acessibilidade

“Eu Não Dava Praquilo” chega a Joinville/SC com audiodescrição da OVNI Acessibilidade Universal

Com Cassio Scapin, monólogo que homenageia o ofício teatral enfocando a vida da atriz, diretora e professora Myriam Muniz estará em cartaz com acessibilidade nos dias 17, 18 e 19 de maio, no Galpão de Teatro da AJOTE. O patrocínio é da Petrobras Distribuidora.
EU NÃO DAVA PRAQUILO 2 - DNG (descrição da imagem) A foto colorida e horizontal, com fundo preto, mostra Cassio Scapin em ação na peça Eu Não Dava Praquilo, sob um foco de luz branca, sentado em uma cadeira sobre um tablado circular de madeira clara, com um cigarro apagado na mão direita erguida na altura da cabeça. Magro, de pele clara e cabelos pretos penteados para trás, ele usa camiseta, calças e, nos ombros, um xale, tudo na cor preta, e está descalço. Tem a cabeça ligeiramente inclinada para trás, os olhos semicerrados e os lábios abertos, como se falasse no momento da foto. Seu cotovelo esquerdo está apoiado no braço da cadeira. No tablado, à esquerda, uma caixa grande de fósforos, e, à direita, algumas folhas de papel. (fim da descrição) Foto: João Caldas Filho.

Depois do sucesso da minitemporada em Porto Alegre/RS, em março passado, chega a Joinville/SC, nos dias 17, 18 e 19 de maio, o monólogo Eu Não Dava Praquilo, uma homenagem à atriz, diretora e professora Myriam Muniz, com Cassio Scapin e direção de Elias Andreato. Todas sessões terão audiodescrição da OVNI Acessibilidade Universal, com apoio da AJIDEVI na mobilização do público. O espetáculo, que também contará com tradução e interpretação em LIBRAS, foi contemplado pela seleção pública do Programa Petrobras Distribuidora de Cultura 2015/2016.

As apresentações ocorrem no Galpão de Teatro da AJOTE (R. XV de Novembro, 1383), sempre às 20h. No dia 18, haverá uma sessão extra às 18h. Os ingressos custam R$ 25 e já podem ser adquiridos no site Enjoy Events ou na Capitão Space Batataria e Pizzaria (Av. Marquês de Olinda, 3340 – Glória. Fone: 47 3422.5544. De segunda a domingo, das 18h30 às 0h). Há desconto de 50% para pessoas com deficiência (mediante apresentação do cartão do Benefício de Prestação Continuada), idosos e estudantes.

Sinopse
O monólogo cômico-dramático Eu Não Dava Praquilo evoca fatos pessoais e profissionais da vida de Myriam Muniz, homenageando também o ofício teatral e sua importância como agente de transformação individual e social. Para o co-autor do texto e intérprete, Cassio Scapin, seria impossível contar a história dos palcos brasileiros sem falar na artista paulistana, dona de personalidade ímpar e que tinha uma forma igualmente única de representar. O diretor Elias Andreato considera Myriam Muniz uma sacerdotisa do teatro, com ensinamentos que marcaram profunda e apaixonadamente muitos artistas.

5D III (descrição da imagem) A foto colorida e horizontal mostra Cassio Scapin em ação na peça Eu Não Dava Praquilo, sentado em uma cadeira de madeira voltada para o fundo do palco, onde há um enorme painel de tecido bordado com flores e folhas em tons de dourado, marrom e roxo. O ator, com seus cabelos pretos, lisos e curtos penteados para trás e presos no alto da testa por uma tiara escura, usa um xale preto nos ombros, calças na mesma cor e está de pernas cruzadas e descalço, nos observando por cima do ombro direito, quase sorrindo, com as sobrancelhas arqueadas, olhos bem abertos, lábios fechados e o braço direito apoiado no espaldar da cadeira, segurando um cigarro entre os dedos da mão erguida na altura do rosto. (fim da descrição) Foto: João Caldas Filho.

Cassio Scapin
Formado pela Escola de Arte Dramática da USP, Cassio Scapin é um dos grandes atores brasileiros. Participou de diversas telenovelas, filmes, minisséries e peças de teatro. Trabalha como ator profissional desde 1984 e, nos últimos anos, esteve nas peças “O Mistério de Irma Vap”, com direção de Marília Pêra, e “O Libertino”, com direção de Jô Soares. Na televisão, é muito reconhecido pela participação no Castelo Rá-Tim-Bum. Na TV Record, atuou na novela “Ribeirão do Tempo” e integra o elenco de “Escrava Mãe”, que estreia dia 16 de maio. No Multishow, esteve no ar no seriado “Trair e Coçar, é só Começar”. Recebeu os prêmios Mambembe, Governador do Estado, Associação Paulista dos Críticos de Arte – APCA e Apetesp, entre muitos outros. Por sua atuação em Eu Não Dava Praquilo, foi indicado aos Prêmios Shell, Quem e APCA, este conquistado em 2013. No currículo, reúne participações em mais de 30 projetos no teatro, 12 na televisão, além de concertos, longas e curtas-metragens.

muniz-678x1024 (descrição da imagem) A foto colorida e vertical, com fundo marrom desfocado, mostra Myriam Muniz do peito para cima, nos observando, séria, com a cabeça ligeiramente inclinada para a esquerda e uma das sobrancelhas arqueadas. É uma mulher idosa, branca, de cabelos grisalhos e longos, presos em uma trança, rosto oval, sobrancelhas escuras, olhos amendoados sob os óculos de grau retangulares e pretos, nariz grande e boca pequena, de lábios carnudos e rosados. Usa blusa escura sob um xale floreado e colar de pérolas. (fim da descrição) Foto: Divulgação.

 

 

Myriam Muniz
Atriz, diretora e professora, Myriam Muniz (1931-2004) perpetuou seu nome na história do teatro brasileiro do século 20. Egressa da Escola de Arte Dramática, a paulistana descendente de portugueses e italianos passou pelo Teatro Oficina, Teatro Brasileiro de Comédia, Teatro de Arena e pelas companhias de Dulcina de Moraes e Nydia Licia, além de fundar o Centro de Estudos Macunaíma, hoje conhecido como Teatro Escola Macunaíma, uma das mais respeitadas instituições para formação de atores do País. Por lá passaram Paulo Betti, Eliane Giardini, Lília Cabral, Domingos Montagner e Cristina Pereira, entre outros. Atuou em dezenas de peças, filmes e algumas produções para a TV. Em 1975, Myriam dirigiu o mítico show “Falso Brilhante”, o mais bem-sucedido da carreira de Elis Regina, com quem se desentendeu durante os ensaios. Seu último trabalho foi no filme “Nina”, de Heitor Dália, lançado em 2004, no qual interpreta a avarenta e cruel dona Eulália. Sua trajetória artística está documentada nos livros “Giramundo: O Percurso de Uma Atriz – Myriam Muniz”, organizado por Maria Thereza Vargas, e “Myriam Muniz – uma pedagoga do teatro”, de Marcelo Braga. Em 2006, a Funarte criou o “Prêmio de Teatro Myriam Muniz”, para estimular e fomentar a produção e pesquisa de artes cênicas.

Reportagem no canal Octo sobre a estreia da minitemporada em Porto Alegre.
Clique aqui para conferir.
(Vídeo sem recursos de acessibilidade. O repórter está no corredor entre o palco e a primeira fila de poltronas da plateia, perto do ator Cassio Scapin, que recebe os cumprimentos do público. Ao fundo, a tradutora e intérpete de LIBRAS em Porto Alegre, Celina Nair Xavier Neta. No palco, os usuários da audiodescrição fazem um tour tátil pelo cenário.)

O que diz a crítica sobre Eu Não Dava Praquilo.
“Ontem fui ao teatro assistir à peça Eu Não Dava Praquilo, que conta a história da vida da Myriam Muniz. Foi uma experiência única! O ator Cassio Scapin interpreta, sozinho, aquela mulher de forma tão espetacular e tão perfeita que tive a sensação de estar numa sessão espírita…”
Fábio Bibancos, Folha de S. Paulo.

“De fato, vemos Myriam. A Myriam de Cassio. E não somente porque Cassio consegue reproduzir inflexões de voz, cacoetes e modos de dizer da Myriam ‘de verdade’. Mas, sobretudo, porque a essência de Myriam empresta o corpo, os trejeitos, a voz e o olhar de Cassio para se fazer presente. (…) Eu Não Dava Praquilo é um espetáculo que nos lembra da sensação frequente de que não damos para essa tarefa hercúlea que é viver – e viver com consciência e plenitude. Mas justamente por reconhecermos que não nascemos prontos, que lapidar é preciso, que ainda tropeçaremos 40 mil vezes… é que aprendemos a estar vivos, a ser autônomos, a trabalhar nossos talentos e a lidar com nossas imperfeições. E, sim, sim, podemos alcançar fagulhas de felicidade. Isso nos disse a Myriam. Isso nos disse o Cassio.”
Maria Fernanda Vomero, Revista Época São Paulo.

