entrada franca

Mãos ao barro com audiodescrição da OVNI!

(texto) A Secretaria de Estado da Cultura apresenta:
Vila Flores Uma Experiência Aberta Dois.
Oficina de Cerâmica Sensorial com Miriam Gomes e OVNI Acessibilidade Universal.
25 de abril, das 8h às 12h. Atividade gratuita.
Realização: Vila Flores.
Financiamento: Pró-cultura RS e Governo do Estado do Rio Grande do Sul – Secretaria da Cultura.
(descrição da imagem) O card quadrado com moldura em azul claro tem como fundo duas fotos idênticas de um dos prédios do Vila Flores, uma com filtro vermelho e a outra com filtro ciano, uma misturas das cores azul e verde. As fotos estão sobrepostas e ligeiramente deslocadas na horizontal, criando um efeito de imagem borrada, como as que são vistas com óculos 3D. O prédio tem três andares, com portas e janelas no térreo e também sacadas nos demais andares. No topo, é possível identificar as características águas-furtadas, que são como sótãos que se erguem do telhado de telhas de barro. O texto, em letras maiúsculas brancas, com alguns trechos sobre faixas em azul claro, está distribuído por todo o card. No rodapé, os logotipos do Vila Flores, do Pró-cultura e do Governo estadual. (fim da descrição)

Tá chegando mais uma oficina de cerâmica sensorial com as artistas incríveis que dividem conosco o espaço no Vila Flores. Desta vez, como parte da segunda edição do projeto Vila Flores – Uma experiência aberta, financiado pelo Pró-cultura RS. É na manhã do dia 25 de abril, no Vila (Rua São Carlos, 753 – Floresta – Porto Alegre/RS). A maioria das vagas foi preenchida por alunos da rede pública do entorno, mas restam algumas para o público externo. As inscrições são pelo email educativo@vilaflores.org.

Opções de transporte coletivo com parada na Avenida Cristóvão Colombo, na altura da Rua São Carlos:
Ônibus

T5 – Transversal 5
608 – IAPI
610 – Minuano
611 – Lindoia
617 – Iguatemi
620 – Iguatemi / Vila Jardim
637 – Chácara das Pedras
TR61 – Cristóvão Colombo
671 – Carlos Gomes / Salso

Lotação
50.6 – Guerino / Lindoia
50.8 – Higienópolis – Benjanin Constant
50.81 – Higienópolis – Hospital Militar

Anúncios

CasaCor RS 2018 tem mediação audiodescrita da OVNI em duas atividades neste domingo, 16

As vagas são limitadas para uma visita guiada e a oficina Modelagem em argila: a expressão do sentimento na ponta dos dedos, em Porto Alegre/RS, com entrada franca.


(descrição da imagem) A foto colorida e horizontal mostra o ambiente do Ateliê de Arte da CasaCor RS. À frente e ao centro, uma mesa retangular com dois cavaletes e tampo de vidro tem de cada lado um banco longo feito de barras pretas. Ao fundo, junto a uma janela, um cavalete de pintura ao lado de um balcão preto. Sobre o balcão, um pequeno manequim articulado de madeira e um busto humano em argila ocre. À esquerda, em uma parede preta, um painel composto por nove fotos coloridas e emolduradas de galhos de árvores, dispostas em três linhas e três colunas. Diante do painel, no piso bege, três bancos cilíndricos em tons de ferrugem. À direita, um painel composto por chapas retangulares em bege e preto. O ateliê está iluminado por três spots pretos no teto escuro. (fim da descrição) Foto: Divulgação CasaCor.

Pela primeira vez em 27 edições da mostra de arquitetura, design de interiores e paisagismo CasaCor RS, haverá uma ação de acessibilidade na programação. Uma visita guiada e uma oficina de modelagem de argila receberão mediação audiodescrita da OVNI Acessibilidade Universal no próximo domingo, 16 de setembro, das 14h às 16h. As atividades ocorrem na Casa Aberta, uma das seis residências que integram o circuito da mostra, no Bairro Três Figueiras, em Porto Alegre/RS. O endereço é Rua Carlos Huber, 147 (Casa 6).

Novidade desta edição, a Casa Aberta tem entrada gratuita e apresenta uma exposição de obras de artistas consagrados, como Iberê Camargo, Siron Franco, Ubiratan Braga, Xico Stockinger e Bianca Santini, além de um espaço artístico comandado pelo Stúdio Prestes que trouxe uma agenda repleta de cursos e oficinas ao longo da Mostra.

A proposta da visita e da oficina com mediação audiodescrita partiu da artista Mariana Prestes, que acompanhará as atividades, e do artista plástico e professor Ramon Alejandro Ruíz Velazco, que ministrará a oficina Modelagem em argila: a expressão do sentimento na ponta dos dedos. Em função das dimensões do ateliê, haverá apenas cinco vagas. As inscrições devem ser feitas pelo e-mail ovniacessibilidade@gmail.com, informando nome, RG e telefone.


(descrição da imagem) A foto colorida e vertical mostra uma poltrona de couro marrom junto a uma parede preta decorada com oito desenhos emoldurados de pássaros coloridos. Pendendo sobre a poltrona, uma luminária branca com a luz acesa. Ao lado, uma mesinha de apoio com tampo oval e escuro. O piso apresenta padronagem de ziguezague em tons de bege. (fim da descrição) Foto: Divulgação CasaCor.

Sobre a CasaCor
Criada em 1992, neste ano a mostra ocorre em seis residências da Rua Carlos Huber, ao lado do Colégio Farroupilha. Uma delas, a Casa Aberta, além da programação de arte e oficinas, recebe as atividades de gastronomia, como o Chef’s Table. Além de Porto Alegre, Gramado também sediou e fez parte desta história. No entanto, as maiores ações da versão gaúcha da mostra aconteceram na capital. A Confeitaria Rocco, o Prédio Força e Luz (CEEE) e a Fiateci já tiveram seus edifícios revitalizados por profissionais da CasaCor. Outra marca da franquia é a realização do evento simultaneamente em vários endereços. Já participaram Moinhos Shopping, Barra Shopping Sul e Hotel Laghetto.

