova
263 – Orfanatrófio
264 – Prado (Bairro/Centro)
265 – Jardim Medianeira (Bairro/Centro)
266 – Vila Nova
269 – Lami (Bairro/Centro)
270 – Grutinha (Centro/Bairro)
271 – Amapá (Centro/Bairro)
272 – Moradas da Hípica (Bairro/Centro)
273 – Moradas da Hípica (Bairro/Centro)
274 – Glória/Azenha/Cascatinha
280 – Campo Novo (Centro/Bairro)
282 – Cruzeiro do Sul (Bairro/Centro)
283 – Ipanema/Cavalhada (Centro/Bairro)
284 – Belém Velho (São Francisco) (Bairro/Centro)
285 – Nonoai (Bairro/Centro)
288 – Ipanema/Morro Alto (Bairro/Centro)
289 – Rincão via Oscar Pereira (Bairro/Centro)
255 – Caldre Fião (Bairro/Centro)
297 – Cemitério
340 – Jardim Botânico (Bairro/Centro)
344 – Santa Maria
345 – Santa Catarina
346 – São José
347 – Alameda
348 – Jardim Bento Gonçalves
360 – Ipê
361 – Cefer
375 – Agronomia
376 – Herdeiros
394 – Mapa
395 – Quinta do Portal
397 – Bonsucesso (Bairro/Centro)
398 – Pinheiro

Lotação (Av. Osvaldo Aranha)
03.11 – Ipiranga/PUC (Osvaldo Aranha)
30.3 – Santana
40.2 – João Abott
40.4 – Petrópolis SESC
40.41 – Petrópolis FAPA
40.5 – Chácara das Pedras

Lotação (Av. João Pessoa)
03.3 – Jardim Botânico
20.1 – Medianeira
20.2 – Otto/Teresópolis
20.6 – Glória
30.1 – Canal 10
30.2 – Partenon

Las Brujas Cia de Teatro e feitiços e OVNI Acessibilidade Universal convidam para o workshop Produção Cultural – A Acessibilidade em Projetos de Teatro

A atividade, dia 29/09, às 15h, no Centro Cultural CEEE Erico Verissimo, com entrada franca, terá como ponto de partida o projeto A Menina do Cabelo Vermelho, contemplado pelo Programa Petrobras Distribuidora de Cultura 2015/2016.

A Las Brujas Cia de Teatro e feitiços e a OVNI Acessibilidade Universal realizam um workshop sobre acessibilidade em projetos de teatro no dia 29 de setembro, terça-feira, das 15h às 17h, na Sala Noé de Mello Freitas do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo (R. dos Andradas, 1223 – Centro Histórico, Porto Alegre), com entrada franca. O workshop Produção Cultural – A Acessibilidade em Projetos de Teatro propõe como ponto de partida o projeto A Menina do Cabelo Vermelho, que teve a montagem do espetáculo homônimo financiada pelo Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2012.

A Las Brujas Cia de Teatro abordará questões relativas à inclusão de recursos acessíveis (como a audiodescrição e a Libras – Língua Brasileira de Sinais) em projetos de teatro. Os resultados desse projeto serão exibidos em vídeo e áudio. A Cia recentemente foi contemplada para a circulação desse mesmo espetáculo pelo Programa Petrobras Distribuidora de Cultura 2015/2016, que prevê ações estendidas de recursos acessíveis, como oficinas e intercâmbio com grupos. E para tratar especificamente sobre a produção de acessibilidade, estará presente no workshop a OVNI Acessibilidade Universal, empresa com vasta experiência no mercado e que é parceira da Las Brujas em todas as ações que envolvem esse tema.

A parceria entre a Las Brujas Cia de Teatro e feitiços e as profissionais da OVNI Acessibilidade Universal iniciou-se em 2013, com a montagem do espetáculo de teatro infantil A Menina do Cabelo Vermelho, e consolidou-se com a iniciativa de realizar a primeira temporada de teatro infantil na Região Sul com o recurso de audiodescrição aberta em todas as sessões. A iniciativa pioneira resultou no convite para integrarem a programação da II IncludIt – Conferência Internacional para a Inclusão, em Leiria, Portugal, em julho de 2014. Além da participação em palestras e debates, foi apresentado na Praça Rodrigues Lobo o espetáculo Filó de Bolso – A Menina do Cabelo Vermelho com audiodescrição aberta.

Workshop Produção Cultural – A Acessibilidade em Projetos de Teatro
Realização: Las Brujas Cia de Teatro e feitiços e OVNI Acessibilidade Universal.
Promoção: Centro Cultural CEEE Erico Verissimo, Grupo CEEE e Governo do Estado do RS.
Data: 29 de Setembro de 2015, das 15h as 17h, Sala Noé de Mello Freitas, Centro Cultural CEEE Erico Verissimo (R. dos Andradas, 1223 – Centro Histórico, Porto Alegre).
Valor: entrada franca.
Informações: Las Brujas Cia de Teatro e feitiços
OVNI Acessibilidade Universal
lasbrujasciadeteatro@gmail.com
ovniacessibilidade@gmail.com
Público-alvo: Artistas, produtores e demais interessados no tema da acessibilidade.
Ministrantes: Diana Manenti e Lolita Goldschmidt (Las Brujas Cia de Teatro e feitiços), Mimi Aragón (OVNI Acessibilidade Universal).