“A montagem abre-se ao bom humor e às verdades cortantes. É feliz e inteligente ao dispensar a verossimilhança ou a caracterização para conversar diretamente com a maioria dos espectadores que desconhece a homenageada e não tem familiaridade com a cultura de teatro – e, no entanto, mostram-se embarcados. (…) Scapin harmoniza diferentes registros sem dificuldades. É narrador, Muniz e ele mesmo, ator.”
Valmir Santos, Teatrojornal – Leituras de Cena.

“O resultado é um belo monólogo, marcado por sutilezas e repleto de subtextos.”
Dirceu Alves Jr., Revista Veja São Paulo.

Ficha técnica do espetáculo.
Roteiro: Cássio Junqueira e Cassio Scapin.
Elenco: Cassio Scapin.
Direção: Elias Andreato.
Figurino e Cenário: Fabio Namatame.
Iluminação: Wagner Freire.
Trilha Sonora: Jonatan Harold.
Assistente de Direção: André Acioli.
Produção Executiva: Angela Dória.
Fotos: João Caldas Filho.
Programação Visual: Denise Bacellar.
Direção de Produção: Fernanda Signorini.
Realização: Signorini Produções e Dub Serviços Artísticos.
Produção local: Studio Produções.
Assessoria de Imprensa local: Santa Cultura.
Espetáculo contemplado pela seleção pública do Programa Petrobras Distribuidora de Cultura 2015/2016.

Ficha técnica da audiodescrição.
Roteiro:
Mimi Aragón.
Revisão: Rafael Braz.
Narração: Kemi Oshiro.
Equipamento: Easy Translation Services.
Apoio: AJIDEVI

Sessões do espetáculo Eu Não Dava Praquilo, em Joinville/SC, com audiodescrição e interpretação em LIBRAS.
Quando |
De 17 a 19 de maio de 2016 (terça, quarta e quinta).
Onde | Galpão de Teatro da AJOTE (R. XV de Novembro, 1383).
Hora | Terça (17), quarta (18) e quinta (19), às 20h. Sessão extra na quarta (18), às 18h.
Duração | 60 minutos.
Ingressos | R$ 25, com 50% de desconto para pessoas com deficiência (mediante apresentação do cartão do Benefício de Prestação Continuada), idosos e estudantes. Vendas antecipadas no site Enjoy Events ou na Capitão Space Batataria e Pizzaria (Av. Marquês de Olinda, 3340 – Glória. Fone: 47 3422.5544. De segunda a domingo, das 18h30 às 0h).

Anúncios

Vem pra turma de yoga pra pessoas com deficiência visual na Devi Yoga!

FB_OVNI_devi yoga(descrição da imagem) Na foto colorida e horizontal, cinco mulheres estão em uma sala iluminada pela luz do dia, sentadas em tapetinhos sobre o piso laminado claro, usando roupas confortáveis, de olhos fechados e as palmas das mão unidas diante do peito. Dispostas em U, da esquerda para a direita estão a aluna Giselle Hubbe, a professora Marcela Ribas Campanhã, as proprietárias da escola, Rukmini Sabrina Pereira e Janaína De Paula Farias, e a aluna Josiane França, em primeiro plano. Ao fundo da sala de paredes claras, uma cristaleira de madeira rústica, três janelões e uma porta de vidro que dão para uma área aberta com piso e muros também claros. (fim da descrição) Foto: Kemi Oshiro.

Foi linda e plena de energia tranquila a aula aberta de hatha yoga para pessoas com deficiência visual, lá na Devi Yoga, sábado passado. E para tudo ficar ainda melhor, a turma segue em formação. Quem quiser experimentar uma aula sem custo e sem compromisso, pode ligar para (51) 9188 5219 e (51) 9184 0290. As aulas acontecem aos sábados, às 12h15, na Devi Yoga, que fica em Porto Alegre/RS, na Rua Quintino Bocaiúva, 694/307 (primeiro prédio à esquerda, passando a 24 de Outubro).

Programação oficial da Virada Sustentável em Porto Alegre/RS terá atividade realizada pela OVNI Acessibilidade Universal

OVNI_virada sustentável_20160402 (descrição da imagem) A foto colorida e horizontal mostra cinco pessoas de perfil, vendadas, sentadas em cadeiras dispostas em duas fileiras sob um telhado sem forro, com as tesouras aparentes, em um ambiente ligeiramente escurecido. Voltadas para a direita, elas parecem estar concentradas em algo à sua frente que não aparece na foto. (fim da descrição) Foto: Kemi Oshiro.

Dinâmica para sensibilização e apresentação do recurso da audiodescrição será no Parque da Redenção, dia 2 de abril, às 14h, com entrada franca.

Evento realizado pela primeira vez na Capital gaúcha, a Virada Sustentável contará, em sua programação oficial, com a dinâmica Audiodescrição: para ver com os ouvidos, uma realização da OVNI Acessibilidade Universal. A ideia é exibir um curta-metragem ao público vendado para sensibilizar e apresentar o recurso da audiodescrição, que permite a pelo menos 36 milhões de brasileiros ir ao cinema, ao teatro, a exposições, estudar, trabalhar, viajar e fazer tudo o que dê o acesso a uma vida plena. A atividade será no EcoPonto do Parque da Redenção, dia 2 de abril, sábado, das 14h às 15h, com entrada franca.

OVNI-viradaPOA logo

 

 

 

 

 

 

(descrição da imagem) A inscrição Virada Sustentável Porto Alegre 2016 está em três linhas de caracteres pretos sobre um fundo amarelo com formato irregular. Acima do fundo amarelo, à direita, duas meias-luas em tons de cinza, sobrepostas, formando um círculo, estão contornadas por duas setas pretas em sentido anti-horário. (fim da descrição)

Virada Sustentável
A Virada Sustentável acontece desde 2011 em São Paulo e articula pessoas, grupos e instituições para conscientizar e mobilizar a sociedade em favor de um modelo sustentável para o Planeta. Em Porto Alegre, o evento será entre 1º e 3 de abril e terá atividades culturais, esportivas, ambientais, educativas e iniciativas que buscam valorizar e dar visibilidade a ideias e projetos que promovam a sustentabilidade. A programação está focada em iniciativas que nos levem a um mundo mais consciente da necessidade de preservação. A Virada também pretende criar uma rede de mobilização permanente para o debate de questões fundamentais ao futuro da cidade, como mobilidade urbana, mudanças climáticas, águas, ética no consumo e tudo que possa levar a comportamentos sustentáveis, buscando construir novas alternativas para a vida em comunidade. A concepção do evento é baseada nos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, definidos pela ONU, que são também os princípios que regem os projetos realizados pelo grupo: erradicação da pobreza; fome zero; boa saúde e bem-estar; educação de qualidade; igualdade de gênero; água limpa e saneamento; energia acessível e limpa; emprego digno e crescimento econômico; indústria, inovação e infraestrutura; redução das desigualdades; cidades e comunidades sustentáveis; consumo e produção responsáveis; combate às alterações climáticas; vida debaixo d’água; vida sobre a terra; paz, justiça e instituições fortes; parcerias em prol das metas.

Dinâmica Audiodescrição: para ver com os ouvidos, na Virada Sustentável de Porto Alegre.
Quando | 2 de abril, sábado.
Onde | EcoPonto do Parque da Redenção.
Hora | Das 14h às 15h.
Ingressos | Entrada franca.