Sobre Mariana Prestes

(descrição da imagem) A fotografia colorida e vertical mostra a artista Mariana Prestes sorrindo e segurando um tecido aberto, estampado com desenhos de pássaros. À esquerda, ela aparece dos joelhos para cima, de frente. Tem cerca de 30 anos, é branca, magra, de cabelos compridos, lisos e castanhos com uma franja reta que cobre sua testa, olhos castanhos, nariz reto e lábios finos. Está levemente maquiada e usa um vestido sem mangas com estampa em branco, amarelo e cinza. O tecido tem fundo escuro e os pássaros em tons de amarelo, branco, cinza e verde estão pousados aos pares em galhos brancos. Ao fundo, uma arara de roupas com alguns cabides com blusas confeccionadas no mesmo tecido e uma estante de madeira com as prateleiras ocupadas por livros e garrafinhas. (fim da descrição) Foto: arquivo pessoal

Publicitária formada pela PUCRS e artista plástica de coração, Mariana Prestes quando pequena queria ser “desenhista” e hoje retoma as artes, após anos em cargos executivos. Com dois anos de ênfase em Desenho no Instituto de Artes da UFRGS e muitas referências e vivências na infância, iniciou-se também na aquarela, a fim de desenvolver ilustrações e estampar superfícies. Hoje, trabalha como designer de superfície, criando para clientes como Hospital Moinhos de Vento, La Basque, Casa Café no Aeroporto Salgado Filho e Florense de Volta Redonda-RJ. É também ilustradora e professora de aquarela. Seus projetos autorais têm como tema espécimes da flora e da fauna gaúchas ameaçadas de extinção.

Sobre Ramon Alejandro Ruíz Velazco
Na Argentina, formou-se Bacharel em Escultura no Instituto de Artes, em 2010 e, em seguida, iniciou a Licenciatura. Trabalha com Educação Popular desde 1987, e após a chegada ao Brasil, em 1992, desenvolve projetos de Educação Popular no campo, junto ao MST. De 2010 até hoje, atua como professor Eestadual contratado, no regime de 40 horas/aula semanais. Atualmente, cursa o Pós-Graduação “Arte no Campo”, parceria entre a UDESC e a UFSC, em Florianópolis e Abelardo Luz (SC). É presidente da associação de artistas plásticos Ateliê 1. Trabalha com pintura, pintura mural, escultura e alto relevo. Possui experiência em fotografia (analógica e laboratório), serigrafia (alternativa – papel colado, goma laca, tintas artesanais), desenho, ilustração e cerâmica.

Visita guiada e oficina Modelagem em argila: a expressão do sentimento na ponta dos dedos, na CasaCor RS, com mediação audiodescrita.
Quando: Domingo, 16 de setembro de 2018.
Horário: das 14h às 16h.
Onde: Rua Carlos Huber, 147 (Casa 6) – Bairro Três Figueiras – Porto Alegre/RS.
Ingressos: grátis. Vagas limitadas. Reservas pelo email ovniacessibilidade@gmail.com, informando informando nome, RG e telefone.
Mediação cultural: João Petrillo e Mariana Prestes.
Ministrante da oficina: Ramon Alejandro Ruíz Velazco.
Mediação audiodescrita: OVNI Acessibilidade Universal.

Opções de transporte coletivo com parada próxima da Avenida Protásio Alves (Terminal Carlos Gomes – Protásio e Comercial Zaffari):
Ônibus

T2
T8
M52 Assis Brasil/Protásio
433 Vila Jardim
490 Morro Santana
491 Passo Dorneles
494 Rubem Berta/Protásio
L490 Jari via Protásio Alves

Lotação
40.5 Chácara das Pedras

OVNI produz audiodescrição para dois espetáculos de teatro em Porto Alegre/RS

Dia 25 de julho, quarta-feira, tem Qual a Diferença entre o Charme e o Funk, no Teatro Bruno Kiefer. E nos dias 3 e 4 de agosto, sexta e sábado, é a vez das sessões acessíveis de Arena Selvagem, no Teatro de Arena. Os dois espetáculos têm entrada franca.

Qual a Diferença entre o Charme e o Funk, Grupo Pretagô
Ministério da Cultura apresenta:
Cenas Diversas. Cena Negra.
Qual a Diferença entre o Charme e o Funk.
25 de julho, 19h, Casa de Cultura Mario Quintana, Sala Bruno Kiefer.
Com Bruno Cardoso, Bruno Fernandes, Camila Falcão, Laura Lima, Manuela Miranda e Silvana Rodrigues.
Direção: Thiago Pirajira.
Entrada franca, com retirada de senhas uma hora antes do espetáculo.
Patrocínio: Lei de Incentivo à Cultura e Banrisul.
Realização: Governo do Estado do Rio Grande do Sul, AACCMQ – Associação dos Amigos Casa de Cultura Mario Quintana, Casa de Cultura Mario Quintana, Governo do Estado do Rio Grande do Sul – Secretaria da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer, Ministério da Cultura e Governo Federal.
(descrição da imagem) O e-flyer colorido e quadrado tem fundo amarelo-limão e é ilustrado, ao centro, por uma montagem com as fotos sobrepostas de duas atrizes em uma cena do espetáculo e do prédio da Casa de Cultura Mario Quintana. A montagem está coberta por pinceladas e respingos em azul, rosa e branco. As atrizes aparecem de frente, lado a lado, da cintura para cima, e usam um traje preso abaixo dos seios, em estampa de zebra, com listras irregulares claras e escuras. Cada uma aponta para o alto com o punho esquerdo fechado. Abaixo da ilustração, em grandes letras maiúsculas verdes, o título do espetáculo. O restante do texto, em letras pretas e verdes, está distribuído acima e nas laterais da ilustração e abaixo do título. No rodapé, os logotipos coloridos dos patrocinadores e realizadores. (fim da descrição)

O espetáculo
Partindo da necessidade de dar visibilidade às questões negras brasileiras, um grupo de sete artistas negros estudantes do curso de Teatro da UFRGS desenvolve o projeto Qual a Diferença entre o Charme e o Funk para tecer uma grande discussão, a partir da arte, sobre a questão racial social: preconceitos, afirmatividade, visibilidade, cultura e memória. Dando voz ao momento social atual, no qual as questões de cor, gênero, credo e posições políticas são pontuadas a partir de ações e políticas públicas, o espetáculo, que se utilizou do nome da canção do funk composto pelos MC’s Dollores e Marquinhos nos anos noventa, suscita a reflexão sobre a juventude negra brasileira, dando voz e trazendo para a cena assuntos ligados a religiosidade, morte, preconceito, arte e memória.

Ficha técnica
Direção: Thiago Pirajira.
Orientação: Celina Alcântara.
Elenco: Bruno Cardoso, Bruno Fernandes, Camila Falcão, Laura Lima, Manuela Miranda e Silvana Rodrigues.
Trilha Sonora: João Pedro Cé.
Músicos: João Pedro Cé e Duda Cunha.
Criação de luz: Guto Greca.
Operação de luz: Thais Fernandes.
Figurino: Mari Falcão.
Fotografia: Andre Reali Olmos.
Produção: Thiago Pirajira.