Atividades do Grupo de Pesquisa de Linguagem Cênica Acessível recomeçam com Workshop de Audiodescrição para Teatro

A atividade marca a abertura do 2° ano do Grupo de Pesquisa de Linguagem Cênica Acessível, que investiga as possibilidades artísticas da audiodescrição no Teatro, e acontecerá no dia 30/04, às 14h, no Centro Cultural CEEE Erico Verissimo, com entrada franca.

O Grupo de Pesquisa de Linguagem Cênica Acessível, constituído em setembro de 2014 pela Las Brujas Cia de Teatro e feitiços e pelas audiodescritoras da OVNI Acessibilidade Universal, irá realizar um Workshop de Audiodescrição para Teatro no dia 30 de Abril, das 14h às 17h, na Sala Noé de Mello Freitas do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo, com entrada franca. O evento marca o início do segundo ano da pesquisa do Grupo.

O Workshop irá abordar conceito e tipos de audiodescrição, seu público-alvo, técnicas de roteirização e narração, entre outros aspectos da aplicação do recurso nas artes cênicas. A proposta é também partilhar o conhecimento e as experiências produzidas ao longo do percurso de pesquisa e prática do Grupo, que no primeiro ano teve seu trabalho voltado para a audiodescrição aberta, buscando investigar as diferentes formas de utilizar o recurso no teatro, compreendendo improviso de cenas, criação de roteiro de audiodescrição e narração.

A parceria entre a Las Brujas Cia de Teatro e feitiços e as audiodescritoras da OVNI Acessibilidade Universal iniciou-se em 2013, com a montagem do espetáculo de teatro infantil A Menina do Cabelo Vermelho, e consolidou-se com a iniciativa de realizar a primeira temporada de teatro infantil na Região Sul com o recurso de audiodescrição aberta em todas as sessões. A iniciativa pioneira resultou no convite para integrarem a programação da II IncludIt – Conferência Internacional para a Inclusão, em Leiria, Portugal, em julho de 2014. Além da participação em palestras e debates, foi apresentado na Praça Rodrigues Lobo o espetáculo Filó de Bolso – A Menina do Cabelo Vermelho com audiodescrição aberta.

Workshop de Audiodescrição para Teatro – Grupo de Pesquisa de Linguagem Cênica Acessível.
Realização: Las Brujas Cia de Teatro e feitiços e OVNI Acessibilidade Universal
Promoção: Centro Cultural CEEE Erico Verissimo, Grupo CEEE e Governo do Estado do RS.
Data, horário e local: 30 de Abril de 2015, das 14h as 17h, Sala Noé de Mello Freitas, Centro Cultural CEEE Érico Veríssimo. (R. dos Andradas, 1223 – Centro Histórico, Porto Alegre).
Entrada franca.
Informações: Las Brujas Cia de Teatro e feitiços
OVNI Acessibilidade Universal
lasbrujasciadeteatro@gmail.com
ovniacessibilidade@gmail.com

Público-alvo: Artistas, produtores e demais interessados no tema da acessibilidade.
Ministrantes: Mimi Aragón e Kemi Oshiro, Lolita Goldschmidt, Diana Manenti e Dani Dutra.

Audiodescrição no teatro faz bem pra todo mundo!

Foto Oficina_santander_ovni(descrição da imagem) A foto colorida e horizontal mostra 18 pessoas posando sorridentes em uma sala que tem ao fundo uma parede bege, um telão e, à direita, um janelão e um banner com a logomarca do Santander Cultural. O grupo está distribuído em duas fileiras: atrás, 11 pessoas em pé e, na frente, sete pessoas agachadas. No rodapé, à direita, a data 27.02.2015. O piso da sala é de parquê. (fim da descrição)

A espaçonave da OVNI Acessibilidade Universal pousou no Santander Cultural, em Porto Alegre/RS, na semana passada, para uma oficina para lá de especial sobre a audiodescrição no teatro. Foram quatro dias de troca de experiências e vivências sobre o recurso aplicado às artes cênicas.

Além de conferirem o espetáculo Filó de Bolso (versão pocket de A Menina do Cabelo Vermelho, da Las Brujas Cia de Teatro e feitiços), exibido pela primeira vez no Brasil com audiodescrição, os participantes puderam conversar com Lívia Motta, audiodescritora da Ver Com Palavras com reconhecida atuação nacional na área da acessibilidade cultural, e com a atriz e produtora Lolita Goldschmidt, que partilhou sua experiência como audiodescritora roteirista, entusiasta e militante pela audiodescrição aberta em sua obra e pesquisa cênica.

Agradecemos a todos que participaram, viveram e acreditaram nessa troca e desejamos vida longa à acessibilidade e à construção coletiva de um mundo melhor para todos.