Opções de transporte coletivo com parada nas proximidades do Parque da Redenção:
Ônibus (Av. Osvaldo Aranha)

353 – Ipiranga/PUC
473 – Jardim Carvalho/Jardim do Salso
C2 – Circular Praça XV
C3 – Circular Urca
D43 – Universitária Direta
T5 – Transversal 5
T7 – Transversal 7
280 – Otto/HPS
349 – São Caetano
429 – Protásio/Iguatemi
430 – Bela Vista/Anita
431 – Carlos Gomes
433 – Vila Jardim
436 – Jardim Ipê
438 – Santana
439 – São Manoel
441 – Antonio de Carvalho
470 – Bom Jesus
476 – Petrópolis/PUC
490 – Morro Santana
491 – Passo Dorneles/Vila Safira
492 – Petrópolis/SESC
493 – Jardim Ypu
494 – Rubem Berta/Protásio
495 – Manoel Elias
496 – Jardim Protásio Alves
525 – Rio Branco/Anita
R41 – Rápida Protásio

Ônibus (Av. João Pessoa)
343 – Campus/Ipiranga
149 – Icaraí (Centro/Bairro)
177 – Menino Deus (Centro/Bairro)
209 – Restinga
210 – Restinga Nova
211 – Restinga Velha
250 – 1° de Maio
251 – Alpes
253 – Renascença (Bairro/Centro)
254 – Embratel
256 – Intendente Azevedo
257 – Paulino Azurenha
260 – Belém Velho
262 – Jardim Vila Nova
263 – Orfanatrófio
264 – Prado (Bairro/Centro)
265 – Jardim Medianeira (Bairro/Centro)
266 – Vila Nova
269 – Lami (Bairro/Centro)
270 – Grutinha (Centro/Bairro)
271 – Amapá (Centro/Bairro)
272 – Moradas da Hípica (Bairro/Centro)
273 – Moradas da Hípica (Bairro/Centro)
274 – Glória/Azenha/Cascatinha
280 – Campo Novo (Centro/Bairro)
282 – Cruzeiro do Sul (Bairro/Centro)
283 – Ipanema/Cavalhada (Centro/Bairro)
284 – Belém Velho (São Francisco) (Bairro/Centro)
285 – Nonoai (Bairro/Centro)
288 – Ipanema/Morro Alto (Bairro/Centro)
289 – Rincão via Oscar Pereira (Bairro/Centro)
255 – Caldre Fião (Bairro/Centro)
297 – Cemitério
340 – Jardim Botânico (Bairro/Centro)
344 – Santa Maria
345 – Santa Catarina
346 – São José
347 – Alameda
348 – Jardim Bento Gonçalves
360 – Ipê
361 – Cefer
375 – Agronomia
376 – Herdeiros
394 – Mapa
395 – Quinta do Portal
397 – Bonsucesso (Bairro/Centro)
398 – Pinheiro

Lotação (Av. Osvaldo Aranha)
03.11 – Ipiranga/PUC (Osvaldo Aranha)
30.3 – Santana
40.2 – João Abott
40.4 – Petrópolis SESC
40.41 – Petrópolis FAPA
40.5 – Chácara das Pedras

Lotação (Av. João Pessoa)
03.3 – Jardim Botânico
20.1 – Medianeira
20.2 – Otto/Teresópolis
20.6 – Glória
30.1 – Canal 10
30.2 – Partenon

Cassio Scapin convida para a peça Eu Não Dava Praquilo, com audiodescrição e LIBRAS, em Porto Alegre/RS

Cassio Scapin, co-autor e ator de Eu Não Dava Praquilo, manda um recado pra gente aqui em Porto Alegre. Ele, que é magro e com a musculatura definida, tem a pele muito branca, cabelos pretos, curtos e lisos, rosto anguloso, sobrancelhas espessas, olhos castanhos amendoados, nariz adunco e boca ampla, com o lábio inferior mais carnudo que o superior, aparece no vídeo da cintura para cima, de camiseta azul de mangas curtas, em uma sala com teto e paredes brancos. No canto inferior direito, uma janela destaca a tradutora e intérprete de LIBRAS, Celina Xavier Neta. Clique neste link para saber mais sobre o espetáculo e as apresentações acessíveis em Porto Alegre.


Espetáculo contemplado pela seleção pública do Programa Petrobras Distribuidora de Cultura 2015/2016.

“Eu Não Dava Praquilo” faz minitemporada em Porto Alegre/RS com audiodescrição e interpretação em LIBRAS

Com Cassio Scapin, monólogo que homenageia o ofício teatral enfocando a vida da atriz, diretora e professora Myriam Muniz estará em cartaz nos dias 4, 5 e 6 de março, no Centro Histórico-Cultural da Santa Casa. A produção de acessibilidade é da OVNI Acessibilidade Universal e os ingressos já estão à venda.

Chega a Porto Alegre/RS, nos dias 4, 5 e 6 de março, o monólogo Eu Não Dava Praquilo, uma homenagem à atriz, diretora e professora Myriam Muniz, com Cassio Scapin, direção de Elias Andreato e patrocínio da Petrobras. Todas as sessões terão audiodescrição e interpretação em LIBRAS, recursos produzidos pela OVNI Acessibilidade Universal. O espetáculo foi contemplado pela seleção pública do Programa Petrobras Distribuidora de Cultura 2015/2016.

As apresentações ocorrem no teatro do Centro Histórico-Cultural da Santa Casa (Av. Independência, 75 – Centro), com sessões às 20h, na sexta e no sábado, e às 19h, no domingo. Os ingressos custam R$ 25 e já estão à venda no café do teatro (Phyto Bistrô), até 3 de março, das 14h às 18h. Nos dias de espetáculo, a bilheteria abre três horas antes de cada sessão. Há desconto de 50% para pessoas com deficiência (mediante apresentação do cartão para recebimento do Benefício de Prestação Continuada), idosos, estudantes e titulares do Clube do Assinante ZH, com um acompanhante.

Sinopse
O monólogo cômico-dramático evoca fatos pessoais e profissionais da vida de Myriam Muniz, homenageando também o ofício teatral e sua importância como agente de transformação, tanto individual quanto social. Para o co-autor do texto e intérprete Cassio Scapin, seria impossível contar a história dos palcos brasileiros sem falar na artista paulistana, dona de personalidade ímpar e que tinha uma forma igualmente única de representar. O diretor Elias Andreato considera Myriam Muniz uma sacerdotisa do teatro, com ensinamentos que marcaram profunda e apaixonadamente muitos artistas.

5D III
(descrição da imagem) A foto colorida e horizontal, com fundo preto, mostra Cassio Scapin em ação na peça Eu Não Dava Praquilo, sob um foco de luz branca, sentado em uma cadeira sobre um tablado circular de madeira clara, com um cigarro apagado na mão direita erguida na altura da cabeça. Magro, de pele clara e cabelos pretos penteados para trás, ele usa camiseta, calça e, sobre os ombros, um xale, tudo na cor preta, e está descalço. Tem a cabeça ligeiramente inclinada para trás, os olhos semicerrados e a boca entreaberta, como se falasse no momento da foto. Seu cotovelo esquerdo está apoiado no braço da cadeira. No tablado, à esquerda, uma caixa grande de fósforos, e, à direita, algumas folhas de papel. (fim da descrição) Foto: João Caldas Filho.

Cassio Scapin
Formado pela Escola de Arte Dramática da USP, Cassio Scapin é um dos grandes atores brasileiros. Participou de diversas telenovelas, filmes, minisséries e peças de teatro. Trabalha como ator profissional desde 1984 e, nos últimos anos, esteve nas peças “O Mistério de Irma Vap”, com direção de Marília Pêra, e “O Libertino”, com direção de Jô Soares. Na televisão, é muito reconhecido pela participação no Castelo Rá-Tim-Bum. Na TV Record, atuou na novela “Ribeirão do Tempo” e integra o elenco de “Escrava Mãe”, novela ainda inédita. No Multishow, esteve no ar no seriado “Trair e Coçar, é só Começar”. Recebeu os prêmios Mambembe, Governador do Estado, Associação Paulista dos Críticos de Arte – APCA e Apetesp, entre muitos outros. Por sua atuação em Eu Não Dava Praquilo, foi indicado aos Prêmios Shell, Quem e APCA, este conquistado em 2013. No currículo, reúne participações em mais de 30 projetos no teatro, 12 na televisão, além de concertos, longas e curtas-metragens.

Myriam Muniz
muniz-678x1024(descrição da imagem) A foto colorida e vertical, com fundo marrom desfocado, mostra Myriam Muniz do peito para cima; ela nos observa, séria, com a cabeça ligeiramente inclinada para a esquerda e uma das sobrancelhas arqueadas. É uma mulher idosa, branca, de cabelos grisalhos e longos, presos em uma trança, rosto oval, sobrancelhas escuras, olhos amendoados sob os óculos de grau retangulares e pretos, nariz grande e boca pequena, de lábios carnudos e rosados. Usa blusa escura sob um xale floreado e colar de pérolas. (fim da descrição) Foto: Divulgação.