Audiodescrição
Roteiro: Kemi Oshiro.
Consultoria: Rafael Braz.
Narração: Kemi Oshiro.
Equipamento: Grupo Evento.
Suporte: Mimi Aragón.

O Grupo Pretagô
Qual a Diferença entre o Charme e o Funk é o primeiro trabalho do Grupo Pretagô e venceu do prêmio Açorianos de melhor trilha sonora em 2014. Em 2018, o Pretagô, um quilombo de artistas, atores e músicos oriundos do Departamento de Arte Dramática da UFRGS, em Porto Alegre, comemora quatro anos de trajetória, realizando atividades artísticas e culturais para refletir a representação e representatividade da pessoa negra nas artes cênicas. Além da pesquisa permanente sobre identidade e inserção, promove diversas atividades como saraus, oficinas, ocupações em espaços de resistências da cidade. Também conta com outros dois espetáculos em seu repertório: Afrome, vencedor do prêmio Açorianos de Melhor Produção e de Melhor espetáculo pelo júri popular Brasken em cena, e Noite Pretagô.

Serviço
Qual a Diferença entre o Charme e o Funk com audiodescrição.
Teatro Bruno Kiefer, no sexto andar da Casa de Cultura Mario Quintana (Rua dos Andradas, 736 – Centro, Porto Alegre/RS. Pela Rua dos Andradas, sentido Praça da Alfândega/Usina do Gasômetro, na entrada da esquerda).
25 de julho, quarta-feira, às 19h. Chegue até as 18h30 para pegar seu equipamento e escutar as notas de abertura da audiodescrição.
Entrada franca.
Reserva de ingressos e equipamento pelo email ovniacessibilidade@gmail.com ou WhatsApp 51 98451 2115.

Arena Selvagem, Grupo Cerco.
Secretaria de Estado da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer e Grupo Cerco 10 anos apresentam:
Arena Selvagem.
Direção: Inês Marocco.
13 de julho a 5 de agosto.
Sextas e sábados às 20 horas. Domingos às 18 horas.
Teatro de Arena. Avenida Borges de Medeiros, 835.
Entrada franca.
Programação extra.
3 e 4 de agosto: sessão com LIBRAS e audiodescrição.
Oficina: A dinâmica dos animais na linguagem cênica.
26 de julho, das 14 às 18 horas.
Ingresso: entrada franca.
Vagas: 20.
Inscrições email: dlnunes.lopes@gmail.com
Bate-papo sobre o processo de criação do espetáculo: 22 de julho, logo após a sessão.
Ingresso: entrada franca.
Mais informações: Facebook e Instagram Grupo Cerco.
Apoio: Fecomércio RS e SESC.
Produção e gestão: Cardápio Cultural e Kreativ Produções Culturais.
Realização: Grupo Cerco 10 Anos.
Financiamento: Pró-cultura RS – Fundo de apoio à cultura e Governo do Estado do Rio Grande do Sul – Secretaria da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer.
Agendamento de escolas e instituições: 51 98436.5552 e dlnunes.lopes@gmail.com
Foto e arte: Marina Kerber.
(descrição da imagem) O panfleto horizontal tem fundo branco e está dividido em duas partes: uma à esquerda e outra à direita. A da esquerda, com informações gerais sobre a temporada, está ilustrada, ao centro, por uma montagem com múltiplas fotos sobrepostas e em preto e branco de uma jovem retratada dos ombros para cima. Ela tem pele clara, cabelos e olhos escuros. Seu olhar está voltado para nós. Sua cabeça, rosto e ombros estão parcialmente cobertos por rabiscos, pinceladas, manchas e respingos em vermelho, branco e preto. Alguns se espalham para fora da montagem, tingindo parte do fundo branco do panfleto. No alto, o título tem em destaque as palavras Arena em vermelho e Selvagem em preto, tudo em letras maiúsculas. O restante do texto é preto, também em letras maiúsculas, e está distribuído em blocos ao redor da ilustração. A parte da direita, que traz as informações sobre a programação extra, tem texto em letras maiúsculas vermelhas e pretas. No canto superior direito, o desenho em traços e pinceladas pretos e vermelhos de uma figura humana da qual só estão visíveis o olho esquerdo, a boca e o braço esquerdo. Com uma mancha vermelha no lugar da testa e outra preta no lugar do olho direito, a figura tem o olho arregalado, a boca vermelha escancarada e os dentes arreganhados. Um jorro composto por longas pinceladas em vermelho e cinza parece escapar da boca. Na altura do ombro, a mão crispada sobre uma mancha vermelha. No rodapé, os logotipos pretos dos apoiadores, produtores, do realizador e dos financiadores. (fim da descrição)

O espetáculo
O que é ser selvagem? O Grupo Cerco te convida a entrar em uma arena onde seres humanos encontram-se com sua animalidade. A cidade e a selva. A opressão e a liberdade. O instinto e a sobrevivência. Em meio à artificialidade que criamos para nos diferenciar entre nós e dos outros animais, nossos corpos revelam que essas mudanças são superficiais diante da força da nossa natureza.

Ficha Técnica
Criação coletiva do Grupo Cerco. Livremente inspirado em textos de Carlos Carvalho, Franz Kafka, Carlos Drummond de Andrade e do grupo.
Direção: Inês Marocco.
Assistência de Direção: Kalisy Cabeda e Manoela Wunderlich.
Dramaturgia: Celso Zanini, Elisa Heidrich e Marina Kerber.
Elenco: Anildo Böes, Celso Zanini, Elisa Heidrich, Kalisy Cabeda, Manoela Wunderlich, Martina Fröhlich, Marina Kerber, Philipe Philippsen.
Trilha sonora original: Celso Zanini, Martina Fröhlich, Philipe Philippsen.
Iluminação: Carolina Zimmer.
Figurino: Daniel Lion.
Confecção de máscaras: Diego Steffani.
Cenografia: Rodrigo Shalako.
Programação Visual: Marina Kerber.
Tradução e Interpretação para LIBRAS: Ângela Russo.
Audiodescrição: OVNI Acessibilidade Universal.
Produção e Gestão: Daniela Lopes/Cardápio Cultural e Kreativ Produções Culturais.
Produção executiva: Daniela Lopes.
Realização: Grupo Cerco – 10 Anos.
Apoio: Fecomércio SESC.
Financiamento: FAC Pró-cultura e Governo do Estado do Rio Grande do Sul.

Audiodescrição
Roteiro: Mimi Aragón.
Consultoria: Rafael Braz.
Narração: Kemi Oshiro.
Equipamento: Grupo Evento.
Suporte: Mimi Aragón.

O Grupo Cerco
O Grupo Cerco surgiu em 2008 em Porto Alegre e a pesquisa de linguagem cênica é a sua principal característica. A sua marca é o processo colaborativo, onde o “ator/autor” tem a possibilidade de trabalhar em diferentes frentes de criação que vão além da atuação, buscando soluções estéticas para trazer força aos conteúdos que apresenta. O Grupo tem a sua frente a Professora Doutora Inês Alcaraz Marocco. Durante sua trajetória, conquistou 10 importantes prêmios do teatro gaúcho e constitui-se em um dos mais significativos e premiados grupos da atual cena teatral.

Serviço
Arena Selvagem com audiodescrição.
Teatro de Arena (Avenida Borges de Medeiros, 835 – Centro, Porto Alegre/RS. Nos altos do Viaduto da Borges, pela Rua Duque de Caxias, sentido Usina do Gasômetro/Independência, no primeiro acesso à direita, de frente para o Hotel Everest).
3 e 4 de agosto, sexta-feira e sábado, às 20h. Chegue até as 19h30 para pegar seu equipamento e escutar as notas de abertura da audiodescrição.
Entrada franca.
Reserva de ingressos e equipamento pelo email dlnunes.lopes@gmail.com ou fone/WhatsApp 51 98436 5552.

Mistura Fina – Música para fugir do trânsito terá mediação audiodescrita ao longo de 2018

Shows musicais no Foyer Nobre do Theatro São Pedro, em Porto Alegre/RS, toda quinta, às 18h30, com entrada franca, serão mediados pela OVNI Acessibilidade Universal.

Até dezembro deste ano, todos os shows do projeto Mistura Fina – música para fugir do trânsito, no Foyer Nobre do Theatro São Pedro, em Porto Alegre/RS, terão mediação com audiodescrição da OVNI Acessibilidade Universal. Abrindo as comemorações pelos 160 anos do templo cultural dos gaúchos, o Mistura Fina prevê 40 shows ao longo de 2018, todas as quintas-feiras úteis, sempre das 18h30 às 19h30, com entrada franca. As vagas para a mediação audiodescrita, que se inicia meia hora antes de cada atração, são limitadas e devem ser reservadas com antecedência pelo e-mail ovniacessibilidade@gmail.com ou Whatsapp (51) 98451 2115. Em março, apresentam-se, no dia 22, a cantora Elisa Meneghetti, com o show MPB Sul, e, no dia 29, a roda de samba do Instituto Brasilidades. A programação de abril será divulgada em breve.

Elisa Meneghetti é uma intérprete da música popular brasileira. Na estrada profissionalmente desde 2010, já se apresentou nas principais casas noturnas e teatros do Estado. O estilo, que transita entre a psicodelia tropicalista, o funk norte-americano, o reggae e o bom e velho rock, é resultado da clara influência que carregam também os integrantes de peso da banda, formada por Andrei Correa (guitarra), Duda Cunha (bateria) e Filipe Narcizo (contrabaixo). Junto há oito anos, o grupo mostra propriedade e estilo nas canções escolhidas, numa perceptível simbiose e muito amor à musica e ao palco. Atualmente, Elisa trabalha em seu projeto próprio, a ser lançado no segundo semestre de 2018, reunindo composições de autores do RS como Nei Lisboa, Lico Silveira, Zé Caradípia, entre outros. Paralelamente, encabeça ‘Elisa e os Balangandãs’, que traz versões ousadas para clássicos de grandes mestres, como Vinícius de Moraes, Bill Withers, Belchior, Janis Joplin, Di Melo e outros, e também o projeto ‘Pra Viajar’, um show em homenagem ao compositor e cantor gaúcho Nei Lisboa.

Criado em 2008, o Instituto Brasilidades já reuniu milhares de pessoas de diferentes regiões, formando um público diversificado e comprovando a demanda por ações desta natureza. Com entrada gratuita e sempre em locais centrais da cidade, as atividades levam à população um conteúdo cultural pouco difundido nas mídias tradicionais, contribuindo para a afirmação do RS em um contexto nacional multicultural. No palco do Foyer Nobre, o Brasilidades irá promover mais uma de suas tradicionais roda de samba, levando ao público obras e compositores como Paulinho da Viola, Cartola, Dona Ivone Lara, Candeia, Geraldo Pereira, Wilson Baptista, Noel Rosa, Velhas Guardas entre outros bambas. Preservando o conceito das clássicas rodas de samba e agregando as diferenças em seu entorno, a roda apresenta instrumentos pouco comuns nas rodas de samba atuais, como cuíca, reco-reco de madeira, pandeiro de couro e atabaque.

Secretaria de Estado da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer e Sulgás apresentam:
Mistura Fina. Música para fugir do trânsito.
Apoio: OVNI Acessibilidade Universal.
Agente cultural: Primeira Fila Produções.
Realização: AATSP – Associação Amigos do Theatro São Pedro e Theatro São Pedro – Porto Alegre/RS.
Patrocínio: SulGás.
Financiamento: Pró-cultura RS – Lei de Incentivo à Cultura e Governo do Estado do Rio Grande do Sul.
(descrição da imagem) O e-flyer colorido e horizontal tem como fundo uma foto noturna do Theatro São Pedro iluminado por fachos coloridos. Em destaque, o segundo piso do prédio claro, em estilo neoclássico, com a fachada voltada para a esquerda. O terraço, no pórtico avançado da entrada, está quase às escuras, no espaço entre quatro janelões retangulares arrematados por pequenos frontões. No térreo, é possível identificar o topo das portas e janelas em arco. No alto do e-flyer, o texto em letras brancas ao lado do logotipo do projeto Mistura Fina, também em branco, com as letras i substituídas por setas vermelhas. No rodapé, em uma faixa branca, os logotipos da apoiadora, agente cultural, realizadores, patrocinador e financiadores. (fim da descrição).

SOBRE O PROJETO
Mistura Fina – música para fugir do trânsito é o novo projeto do Theatro São Pedro que, reunindo diversas linguagens musicais, propõe uma agradável parada na hora do rush para quem trabalha ou está no Centro Histórico, esperando que o trânsito acalme. A iniciativa tem financiamento do Governo do Estado do RS, por meio da Secretaria da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer, via Lei de Incentivo/Pró-Cultura RS, e patrocínio da Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul – Sulgás.
Mistura Fina traz ao palco do Foyer Nobre – espaço com destacado histórico de guarida a diversas manifestações artísticas, com janelas para a praça Marechal Deodoro e a Catedral da Capital – grandes expressões da nossa música e seus convidados para um saboroso happy hour, temperado com arte, entretenimento e bom gosto. As apresentações irão ocorrer sempre às quintas feiras, às 18h30, com entrada franca.
No total de 40 apresentações, subirão ao palco do Foyer Nobre músicos locais e do interior do Estado. Com curadoria afiada de Arthur de Faria e Bruno Melo, Mistura Fina – música para fugir do trânsito traz ao palco do Foyer Nobre do Theatro São Pedro trabalhos bem elaborados, assegurando ao público a certeza de bons espetáculos.