 

 

Atriz, diretora e professora, Myriam Muniz (1931-2004) perpetuou seu nome na história do teatro brasileiro do século 20. Egressa da Escola de Arte Dramática, a paulistana descendente de portugueses e italianos passou pelo Teatro Oficina, Teatro Brasileiro de Comédia, Teatro de Arena e pelas companhias de Dulcina de Moraes e Nydia Licia, além de fundar o Centro de Estudos Macunaíma, hoje conhecido como Teatro Escola Macunaíma, uma das mais respeitadas instituições para formação de atores do País. Por lá passaram Paulo Betti, Eliane Giardini, Lília Cabral, Domingos Montagner e Cristina Pereira, entre outros. Atuou em dezenas de peças, filmes e algumas produções para a TV. Em 1975, Myriam dirigiu o mítico show “Falso Brilhante”, o mais bem-sucedido da carreira de Elis Regina, com quem se desentendeu durante os ensaios. Seu último trabalho foi no filme “Nina”, de Heitor Dália, lançado em 2004, no qual interpreta a avarenta e cruel dona Eulália. Sua trajetória artística está documentada nos livros “Giramundo: O Percurso de Uma Atriz – Myriam Muniz”, organizado por Maria Thereza Vargas, e “Myriam Muniz – uma pedagoga do teatro”, de Marcelo Braga. Em 2006, a Funarte criou o “Prêmio de Teatro Myriam Muniz”, para estimular e fomentar a produção e pesquisa de artes cênicas.

O que diz a crítica sobre Eu Não Dava Praquilo
“Ontem fui ao teatro assistir a peça Eu Não Dava Praquilo, que conta a história da vida da Myriam Muniz. Foi uma experiência única! O ator Cassio Scapin interpreta, sozinho, aquela mulher de forma tão espetacular e tão perfeita que tive a sensação de estar numa sessão espírita…”
Fábio Bibancos, Folha de S. Paulo.

“De fato, vemos Myriam. A Myriam de Cassio. E não somente porque Cassio consegue reproduzir inflexões de voz, cacoetes e modos de dizer da Myriam ‘de verdade’. Mas, sobretudo, porque a essência de Myriam empresta o corpo, os trejeitos, a voz e o olhar de Cassio para se fazer presente. (…) Eu Não Dava Praquilo é um espetáculo que nos lembra da sensação frequente de que não damos para essa tarefa hercúlea que é viver – e viver com consciência e plenitude. Mas justamente por reconhecermos que não nascemos prontos, que lapidar é preciso, que ainda tropeçaremos 40 mil vezes… é que aprendemos a estar vivos, a ser autônomos, a trabalhar nossos talentos e a lidar com nossas imperfeições. E, sim, sim, podemos alcançar fagulhas de felicidade. Isso nos disse a Myriam. Isso nos disse o Cassio.”
Maria Fernanda Vomero, Revista Época São Paulo.

“A montagem abre-se ao bom humor e às verdades cortantes. É feliz e inteligente ao dispensar a verossimilhança ou a caracterização para conversar diretamente com a maioria dos espectadores que desconhece a homenageada e não tem familiaridade com a cultura de teatro – e, no entanto, mostram-se embarcados. (…) Scapin harmoniza diferentes registros sem dificuldades. É narrador, Muniz e ele mesmo, ator.”
Valmir Santos, Teatrojornal – Leituras de Cena.

“O resultado é um belo monólogo, marcado por sutilezas e repleto de subtextos.”
Dirceu Alves Jr., Revista Veja São Paulo.

Ficha técnica do espetáculo
Roteiro: Cássio Junqueira e Cassio Scapin.
Elenco: Cassio Scapin.
Direção: Elias Andreato.
Figurino e Cenário: Fabio Namatame.
Iluminação: Wagner Freire.
Trilha Sonora: Jonatan Harold.
Assistente de Direção: André Acioli.
Produção Executiva: Angela Dória.
Fotos: João Caldas.
Programação Visual: Denise Bacellar.
Direção de Produção: Fernanda Signorini.
Realização: Signorini Produções e Dub Serviços Artísticos.
Produção local: Primeira Fila Produções.
Assessoria de Imprensa local: Bruna Paulin – Assessoria de Flor em Flor.
Este espetáculo foi contemplado pela seleção pública do Programa Petrobras Distribuidora de Cultura 2015/2016.

Ficha técnica dos recursos de acessibilidade
Produção de acessibilidade: OVNI Acessibilidade Universal.
Tradução e interpretação em LIBRAS: Celina Xavier Neta.
Roteiro de audiodescrição: Mimi Aragón.
Revisão: Rafael Braz.
Narração: Kemi Oshiro.
Equipamento: Grupo Evento (antiga A2 Sistemas Audiovisuais).
Equipe de apoio: Débora Maier, Eva Mothci e Tanira Lessa Flores Soares.

Sessões da peça Eu Não Dava Praquilo, em Porto Alegre/RS, com audiodescrição e interpretação em LIBRAS.
Quando | De 4 a 6 de março de 2016, sexta, sábado e domingo.
Onde | Teatro do Centro Histórico-Cultural da Santa Casa (Av. Independência, 75 – Centro).
Hora | Sexta (4) e sábado (5), às 20h, domingo (6), às 19h.
Ingressos | R$ 25, com 50% de desconto para pessoas com deficiência (mediante apresentação do cartão para recebimento do Benefício de Prestação Continuada), idosos, estudantes e titulares do Clube do Assinante ZH, com um acompanhante. Até 3 de março, no Phyto Café (Av. Independência, 75 – Centro), das 14h às 18h. No teatro, a bilheteria abre três horas antes de cada sessão.

Opções de transporte coletivo com parada nas proximidades do Centro Histórico-Cultural Santa Casa:
Ônibus

T9 – Transversal 9
510 – Auxiliadora
608 – IAPI
637 – Chácara das Pedras

Lotação
05.1 e 05.11 – Rio Branco
30.3 – Santana
50.1 e 50.11 – Auxiliadora
50.2 – IAPI
50.3 e 50.31 – Montserrat
50.61 – Guerino/ Lindoia/ Auxiliadora

Cinema para ver com os ouvidos na 9ª edição do Projeto Vizinhança, em Porto Alegre/RS

flyer ovni vizinhança
Projeto Vizinhança convida: 9ª edição, 7 e 8 de novembro.
Sábado das 10h às 20h. Domingo das 10h às 18h.
Av. Guaíba, 4126. Bairro Vila Assunção – POA.
Atividade: dia 7 de novembro (sábado), das 12h às 20h.
Cinema para ver com os ouvidos: exibição de curtas-metragens com audiodescrição.
OVNI Acessibilidade Universal.

Projeto Vizinhança.
www.projetovizinhanca.art.br
www.facebook.com/ProjetoVizinhanca
projetovizinhanca@gmail.com

(descrição da imagem) O flyer eletrônico da 9ª edição do Projeto Vizinhança, com formato retangular, orientação horizontal e fundo branco, é ilustrado ao centro com uma foto colorida que retrata um grupo com cerca de 50 pessoas posando sorridentes no tapete vermelho do 43º Festival de Cinema de Gramado, instalado na Rua Coberta. Diante de uma reprodução com aproximadamente 3 metros do Kikito, o troféu dourado e risonho com cabeça em forma de Sol, a maioria está em pé, atrás de seis pessoas agachadas. Alguns do grupo usam bengalas brancas e óculos escuros. No alto da foto, ramos de árvores pendem da cobertura côncava da Rua, criando um efeito decorativo. Ao longe, no centro, também pende da cobertura um banner vertical do 43º Festival de Gramado com a imagem do Kikito sobre fundo branco. No rodapé, à direita, em letras brancas, o crédito ao fotógrafo: Cleiton Thiele/Agência PressPhoto. A parte de baixo da foto está recortada e contornada por uma linha azul e larga, lembrando um telhado de cabeça para baixo. O texto está em caracteres pretos ou azuis. No canto inferior direito, ao lado dos contatos do Projeto Vizinhança, uma logomarca mostra a palavra Projeto em letras brancas, inscrita em um pentágono preto de lados irregulares, sugerindo uma casa e remetendo ao recorte da foto, e a palavra Vizinhança em letras pretas, logo abaixo do pentágono e ocupando toda a sua largura. (fim da descrição)

Cinema para ver com os ouvidos
Dá para assistir a um filme sem o sentido da visão? Será possível enxergar com os ouvidos? A OVNI Acessibilidade Universal estará na 9ª Edição do Projeto Vizinhança exibindo curtas-metragens com audiodescrição. E quem não é usuário do recurso, mas quiser experimentar um jeito diferente de apreciar a sétima arte, poderá usar vendas. Porque cinema acessível faz bem para todo mundo!

As sessões com audiodescrição, entre várias outras atividades superbacanas, acontecem no próximo dia 7, sábado, das 12h às 20h, ininterruptamente, em um casarão desocupado na Av. Guaíba, 4126, no bairro Vila Assunção, em Porto Alegre/RS. E a 9ª edição do Projeto Vizinhança continua no dia seguinte, 8, domingo, das 10h às 18h. Toda a programação tem entrada franca.