(descrição da imagem) O logotipo do projeto Mistura Fina – música para fugir do trânsito está em letras brancas sobre fundo preto. As palavras “mistura” e “fina”, ambas em grandes letras maiúsculas sem serifa, estão uma acima da outra. As duas letras i estão alinhadas e foram substituídas por duas setas vermelhas: uma ascendente em “mistura” e outra descendente em “fina”, com um ponto branco entre ambas. A expressão “Música para fugir do trânsito” está em letras minúsculas, também sem serifa, em duas linhas, à direita da palavra “fina”. (fim da descrição)

Mistura Fina – música para fugir do trânsito, com mediação audiodescrita.
Onde: Foyer Nobre do Theatro São Pedro (Praça Marechal Deodoro, s/nº, Centro Histórico, Porto Alegre/RS).
Quando: quintas-feiras úteis de 2018.
Hora: 18h30 (a mediação audiodescrita se inicia às 18h, pontualmente).
Reserva de vagas para a mediação audiodescrita: e-mail ovniacessibilidade@gmail.com ou Whatsapp (51) 98451 2115.
Entrada: grátis.
Realização: Associação Amigos do Theatro São Pedro.
Agente cultural: Primeira Fila Produções
Financiamento: Governo do Estado do Rio Grande do Sul, SEDACLTEL e Pró-cultura RS.
Patrocínio: SulGás.
Apoio: OVNI Acessibilidade Universal.

Opções de transporte coletivo com parada próxima ao Theatro São Pedro:
Ônibus

C1 – Circular Centro
C3 – Circular Urca

Lotação
05.1 – Rio Branco

OVNI Acessibilidade Universal promove atividade na programação oficial da 2ª Virada Sustentável Porto Alegre

Roda de conversa sobre acessibilidade comunicacional será no Parque da Redenção, dia 1º de abril, sábado, às 16h30h, com entrada franca.

A 2ª edição da Virada Sustentável Porto Alegre contará, em sua programação oficial, com uma roda de conversa sobre audiodescrição e outros recursos de acessibilidade comunicacional, uma realização da OVNI Acessibilidade Universal. O objetivo é compartilhar vivências na produção de audiodescrição, legendas para surdos e ensurdecidos e LIBRAS, apresentando exemplos práticos para interessados no tema e na disseminação de informação e de cultura acessíveis ao maior número possível de pessoas. A atividade será no EcoPonto do Parque da Redenção – palco sustentável (estande), dia 1º de abril, sábado, das 16h30 às 17h30, com entrada franca.


(descrição da imagem) Na foto colorida e vertical, tirada durante a apresentação do espetáculo de teatro DANKE, com audiodescrição da OVNI, na Sala Álvaro Moreyra, em Porto Alegre/RS, em fevereiro passado, dona Cledi Dutra está à esquerda, na primeira fila da plateia, de perfil, voltada para a direita, com fones de ouvido, acariciando a cabeça do cão-guia Darwin. Ela tem cabelos loiros e lisos, na altura do queixo, usa óculos de grau, blusa preta e azul, e olha carinhosamente para o cão, um flat-coated retriever de pelo castanho, olhos castanhos e miúdos, focinho longo e topetinho arrepiado, que está em pé, de frente para dona Cledi, e tem a cabeça voltada para nós. Ao fundo, na direita, desfocada, a atriz Dani Dutra, branca, magra e com os cabelos escuros presos em um coque, está caracterizada como a Carcereira, de blazer, blusa e calças pretos, em pé, voltada para a direita, com as mãos apoiadas no espaldar de uma cadeira preta. (fim da descrição) Foto: Adriana Marchiori.

A atividade faz parte da 2ª edição da Virada Sustentável Porto Alegre – um movimento de pessoas, coletivos e instituições que tem o objetivo comum de melhorar a sociedade e sua relação com o ambiente. Com os temas Empreendedorismo & Inovação Sustentável, Educação para a Sustentabilidade, e Ecogastronomia & Alimentação Saudável, o festival acontece de 30 de março a 2 de abril e reúne cerca de 200 atividades que serão realizadas simultaneamente em diferentes locais da Capital gaúcha, especialmente na Casa de Cultura Mario Quintana, na Associação Cultural Vila Flores, no Parque da Redenção e no SESC Campestre. Todas atividades são gratuitas e abertas ao público. A programação completa pode ser consultada no site: https://www.viradasustentavel.org.br/poa/virada-sustentavel-porto-alegre-2017/programacao.html. Participe da construção de uma sociedade mais justa e equilibrada. Venha conosco virar Porto Alegre! #Euviropoa #VireSuaCidade


(descrição da imagem) A inscrição Virada Sustentável Porto Alegre 2017 está em três linhas de caracteres roxos, alinhadas à esquerda, dentro de um quadrado cor de laranja. No canto superior direito, um círculo formado por duas meias-luas roxas, sobrepostas, está contornado por duas setas na mesma cor, orientadas no sentido anti-horário. (fim da descrição)

Roda de conversa sobre audiodescrição e outros recursos de acessibilidade comunicacional na 2ª Virada Sustentável Porto Alegre.
Quando | 1º de abril, sábado.
Onde | EcoPonto do Parque da Redenção – Palco sustentável (estande).
Hora | Das 16h30 às 17h30.
Ingressos | Entrada franca.

Opções de transporte coletivo com parada nas proximidades do Parque da Redenção:
Ônibus (Av. Osvaldo Aranha)

353 – Ipiranga/PUC
473 – Jardim Carvalho/Jardim do Salso
C2 – Circular Praça XV
C3 – Circular Urca
D43 – Universitária Direta
T5 – Transversal 5
T7 – Transversal 7
280 – Otto/HPS
349 – São Caetano
429 – Protásio/Iguatemi
430 – Bela Vista/Anita
431 – Carlos Gomes
433 – Vila Jardim
436 – Jardim Ipê
438 – Santana
439 – São Manoel
441 – Antonio de Carvalho
470 – Bom Jesus
476 – Petrópolis/PUC
490 – Morro Santana
491 – Passo Dorneles/Vila Safira
492 – Petrópolis/SESC
493 – Jardim Ypu
494 – Rubem Berta/Protásio
495 – Manoel Elias
496 – Jardim Protásio Alves
525 – Rio Branco/Anita
R41 – Rápida Protásio

Ônibus (Av. João Pessoa)
343 – Campus/Ipiranga
149 – Icaraí (Centro/Bairro)
177 – Menino Deus (Centro/Bairro)
209 – Restinga
210 – Restinga Nova
211 – Restinga Velha
250 – 1° de Maio
251 – Alpes
253 – Renascença (Bairro/Centro)
254 – Embratel
256 – Intendente Azevedo
257 – Paulino Azurenha
260 – Belém Velho
262 – Jardim Vila Nova
263 – Orfanatrófio
264 – Prado (Bairro/Centro)
265 – Jardim Medianeira (Bairro/Centro)
266 – Vila Nova
269 – Lami (Bairro/Centro)
270 – Grutinha (Centro/Bairro)
271 – Amapá (Centro/Bairro)
272 – Moradas da Hípica (Bairro/Centro)
273 – Moradas da Hípica (Bairro/Centro)
274 – Glória/Azenha/Cascatinha
280 – Campo Novo (Centro/Bairro)
282 – Cruzeiro do Sul (Bairro/Centro)
283 – Ipanema/Cavalhada (Centro/Bairro)
284 – Belém Velho (São Francisco) (Bairro/Centro)
285 – Nonoai (Bairro/Centro)
288 – Ipanema/Morro Alto (Bairro/Centro)
289 – Rincão via Oscar Pereira (Bairro/Centro)
255 – Caldre Fião (Bairro/Centro)
297 – Cemitério
340 – Jardim Botânico (Bairro/Centro)
344 – Santa Maria
345 – Santa Catarina
346 – São José
347 – Alameda
348 – Jardim Bento Gonçalves
360 – Ipê
361 – Cefer
375 – Agronomia
376 – Herdeiros
394 – Mapa
395 – Quinta do Portal
397 – Bonsucesso (Bairro/Centro)
398 – Pinheiro

Lotação (Av. Osvaldo Aranha)
03.11 – Ipiranga/PUC (Osvaldo Aranha)
30.3 – Santana
40.2 – João Abott
40.4 – Petrópolis SESC
40.41 – Petrópolis FAPA
40.5 – Chácara das Pedras

Lotação (Av. João Pessoa)
03.3 – Jardim Botânico
20.1 – Medianeira
20.2 – Otto/Teresópolis
20.6 – Glória
30.1 – Canal 10
30.2 – Partenon

Exposição HERTZ do lugar que estamos, de Peter Gossweiler, no Vila Flores, receberá visita guiada com audiodescrição

HERTZ A3

A Secretaria de Estado da Cultura apresenta: Vila Flores – Uma Experiência Aberta.
HERTZ do lugar que estamos.
Peter Gossweiler + Residentes do Vila Flores.
Curadoria: Márcia Braga.
De 29.11 a 20.12.
Rua São Carlos, 753 – Bairro Floresta.
Financiamento: Vila Flores, Pró-Cultura RS, Secretaria da Cultura e Governo do Estado do Rio Grande do Sul – Todos Pelo Rio Grande.
(descrição do e-flyer) O e-flyer é horizontal e tem como fundo uma foto colorida que enquadra o ângulo reto entre duas paredes, mais ou menos na altura do rodapé, como se a foto tivesse sido tirada alguns centímetros acima do chão. O conjunto tem um aspecto envelhecido e desgastado, com as paredes brancas com rachaduras na pintura, uma camada de tinta marrom, lixada, por baixo da pintura branca e descascada do rodapé, e o chão de cimento cru. O texto está em letras brancas ou amarelas, com o título da exposição, em maiúsculas, ocupando a metade superior da foto. Centralizadas no rodapé, as logomarcas dos financiadores. (fim da descrição)

Exposição que reúne obras inéditas de arte sonora receberá o público usuário da audiodescrição no dia 17 de dezembro, no Centro Cultural Vila Flores, com entrada franca

A OVNI Acessibilidade Universal faz, no dia 17 de dezembro, sábado, às 16h, uma visita com mediação audiodescrita à exposição HERTZ do lugar que estamos, do artista Peter Gossweiler, no Centro Cultural Vila Flores (Rua São Carlos, 753, na altura da Rua Hoffmann – Bairro Floresta), com entrada franca. Para quem desejar, um grupo se reunirá às 15h30 no portão central do Zaffari da Cristóvão Colombo (Avenida Cristóvão Colombo, 1271, esquina com a Rua Hoffmann), a uma quadra do local, com saída 15h45 para o Vila Flores. Confirme sua presença no grupo pelo e-mail ovniacessibilidade@gmail.com ou pelos fones (51) 98451 2115, (51) 3508 6709 ou (51) 99208 1176. A visita, embora planejada aos usuários da audiodescrição, é aberta ao público em geral, que poderá acompanhar a atividade de olhos vendados.

A exposição é constituída por quatro obras inéditas, concebidas por Peter em parceria com artistas residentes do Vila Flores, e curadoria de Márcia Braga.  HERTZ do lugar que estamos faz parte do programa Vila Flores – Uma Experiência Aberta, iniciativa da Associação Cultural Vila Flores  realizada com recursos do Fundo de Apoio à Cultura (PRÓ-CULTURA RS FAC), Lei nº 13.490/10.  A exposição fica em cartaz até 20 de dezembro, de terça a sexta, das 14h às 18h, e quando houver eventos no final de semana.

Sobre Peter Gossweiler
Mestrando em Artes Visuais (IA – UFRGS), onde realiza uma pesquisa sobre o limiar da percepcão da imagem sonora entre o ouvir e o escutar. Como músico, já se apresentou na Alemanha, Argentina, Áustria, Bulgária, Chile, China, Estados Unidos, Inglaterra, Japão, País de Gales e Taiwan, assim como em algumas cidades do Brasil. Em Florianópolis, organizou (entre 2006 e 2012) 18 edições do Festival de Música Livre, dedicado à Música Experimental e ao Noise. Em 2009, teve 6 vídeos catalogados pela UNESCO Multimedia Archives como Elemento Cultural Intangível e, em 2011, como Diversidade Cultural.

TEXTO DA CURADORIA
por Márcia Braga.

HERTZ do lugar que estamos

“Não há algo como um espaço vazio ou um tempo vazio. Há sempre algo para se ver, algo para se ouvir.”
John Cage*

Estamos no Vila Flores, um espaço pulsante, com uma estrutura física única onde trabalham e interagem uma série de profissionais que contribuem para movimentar o cenário da economia criativa na cidade.

Peter Gossweiler é artista visual e músico. Em 2014, uma perda auditiva o obriga a afastar-se do cenário musical. Dedicado plenamente às artes visuais, o artista encontrou na arte sonora uma possibilidade de seguir trabalhando questões da música em outro campo. Sua pesquisa atual aborda processos de escuta como presença e experimentação. O compositor norte americano John Cage afirmou, a partir da sua experiência no espaço da câmara anecóica, que “há sempre algo para se ouvir” que ultrapassa os limites da percepção comum. Este algo que se constitui por mínimas vibrações que interessam ao artista como potência para uma experiência de percepção do espaço.