Confere abaixo tudo o que acontece nos dois dias, traz a tua vontade de confraternizar e vivenciar novas experiências e vem com a gente!

Sábado 07/11/15
10h – Café da manhã de boas vindas.
11h – Apresentação musical de Dona Ivone Pacheco e Maurício Oliveira, com participação da poetisa Conça Dornelles.
11h – Oficina de customização de caixotes de feira com Vanessa Kaminski.
12h – Churrasco coletivo e colaborativo.
12h – OVNI Acessibilidade Universal apresenta: Cinema para ver com os ouvidos – curtas-metragens com audiodescrição (até as 20h).
14h – Oficina de construção de cabanas para crianças com Fernanda Renner Ely.
15h – Bate-papo sobre ativismo com o pessoal da Rede Minha Porto Alegre.
15h – Oficina de origami com Barbara Benz.
16h – Contação de Histórias com Patricia Vieira.
16h – Oficina de leite vegetal com Loraine Luz.
16h – Bolhas de sabão gigantes com Marilia Bianchini.
17h – Apresentação musical da banda Mendigos.
17h – Prática de Yoga com Loraine Luz.
19h – Apresentação musical da banda Ex-Orbitantes.

Domingo 08/11/15
10h – Café da manhã de boas vindas.
11h – Apresentação musical do grupo vocal Da Boca pra Fora.
11h – Oficina de Bonecas Africanas com T de Tati.
12h – Almoço coletivo e colaborativo com Fabi Sassi.
14h – Topos, lugares da memória – Performance intervenção de Tatiana Barbiero Frantz.
15h – Oficina de iniciação à técnica Quilling com Karen Cerutti.
15h – Contação de Histórias com Patricia Vieira.
16h – Oficina para crianças de Cenários de Areia com Fernanda Renner Ely.
16h – Apresentação musical da banda As Aventuras.
17h – Mostra de fragmentos do Espetáculo de dança “Um olhar através de” da Transforma Cia de Dança.
18h – Apresentação musical da banda Lítera.

Participação de artistas visuais:
Barbara Benz – intervenção.
Eleonora Graebin – ocupação poética.
Heloísa da Costa Medeiros – exposição fotográfica “impermanência e memórias frágeis de mim mesma”.
Miriam Gomes – exposição de esculturas “Mundos”.
Ney Caminha – instalação.
Pana Constantinou – intervenção.
Selir Straliotto e Silvia Livi – instalação.
Tatiana Barbiero Frantz – performance intervenção “Topos, lugares da memória”.
Thabita Abrahim – exposição “redor”.

Sobre o Projeto Vizinhança
O Projeto Vizinhança nasceu em 2012 a partir de reflexões advindas do cotidiano de pessoas que se interessam por sua cidade e pelas relações que nela se constroem de vizinhança e identidade. Muitas coisas em comum uniram Márcia Braga e Aline Bueno nesta iniciativa que busca ativar espaços ociosos da cidade transformando-os, através da participação coletiva, em lugares, palco de novas experiências, estimulando a convivência entre vizinhos, a troca e a aprendizagem em um ambiente lúdico, criativo e informal.

As oito primeiras edições aconteceram entre agosto de 2012 e novembro de 2014 e foram experiências inéditas e maravilhosas, que mobilizaram conjuntamente mais de 1000 pessoas em uma série de atividades artístico-culturais.

1ª Edição – Arte de Perto – Agosto 2012
Uma casa que estava para alugar no bairro Boa Vista se transformou em uma galeria de arte através de uma parceria com a Galeria Virtual VendoArte.

2ª Edição – Quintais – Outubro 2012
Um jardim abandonado no bairro Petrópolis recebeu atividades variadas como: oficinas, pocket show, refeições coletivas e momentos de encontro entre amigos e vizinhos.

3ª Edição – Muros – Março 2013
Um grande terreno desocupado no bairro Santa Tereza ganhou vida com a intervenção de diversos artistas.

4ª Edição – Jazz – Junho 2013
A casa da Dona Ivone Pacheco, diva do jazz porto-alegrense, foi palco de muita música, arte nos muros, dança, teatro, poesia e contação de história.

5ª Edição – Casas da Memória – Novembro 2013
Três casas abandonadas foram transformadas para receber amigos e vizinhos durante um final-de-semana com uma programação intensa de atividades.

6ª Edição – Um Centro Cultural por Bairro – Março 2014
O Centro Cultural Zona Sul, no bairro Tristeza, recebeu por dois dias o Projeto Vizinhança que ativou o local com oficinas, exposições, dança, música e muitos encontros.

7ª Edição – Terreno de Ideias – Maio 2014
Um terreno no bairro Santa Tereza acolheu vizinhos e amigos em um sábado cheio de momentos de compartilhamento.

8ª Edição – Lugar de Brincadeira – Novembro 2014
No bairro Santana, transformamos um terreno num lugar de brincadeiras, de encontros e de arte!

9ª Edição do Projeto Vizinhança.
Quando:
Dias 7 e 8 de Novembro de 2015.
Horários: Dia 7, das 10h às 20h, e dia 8, das 10h às 18h.
Dia 7, sábado, das 12h às 20h: OVNI Acessibilidade Universal apresenta: Cinema para ver com os ouvidos – curtas-metragens com audiodescrição.
Onde: Av. Guaíba, 4126 – Vila Assunção.
Quanto: Gratuito.
Mais informações sobre o Projeto Vizinhança: site, Facebook e projetovizinhanca@gmail.com

Opções de ônibus com parada nas proximidades do casarão na Av. Guaíba, 4126:
188 – Assunção
C80 – Circular Zona Sul

Vem com a gente pro Sharefest Porto Alegre!

programação sharefest2015Sharefest POA 2015. Programação. Agenda completa. 25/10.

Vila Flores.
9h45: Abertura com Biodanza.
10h30, espaço 1: Eventos Colaborativos.
10h30, espaço 2: Arte Sustentável.
10h30, espaço 3: Yoga em Família.
14h, espaço 1: Cidade Para Quem?
14h, espaço 2: Produção Cultural Acessível.
14h, espaço 3: Orquestração de Redes.
16h, espaço 1: Economia Para Quem?
16h, espaço 3: Design Thinking.
17h, espaço 2: Sustentabilidade do Eu Coletivo.
18h, espaço 1: Cultura Para Quem?
19h45: Encerramento com Novo Circo Cia de Dança.

La Casa de Pandora.
10h, espaço 1: Rede de Moda Sustentável.
10h, espaço 2: Se Essa Rua Fosse Minha.
10h30, espaço 3: Língua de Sinais.
14h, espaço 1: De Onde Falas?
14h, espaço 2: Pague Suas Contas Fazendo o Que Ama.
14h, espaço 3: Introdução à Escutatória.
16h, espaço 3: Resgatando Nosso Coletivo.
18h, espaço 1: Comunicação Não Violenta.
18h, espaço 2: Encontro de Casas Colaborativas.

Atividades na rua.
10h30, Vila Flores: Walking Tour 4º Distrito.
10h30, Vila Flores: Um Dia na Vida do Catador.
14h, Vila Flores: Oficina de Tsuru.

Ações especiais no Vila Flores.
Guarda-chuva: Traga seu guarda-chuva quebrado para ajudar o trabalho da Cooperativa CEAR.
Desmonte de Resíduos Eletrônicos: Traga seus cacarecos eletrônicos para serem descartados de maneira correta.
Love Letters: Olhe bem por onde anda: o amor pode estar te olhando também.
Entrega de Sucos Tribo Viva: Somos ponto de entrega da oferta de sucos especial para o Festival.
Alimentação Colaborativa: Teremos uma mesa esperando colaborações de frutas e pequenos lanches para serem compartilhados. Traga algo gostoso!
Transforma Livro: Arrecadação de livros para repasse a bibliotecas da periferia.
Recolhimento de Doações: Alimentos e produtos de higiene para o pessoal das Ilhas, que sofre no momento com as chuvas.

www.sharefestportoalegre.cc
www.facebook.com/sharefestportoalegre

(descrição da imagem) O flyer eletrônico com a programação de atividades do ShafestPOA, em tons de rosa e azul, é ilustrado ao fundo com uma foto das mãos de alguém que modela um pedaço de argila. No canto superior esquerdo está o símbolo do Festival, que remete ao ícone de compartilhamento na internet: três círculos – um rosa, um azul e um amarelo – dispostos em formato de triângulo e ligados por duas linhas retas. O texto do flyer está em letras brancas. No centro, a programação está em uma tabela com contorno amarelo. No canto inferior esquerdo, um quadrado rosa com as atividades na rua. Ao lado, um retângulo azul com as ações especiais. O rodapé é branco e traz os endereços do site e da fanpage em caracteres cor-de-rosa. (fim da descrição)

Festival de Cultura e Economia Colaborativa de Porto Alegre acontece no dia 25 de outubro, domingo, e oferecerá mais de 20 atividades à comunidade
Criado para celebrar e promover a colaboração local e o empoderamento social, o ShareFest Porto Alegre – Festival de Cultura e Economia Colaborativa – trata de temas como compartilhamento de recursos, modelos sustentáveis para criação e distribuição de bens e serviços, educação e cooperação. O projeto ganha vida no dia 25 de outubro, das 10h às 20h30, no Vila Flores e na casa colaborativa La Casa de Pandora, ambos no bairro Floresta, novo pólo cultural e criativo da cidade. Mais informações em www.sharefestportoalegre.cc.