Os processos de colaboração são uma prática constante no Vila Flores e estão refletidos em todas as atividades do Projeto Vila Flores – Uma Experiência Aberta, realizado ao longo dos últimos três meses a partir dos recursos advindos do FAC. O momento desta exposição nos pareceu, portanto, uma oportunidade para ampliar estas práticas também para o campo das artes visuais.

Partindo deste desafio, o artista Peter Gossweiler realizou uma série de encontros e trocas com artistas residentes motivando-os a pensar o silêncio a partir de seus espaços de trabalho e os objetos que neles encontram lugar. O resultado desta interação são trabalhos desenvolvidos em co-criação que envolvem uma experiência sensorial e cognitiva do espaço a partir de mecanismos de escuta.

A exposição está composta por quatro obras que foram co-criadas e realizadas em parceria com os residentes: Marcio Machado, Carlos Farias e Vanessa Berg.

*CAGE, John. Silence: lectures and writings. Middletown: Wesleyan University Press, 1961.

Visita com mediação audiodescrita à exposição HERTZ do lugar que estamos, de Peter Gossweiler, com entrada franca.
Onde:
Centro Cultural Vila Flores (Rua São Carlos, 753, na altura da Rua Hoffmann – Bairro Floresta).
Quando: 17 de dezembro, sábado, às 16h.
Duração aproximada: 60 minutos.
Ponto de encontro: Zaffari da Cristóvão (Avenida Cristóvão Colombo, 1271, esquina com a Rua Hoffmann), a partir das 15h30. Partida para o Vila Flores às 15h45.
Inscrições para o ponto de encontro: e-mail ovniacessibilidade@gmail.com ou fones (51) 98451 2115, (51) 3508 6709 ou (51) 99208 1176.

Opções de transporte coletivo com parada na Avenida Cristóvão Colombo na altura da Rua Hoffmann:
Ônibus

T5 – Transversal 5
608 – IAPI
610 – Minuano
611 – Lindoia
617 – Iguatemi
620 – Iguatemi / V. Jardim
637 – Chácara das Pedras
TR61 – Cristóvão Colombo
671 – Carlos Gomes / Salso

Lotação
50.6 – Guerino / Lindoia
50.8 – Higienópolis – Benjanin Constant
50.81 – Higienópolis – Hospital Militar

Exposição A Escuridão Que Me Clareia, de Carol W., receberá visita guiada com audiodescrição

hybrido (descrição da imagem) A foto colorida e horizontal, tirada no ambiente escurecido da exposição A Escuridão que Me Clareia, destaca, ao centro, uma imensa cabeça de papel machê em tons de preto, branco, vermelho e amarelo. No topo estão dois chifres; os grandes olhos salientes são em forma de roda vazada; o nariz é longo e achatado e os lábios grossos e entreabertos permitem ver as pontinhas dos dentes da arcada superior. Ao fundo, na esquerda, em uma parede branca, pequenas figuras humanas e animais estão destacados por um foco redondo de luz. Na direita, a silhueta de uma pessoa de costas. (fim da descrição) Foto: Marcelo Monteiro/Estúdio Hybrido.

Obras inspiradas no temporal que atingiu a Capital gaúcha em janeiro passado poderão ser percebidas pelo toque e por palavras no dia 18 de novembro, no Centro Cultural Vila Flores, com entrada franca

A OVNI Acessibilidade Universal faz, no dia 18 de novembro, sexta-feira, às 19h, uma visita de exploração tátil com mediação audiodescrita à exposição A Escuridão Que Me Clareia, da artista visual Carol W., no Centro Cultural Vila Flores (Rua São Carlos, 765, na altura da Rua Hoffmann – Bairro Floresta), com entrada franca. Para quem desejar, um grupo se reunirá às 18h30 no portão central do Zaffari da Cristóvão Colombo (Avenida Cristóvão Colombo, 1271, esquina com a Rua Hoffmann), a uma quadra do local, com saída 18h45 para o Vila Flores. Confirme sua presença no grupo pelo e-mail ovniacessibilidade@gmail.com ou pelos fones (51) 8451 2115 ou (51) 9208 1176. A visita, embora planejada aos usuários da audiodescrição, é aberta ao público em geral, que poderá acompanhar a atividade de olhos vendados.

A exposição é constituída por 25 esculturas de papel machê combinadas a materiais recolhidos da devastação provocada pelo temporal, como galhos e troncos de árvores. São figuras humanas e animais multicoloridos que expressam as sensações e sentimentos suscitados na artista durante e depois do caos que se instalou na cidade. Ao Sul21, Carol W. afirmou: “É sobre a tempestade, a força da natureza, mas também sobre estar vulnerável e sozinho”. Assim, o vendaval, a chuva intensa, o medo da escuridão e a sensação de vulnerabilidade estão representados, mas também a beleza da natureza e as possibilidades poéticas, lúdicas e até divertidas de enfrentar os efeitos de um temporal.

kemioshiro2blog(descrição da imagem) Na foto colorida e vertical, um casal de bonecos de papel machê clarinho é visto através de um orifício, do peito para cima, sob uma luz clara. O homem e a mulher parecem despidos e estão abraçados, frente a frente, com os rostos colados e os olhos romanticamente fechados. Na esquerda, o homem, com o rosto alongado aparecendo de perfil, tem cabelos curtos cor de mirtilo, com um pequeno topete. Na direita, a mulher, com o rosto arredondado aparecendo de frente, tem os dois braços sobre os ombros do parceiro, cabelos longos e cor de beterraba e os lábios carnudos fechados em um leve sorriso. (fim da descrição) Foto: Kemi Oshiro.