Planejado, organizado e produzido por um grupo heterogêneo de pessoas ligadas a diversas áreas de interesse, o Festival angaria colaborações de empresas da iniciativa privada e de coletivos e cooperativas. Sem fins lucrativos, busca criar um dia em que as pessoas colaboram para que mais pessoas aprendam e descubram o poder da colaboração e do compartilhamento de recursos.

A primeira edição do evento aconteceu no ano passado e reuniu cerca de 500 pessoas em 25 atividades, formando uma rede de mais de 40 projetos da cidade para viabilizar todo o festival. Durante um dia inteiro na Casa de Cultura Mário Quintana, as atividades abertas trataram sobre arte, sustentabilidade, consumo, mobilidade e educação. Participaram empreendedores e inovadores sociais, líderes de ONGs e empresas e ativistas para destacar projetos existentes, criar oficinas e facilitar experiências.

Em 2015 o festival traz o conceito “Experiências Colaborativas Transformam” e para os organizadores ele contribui para Porto Alegre se tornar uma cidade mais humana. “O festival está sendo totalmente co-criado a partir da colaboração. Seja o conteúdo, sejam os recursos materiais e serviços necessários, tudo está sendo viabilizado e oferecido a partir da colaboração das pessoas, empresas, marcas, projetos, instituições e coletivos que acreditam – e agem – na colaboração. O objetivo principal é estimular a cultura da colaboração, aproximando as pessoas e criando experiências educativas para empoderar e ferramentar a comunidade a promover uma vida voltada a criação de valor real e compartilhado” comenta Philipe Martins, um dos co-organizadores do festival em Porto Alegre.

Inscrições
As inscrições nas atividades estão abertas até 23/10, são com contribuição espontânea e contam com número limitados de vagas. Para um exercício de co-responsabilidade financeira, há opção de contribuição financeira para custeio de insumos das atividades, transportes e alguns dos recursos materiais necessários. Além disso, todos os participantes serão convidados a levar alimentos não perecíveis e roupas para repasse aos moradores das ilhas de Porto Alegre, muito atingidos pelas últimas chuvas. Inscrições em todas as atividades pelo canal na plataforma nos.vc: http://www.nos.vc/pt/pages/sharefestpoa

ShareFest Porto Alegre 2015
Quando: 25/10/2015.
Horário: das 10h às 20h30.
Onde: Centro Cultural Vila Flores (Rua Hoffmann, 477 – Floresta) e La Casa de Pandora (Rua Comendador Azevedo, 521 – Floresta).
Evento Oficial: www.facebook.com/events/1701955030032982

É Proibido Miar volta ao palco em curtíssima temporada em Porto Alegre/RS

Grande sucesso na temporada de inverno, espetáculo de teatro para crianças (de qualquer idade) com audiodescrição e língua de sinais feitas pelos próprios atores retorna ao Centro Histórico-Cultural Santa Casa nos dias 3 e 4 de outubro.

miar3(descrição da imagem) Na foto colorida e horizontal, os quatro atores da peça É Proibido Miar estão de frente, lado a lado, da cintura para cima, sorrindo, de macacões coloridos com capuzes com orelhinhas, e as pontinhas dos narizes levemente pintadas de preto, lembrando focinhos. Cada um faz o sinal em Libras correspondente a uma letra da palavra Miar. Na esquerda, Ju, a mais alta, branca e com olhos verdes, de macacão preto, cinza e branco, faz o M, com os dedos seu vizinho, pai de todos e fura-bolo apontados para baixo. Joana, negra, com grandes olhos castanhos – e o esquerdo levemente pintado de branco -, de macacão marrom, bege e branco, faz o I, com o mindinho apontado para cima. Dani, branca, com olhinhos bem pequenos e castanhos, de macacão laranja, pêssego e vermelho, faz o A, com todos os dedos fechados na palma da mão. Douglas, branco, com olhos castanhos arregalados, barba e boca aberta, de macacão vermelho, laranja e marrom, faz o R, com o fura-bolo e o pai de todos cruzados e apontados para cima. Ao fundo, cortinas escuras. (fim da descrição) Foto: Thais Fernandes.

O Bingo está de volta! Depois do grande sucesso da temporada em julho e agosto na Sala Álvaro Moreyra e no Teatro do Centro Histórico-Cultural Santa Casa, em Porto Alegre/RS, o espetáculo de teatro para crianças (de 1 a 100 anos!) É Proibido Miar, da MA Companhia – teatro, dança e assemelhados, retorna ao teatro da Santa Casa (Av. Independência, 75) para somente duas apresentações, nos dias 3 e 4 de outubro, sábado e domingo, às 16h (chegue 15 minutos antes para conferir o tour tátil pelo cenário conduzido pelo elenco).

Os ingressos a preços promocionais para venda antecipada já estão disponíveis na Livraria Bamboletras (Shopping Nova Olaria – R. General Lima e Silva, 776) a R$ 20, com 50% de desconto para idosos, estudantes, classe artística, pessoas com deficiência e funcionários da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. No teatro, podem ser adquiridos uma hora antes de cada apresentação a R$ 30, com a mesma política de descontos.

Sinopse:
Baseado no livro infantil homônimo de Pedro Bandeira, o espetáculo É Proibido Miar conta a história de Bingo, um filhote de cachorro que não via nenhum problema em miar, mas sua família e sua dona não pensavam como ele. E é aí que as coisas acontecem…

Acessibilidade:
É Proibido Miar traz uma proposta inédita em termos de acessibilidade no teatro: os próprios atores fazem a audiodescrição e a tradução para língua de sinais. A ideia é investigar o potencial criativo da audiodescrição como narrativa e da Libras como gestual, inserindo-as na concepção dramatúrgica e propondo uma linguagem teatral experimental. O programa da peça foi impresso em fonte ampliada e também em braille e no início do espetáculo o público é convidado a um tour tátil pelo cenário, conduzido pelo atores.

Ficha técnica:
Direção: Denis Gosch
Assistência de Direção: Ricardo Zigomático
Dramaturgia adaptada: Daniel Colin
Elenco: Dani Dutra, Douglas Dias, Joana Amaral e Juliana Kersting
Assessoria em LIBRAS: Joana Amaral
Assessoria em audiodescrição: Mimi Aragón (OVNI Acessibilidade Universal)
Coordenação pedagógica: Patrícia Colin
Trilha sonora original: Moysés Lopes e Alexandre Fritzen
Preparação vocal: Beto Chedid
Figurinos e adereços: Fabrízio Rodrigues
Cenário: Denis Gosch e Fabrízio Rodrigues
Iluminação: Casemiro Azevedo
Bilheteria: Simone Dornelles
Produção: Fio Produtora Cultural
Produção executiva: Débora Maier
Direção de produção: Juliana Kersting

miar2(descrição da imagem) Na foto colorida e horizontal, Joana está à esquerda e Ju à direita, ambas na penumbra, ligeiramente iluminadas por uma luz prateada, de macacões coloridos com capuzes com orelhinhas. Joana, negra, com grandes olhos castanhos – e o esquerdo levemente pintado de branco -, de macacão marrom, bege e branco, está de perfil, da cintura para cima, e nos olha de lado, com a testa franzida e a boca entreaberta, parecendo curiosa. À direita, Ju, branca, alta e de macacão preto, cinza e branco, aparece dos joelhos para cima e meio desfocada atrás de uma cortina escura que a luz deixa quase transparente. Ju tem a boca mais ou menos aberta e estende o braço direito na direção de Joana, parecendo chamá-la. (fim da descrição) Foto: Thais Fernandes.

O que afirma quem já assistiu:
“Foi tão criativa e me senti criança outra vez, pude acompanhar a cada instante como se eu estivesse fazendo parte da história.”
Patricia Rodrigues Witt, terapeuta ocupacional, surda (texto completo em http://surdezsilencioemvoodeborboleta.com/blog/2015/07/12/me-senti-tao-integrada-nessa-peca-libras-e-audio-descricao/).

“Agradeço de coração toda a atenção dispensada a mim e à Beatriz. Com certeza este momento ficará em nossa memória, como a primeira vez em que a levei ao teatro e também a primeira vez em que assistimos a um espetáculo onde fomos verdadeiramente incluídos.”
Emanuel Noimann, funcionário público, cego.

“”Realmente fora de série! Assisti com meu irmão Claudio Roberto, que é cego e com o André Luiz, seu filho de 4 anos. Meu irmão parecia uma criança, como o seu filho. Me emocionei por vê-lo tão feliz! Quando saímos, ele falou: ‘me senti dentro do palco’.”
Cecília Quaresma, aposentada.

“Divertido demais! (…) Na fila de entrada já fiquei contente ao abrir o programa/cartaz e ver fonte ampliada… (…) Imagina as pessoas com baixa visão, que coisa bem boa poder ler um programa de espetáculo, pq ali tem uma fonte que lhes permite isso! Inclusão! Ótimo acolhimento à diversidade! Fantástico observar as crianças da plateia tentando imitar os sinais de Libras, que os atores faziam e esticando a cabecinha pra cima, acompanhando o que a audiodescrição lhes apontava, lhes chamava a atenção. (…) Se pras crianças cegas isso é fundamental pra conhecerem o ambiente, pras crianças/pais que enxergam é (…) um despertar pros outros elementos que fazem uma cena, além do que está na sua frente. Tão legal explicar no início o que é Libras e o que é Audiodescrição e pra que serve! Libras já é mais conhecida, mas AD… puxa, quantas pessoas hoje foram pra casa entendendo este recurso!”.
Márcia Ilha Marques, funcionária pública.

“Fazia tempo que eu não surpreendia tanto com um espetáculo e fiquei realmente estarrecida quando vi “É Proibido Miar”, um espetáculo que eleva a palavra “inclusivo” para outro patamar. Eu já tinha ouvido falar que tinha audiodescrição (para cegos), que tinha libras (para surdos) mas achava que essas “traduções” eram externas à obra. Tomei um susto quando vi que estava tudo dentro, com os atores agindo enquanto se descrevem e falam em libras enquanto falam com a voz. (…) É um “espetáculo infantil” só porque acontece de tarde e a história que deu base à dramaturgia é infantil, mas os adultos se deliciaram. (…) É a minha recomendação pra quem quer ver algo diferente de tudo que já se viu.”
Dedé Ribeiro, produtora cultural (texto completo em https://dederibeiro.wordpress.com/2015/07/28/todos-iguais-todos-diferentes-todos-assistindo-teatro-bom/).

“Sucesso de público em todas as sessões. Muito bom receber uma peça que incorpora em sua dramaturgia recursos de acessibilidade, a fim de democratizar o acesso à cultura.”
Simone Pedrozo da Silveira, Centro Histórico-Cultural Santa Casa.

“A riqueza e fluidez da Libras e da Audiodescrição incorporadas à dinâmica e sensibilidade teatral uniram a todos na plateia em uma apreciação integrada. (…) Um trabalho que vai marcar a trajetória do teatro infantil! (…) Não deixem de assistir!”
Lisiane Medeiros, atriz.

“É um trabalho emocionante… Vai pegando o público e cativando até o emocionante e filosófico final.”
Carlos Azevedo, iluminador.

miar1(descrição da imagem) Na foto colorida e horizontal, Dani, Joana e Douglas estão de frente, da cintura para cima, de macacões coloridos com capuzes com orelhinhas. No meio e à frente está Joana, negra, com grandes olhos castanhos – e o esquerdo levemente pintado de branco -, de macacão marrom, bege e branco, sorrindo, com o braço esquerdo esticado para cima. Atrás dela, à esquerda, Dani, branca, de macacão laranja, pêssego e vermelho, desvia o rosto, os olhos fechados com força, as bochechas cheias e o dedo fura-bolo na frente da boca, fazendo cara de nojinho. Também atrás de Joana, à direita, Douglas, branco, de barba castanha, macacão vermelho, laranja e marrom, tapa o nariz e abre a boca, como se exclamasse: “Argh!”. Ao fundo, cortinas escuras. (fim da descrição) Foto: Thais Fernandes.

É Proibido Miar, espetáculo de teatro para crianças com audiodescrição e língua de sinais feitas pelos próprios atores.
Datas: 3 e 4 de outubro, sábado e domingo.
Hora: 16h (chegue 15 minutos antes para conferir o tour tátil pelo cenário conduzido pelo elenco).
Local: Teatro do Centro Histórico-Cultural Santa Casa (Av. Independência, 75). Estacionamento pago no local. Ambiente adaptado para receber também o público com deficiência física ou mobilidade reduzida.
Ingressos antecipados: R$ 20 (Livraria Bamboletras (Shopping Nova Olaria – R. General Lima e Silva, 776).
Ingressos no local (bilheteria aberta uma hora antes da apresentação): R$ 30.
Desconto: 50% para idosos, estudantes, classe artística, pessoas com deficiência e funcionários da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre.
Informações: fones 51 9958 0519 (Débora Maier), 51 9217 1585 (Juliana Kersting) ou e-mail producao@eproibidomiar.com.br.

Opções de transporte coletivo com parada nas proximidades do Centro Histórico-Cultural Santa Casa:
Ônibus

T9 – Transversal 9
C3 – Circular 3
510 – Auxiliadora
608 – IAPI
637 – Chácara das Pedras

Lotação
05.1 e 05.11 – Rio Branco
30.3 – Santana
50.1 e 50.11 – Auxiliadora
50.2 – IAPI
50.3 e 50.31 – Montserrat
50.61 – Guerino/ Lindoia/ Auxiliadora

Las Brujas Cia de Teatro e feitiços e OVNI Acessibilidade Universal convidam para o workshop Produção Cultural – A Acessibilidade em Projetos de Teatro

A atividade, dia 29/09, às 15h, no Centro Cultural CEEE Erico Verissimo, com entrada franca, terá como ponto de partida o projeto A Menina do Cabelo Vermelho, contemplado pelo Programa Petrobras Distribuidora de Cultura 2015/2016.

A Las Brujas Cia de Teatro e feitiços e a OVNI Acessibilidade Universal realizam um workshop sobre acessibilidade em projetos de teatro no dia 29 de setembro, terça-feira, das 15h às 17h, na Sala Noé de Mello Freitas do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo (R. dos Andradas, 1223 – Centro Histórico, Porto Alegre), com entrada franca. O workshop Produção Cultural – A Acessibilidade em Projetos de Teatro propõe como ponto de partida o projeto A Menina do Cabelo Vermelho, que teve a montagem do espetáculo homônimo financiada pelo Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2012.

A Las Brujas Cia de Teatro abordará questões relativas à inclusão de recursos acessíveis (como a audiodescrição e a Libras – Língua Brasileira de Sinais) em projetos de teatro. Os resultados desse projeto serão exibidos em vídeo e áudio. A Cia recentemente foi contemplada para a circulação desse mesmo espetáculo pelo Programa Petrobras Distribuidora de Cultura 2015/2016, que prevê ações estendidas de recursos acessíveis, como oficinas e intercâmbio com grupos. E para tratar especificamente sobre a produção de acessibilidade, estará presente no workshop a OVNI Acessibilidade Universal, empresa com vasta experiência no mercado e que é parceira da Las Brujas em todas as ações que envolvem esse tema.

A parceria entre a Las Brujas Cia de Teatro e feitiços e as profissionais da OVNI Acessibilidade Universal iniciou-se em 2013, com a montagem do espetáculo de teatro infantil A Menina do Cabelo Vermelho, e consolidou-se com a iniciativa de realizar a primeira temporada de teatro infantil na Região Sul com o recurso de audiodescrição aberta em todas as sessões. A iniciativa pioneira resultou no convite para integrarem a programação da II IncludIt – Conferência Internacional para a Inclusão, em Leiria, Portugal, em julho de 2014. Além da participação em palestras e debates, foi apresentado na Praça Rodrigues Lobo o espetáculo Filó de Bolso – A Menina do Cabelo Vermelho com audiodescrição aberta.

Workshop Produção Cultural – A Acessibilidade em Projetos de Teatro
Realização: Las Brujas Cia de Teatro e feitiços e OVNI Acessibilidade Universal.
Promoção: Centro Cultural CEEE Erico Verissimo, Grupo CEEE e Governo do Estado do RS.
Data: 29 de Setembro de 2015, das 15h as 17h, Sala Noé de Mello Freitas, Centro Cultural CEEE Erico Verissimo (R. dos Andradas, 1223 – Centro Histórico, Porto Alegre).
Valor: entrada franca.
Informações: Las Brujas Cia de Teatro e feitiços
OVNI Acessibilidade Universal
lasbrujasciadeteatro@gmail.com
ovniacessibilidade@gmail.com
Público-alvo: Artistas, produtores e demais interessados no tema da acessibilidade.
Ministrantes: Diana Manenti e Lolita Goldschmidt (Las Brujas Cia de Teatro e feitiços), Mimi Aragón (OVNI Acessibilidade Universal).

Cinema acessível faz bem para todo mundo: audiodescrição traz sorte a mais um filme no Festival de Cinema de Gramado

O longa-metragem brasileiro Ausência, de Chico Teixeira, conquistou os Kikitos de Melhor Filme, Diretor, Roteiro e Trilha Musical na 43ª edição do Festival de Cinema de Gramado

ovni_ausencia_audiodescrição2015B
(descrição da imagem) A foto colorida e horizontal retrata um grupo com cerca de 50 pessoas posando sorridentes no tapete vermelho do 43º Festival de Cinema de Gramado. Diante de uma reprodução com aproximadamente 3 metros do Kikito, o troféu dourado e risonho com cabeça em forma de Sol, a maioria está em pé, atrás de seis pessoas agachadas. Algumas usam bengalas brancas e óculos escuros. Da esquerda para a direita é possível identificar Natália Konrad, Leandro Pacheco, Jerônimo dos Santos, Camila Pacheco, Eva Coimbra, Suzana Maciel, Luciano Ninov, Volnei Benfica, Viviani Xavier, Paulo Fernando Pinto, Josiane França, Karla Samanta, Eraldo Fortini, Celso Ramos, a audiodescritora da OVNI Acessibilidade Universal Mimi Aragón, Adair e Marcia Bamberg, Thaís Gonçalves, Liliane Birnfeld, Luís de Medeiros, Matheus Baldin, Isa Baldin, Francimar Maia, André Campelo, Daniel Gause, a servidora da FADERS Clarissa Meira, Emanuel Noimann, Teresinha Ponciano, a professora Ivani Gheno, do CMAEE Parobé, e seu respectivo grupo de alunos, professoras e pais. No alto da foto, ramos de árvores pendem da cobertura côncava da rua, criando um efeito decorativo. Ao longe, no centro, um banner vertical do 43º Festival de Gramado, com a imagem do Kikito sobre fundo branco, também pende da cobertura. (fim da descrição) Foto: Cleiton Thiele/Agência PressPhoto.

Já virou tradição: desde que a audiodescrição foi inserida nas exibições oficiais de longas-metragens em competição no Festival de Cinema de Gramado, os filmes apresentados com o recurso conquistam cobiçados Kikitos. Em 2012, Colegas, de Marcelo Galvão, levou os troféus de Melhor Filme, Direção de Arte e o Prêmio Especial do Júri para o trio de protagonistas Ariel Goldenberg, Breno Viola e Rita Pokk. Em 2013, A Oeste do Fim do Mundo, de Paulo Nascimento, ganhou os prêmios de Melhor Longa Estrangeiro pelo Júri Popular, Ator (para Cesar Troncoso) e Menção Honrosa. Em 2014, A Despedida, de Marcelo Galvão arrebatou os Kikitos de Melhor Diretor, Atriz (para Juliana Paes), Ator (para Nelson Xavier) e Fotografia. Na 43ª edição do Festival de Cinema de Gramado foi a vez de Ausência, de Chico Teixeira, exibido com audiodescrição no dia 11, terça-feira, levar os Kikitos de Melhor Filme, Diretor, Roteiro e Trilha Musical.

A sessão acessível no Palácio dos Festivais, produzida pela OVNI Acessibilidade Universal com apoio da Faders – Fundação de Articulação e Desenvolvimento de Políticas Públicas para PcD e PcAH no RS, Acergs – Associação de Cegos do Rio Grande do Sul e Grupo Evento (antiga A2 Sistemas Audiovisuais), contou com a presença de aproximadamente 50 usuários da audiodescrição vindos de Porto Alegre, Taquara e Parobé. E a emoção não ficou restrita à sala de exibições do Palácio dos Festivais: ao atravessar o tapete vermelho na chegada e também na saída da sessão de Ausência, o público da audiodescrição foi aplaudido pelas pessoas reunidas em volta do tapete vermelho, na Rua Coberta. Sinal de que, tanto quanto as estrelas do cinema brasileiro e latino, os espectadores com suas bengalas brancas e óculos escuros são superaguardados a cada edição do Festival de Cinema de Gramado.


(descrição da imagem) A foto colorida e horizontal retrata cerca de 50 pessoas atravessando em fila o tapete vermelho do 43º Festival de Gramado, na Rua Coberta. Algumas usam bengalas brancas e óculos escuros. Da frente para o fundo da foto é possível identificar Mimi Aragón, Adair e Marcia Bamberg, Francimar Maia, Thaís Gonçalves, Matheus e Isa Baldin, Daniel Gause, André Campelo, Teresinha Ponciano, Luciano Ninov, Paulo Fernando Pinto, Josiane França, Marilena Assis, Volnei Benfica e Leandro Pacheco, professor responsável por trazer o grupo de Taquara. À direita, em direção ao fundo, as pessoas acomodadas nas mesas externas dos restaurantes da Rua Coberta observam a passagem do público usuário da audiodescrição. (fim da descrição) Foto: Cleiton Thiele/Agência PressPhoto.

No painel Acessibilidade no Cinema – Recursos e Tecnologia, promovido pelo Iecine – Instituto Estadual de Cinema na sexta-feira, 14, no Hotel Serra Azul, dentro da programação paralela (que também incluiu dois filmes do Festival de Cinema Acessível, produzido recentemente pelo Estúdio O Som da Luz), Mimi Aragón, sócia da OVNI Acessibilidade Universal, falou sobre os avanços da audiodescrição em Gramado desde 2012. “O Festival consolida-se como referência na exibição de filmes com audiodescrição. Além de Gramado, somente o Festival de Brasília oferece recursos de acessibilidade em suas mostras competitivas”. Assim, os espectadores com deficiência podem assistir a filmes representativos de cada nova safra da produção audiovisual brasileira e que ainda não entraram em cartaz no circuito comercial. “O próximo desafio do Festival de Gramado é incluir na mostra competitiva também as pessoas surdas e ensurdecidas”, projeta Mimi. A julgar pela sorte que a audiodescrição tem trazido aos filmes na Serra Gaúcha, quanto mais acessibilidade houver, mais obras audiovisuais conquistarão Kikitos.

ovni_ausencia_audiodescrição2015C
(descrição da imagem) A foto colorida e horizontal retrata cerca de 25 pessoas sentadas nas poltronas vermelhas da sala de exibição no Palácio dos Festivais. A maioria usa fones de ouvido e algumas estão de óculos escuros. Ao fundo, na direita, uma cabine cinza com duas janelas frontais é ocupada pelas audiodescritoras Letícia Schwartz e Kemi Oshiro. Ao lado cabine, em pé, está o técnico Israel Elias, também com fones de ouvido. Entre o público, é possível identificar Natália Konrad, Jerônimo dos Santos, Daniel Gause, André Campelo, Luís de Medeiros, Marilena Assis, Dorival Behrend, Márcia Bamberg, Adair Bamberg, Celso Ramos, Luciano Ninov, Volnei Benfica, Viviani Xavier, Josiane França, Karla Samanta, Teresinha Ponciano, Emanuel Noimann, Helenita Näher e Iara Aragão. (fim da descrição) Foto: Cleiton Thiele/Agência PressPhoto.

Audiodescrição do filme Ausência no 43º Festival de Cinema de Gramado.
Produção: OVNI Acessibilidade Universal.
Roteiro e narração da AD do filme: Letícia Schwartz.
Consultoria da AD do filme: Marilena Assis e André Campelo.
Audiodescrição ao vivo: Kemi Oshiro e Letícia Schwartz.
Suportes: Liliane Birnfeld, Helenita Näher e Iara Aragão.
Técnicos: Antonio Mondin e Israel Elias.
Apoio: FADERS, ACERGS e Grupo Evento.
Realização: 43º Festival de Cinema de Gramado.
Kikitos para Ausência: Melhor Filme Brasileiro, Diretor, Roteiro e Trilha Musical.