Sobre Carol W.
Carol W. é artista visual e teve suas esculturas em papel maché expostas em Porto Alegre, São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Participou da Cow Parade Porto Alegre. Criou ilustrações para campanhas publicitárias de marcas como Schincariol, Univias, Tim e Grandene. Realizou seis exposições individuais – Vida Doméstica: A Cozinha Animada de Carol W. (2004), Amigos Imaginários (2007), Meu Reino por um Caramelo! (2009 e 2010), Bibelô (2011), Eu fico com a Pureza (2013) e A Escuridão Que Me Clareia (2016) – sendo que duas delas foram itinerantes. Ilustrou quatro livros infantis e ministra diversas oficinas de Papel Maché, inclusive em Portugal, nas cidades de Lisboa, Porto, Leça da Palmeira e Caldas da Rainha, entre os meses de abril e maio de 2008.

kemioshiro1blog(descrição da imagem) Na foto colorida e vertical, uma boneca de papel machê colorido, suavemente iluminada, está em pé, voltada para a esquerda, sobre uma pequena superfície de ripas de madeira rústica afixada a uma parede branca. Uma grande gota azul clara envolve sua cabeça inteira, deixando de fora apenas o rosto redondo e rosado, de olhos miúdos e verdes, bochechas coradas e boca arredondada. Segura junto ao peito, entre seus braços muito compridos e fininhos e mãos de dedos delicados, um peixe branco e iluminado, com a bocarra de dentes afiados aberta. Da testa do peixe sai uma haste longa e curva que tem na ponta uma lâmpada acesa em forma de bolota. A boneca tem a silhueta arredondada e usa um vestido de gola branca com o peito e as mangas vermelhos e a saia em formato de pétalas largas, uma roxa, outra azul e outra, ainda, amarela. Suas pernas também são fininhas e ela está de meias listradas em branco e preto e galochas verdes. (fim da descrição) Foto: Kemi Oshiro.

A Escuridão Que Me Clareia fica em cartaz no Vila Flores até 24 de novembro, de terça a sábado, das 14h às 19h. Dia 22 de novembro, terça-feira, haverá uma degustação às cegas preparada por Debora Herjean, do Café Mineraux, e, no dia seguinte, quarta, 23, Carol W. ministrará uma oficina de construção de bonecos em papel – para esta atividade a inscrição é a doação de 1kg de alimento não-perecível.

kemioshiro3blog(descrição da imagem) Na foto colorida e vertical, uma boneca de papel machê rosado, suavemente iluminada, está em pé, de frente, sobre um pequeno caixote de madeira rústica em cima de uma tora de árvore. Está despida e ramos em tons de verde, azul e cinza envolvem seu corpo do pescoço até os pés. Tem cabelos azuis, os olhos fechados, nariz reto e longo e seus lábios em forma de coração cor de uva também estão fechados, em uma expressão serena de quem dorme. (fim da descrição) Foto: Kemi Oshiro.

Visita de exploração tátil com mediação audiodescrita à exposição A Escuridão Que Me Clareia, de Carol W., com entrada franca.
Onde:
Centro Cultural Vila Flores (Rua São Carlos, 765, na altura da Rua Hoffmann – Bairro Floresta).
Quando: 18 de novembro, sexta-feira, às 19h.
Duração aproximada: 60 minutos.
Ponto de encontro: Zaffari da Cristóvão (Avenida Cristóvão Colombo, 1271, esquina com a Rua Hoffmann), a partir das 18h30. Partida para o Vila Flores às 18h45.
Inscrições para o ponto de encontro: e-mail ovniacessibilidade@gmail.com ou fones (51) 9845 12115 ou (51) 9920 81176.
Apoio: Brilia LED e EducAR Intercâmbios.
Parceiros: Luz Feito à Mão – Oficina de Iluminação, Claraluz Iluminação, Armazém Sonoro, Hackerspace Matehackers, Ksulo, Estúdio Hybrido, OVNI Acessibilidade Universal, Priscila Passos D’Avila – Psicóloga Clínica, Maciel Goelzer Fotografia, Gráfica RJR, Café Mineraux, Vila Flores.

Opções de transporte coletivo com parada na Avenida Cristóvão Colombo na altura da Rua Hoffmann:
Ônibus

T5 – Transversal 5
608 – IAPI
610 – Minuano
611 – Lindoia
617 – Iguatemi
620 – Iguatemi / V. Jardim
637 – Chácara das Pedras
TR61 – Cristóvão Colombo
671 – Carlos Gomes / Salso

Lotação
50.6 – Guerino / Lindoia
50.8 – Higienópolis – Benjanin Constant
50.81 – Higienópolis – Hospital Militar

Programação oficial da Virada Sustentável em Porto Alegre/RS terá atividade realizada pela OVNI Acessibilidade Universal

OVNI_virada sustentável_20160402 (descrição da imagem) A foto colorida e horizontal mostra cinco pessoas de perfil, vendadas, sentadas em cadeiras dispostas em duas fileiras sob um telhado sem forro, com as tesouras aparentes, em um ambiente ligeiramente escurecido. Voltadas para a direita, elas parecem estar concentradas em algo à sua frente que não aparece na foto. (fim da descrição) Foto: Kemi Oshiro.

Dinâmica para sensibilização e apresentação do recurso da audiodescrição será no Parque da Redenção, dia 2 de abril, às 14h, com entrada franca.

Evento realizado pela primeira vez na Capital gaúcha, a Virada Sustentável contará, em sua programação oficial, com a dinâmica Audiodescrição: para ver com os ouvidos, uma realização da OVNI Acessibilidade Universal. A ideia é exibir um curta-metragem ao público vendado para sensibilizar e apresentar o recurso da audiodescrição, que permite a pelo menos 36 milhões de brasileiros ir ao cinema, ao teatro, a exposições, estudar, trabalhar, viajar e fazer tudo o que dê o acesso a uma vida plena. A atividade será no EcoPonto do Parque da Redenção, dia 2 de abril, sábado, das 14h às 15h, com entrada franca.

OVNI-viradaPOA logo

 

 

 

 

 

 

(descrição da imagem) A inscrição Virada Sustentável Porto Alegre 2016 está em três linhas de caracteres pretos sobre um fundo amarelo com formato irregular. Acima do fundo amarelo, à direita, duas meias-luas em tons de cinza, sobrepostas, formando um círculo, estão contornadas por duas setas pretas em sentido anti-horário. (fim da descrição)

Virada Sustentável
A Virada Sustentável acontece desde 2011 em São Paulo e articula pessoas, grupos e instituições para conscientizar e mobilizar a sociedade em favor de um modelo sustentável para o Planeta. Em Porto Alegre, o evento será entre 1º e 3 de abril e terá atividades culturais, esportivas, ambientais, educativas e iniciativas que buscam valorizar e dar visibilidade a ideias e projetos que promovam a sustentabilidade. A programação está focada em iniciativas que nos levem a um mundo mais consciente da necessidade de preservação. A Virada também pretende criar uma rede de mobilização permanente para o debate de questões fundamentais ao futuro da cidade, como mobilidade urbana, mudanças climáticas, águas, ética no consumo e tudo que possa levar a comportamentos sustentáveis, buscando construir novas alternativas para a vida em comunidade. A concepção do evento é baseada nos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, definidos pela ONU, que são também os princípios que regem os projetos realizados pelo grupo: erradicação da pobreza; fome zero; boa saúde e bem-estar; educação de qualidade; igualdade de gênero; água limpa e saneamento; energia acessível e limpa; emprego digno e crescimento econômico; indústria, inovação e infraestrutura; redução das desigualdades; cidades e comunidades sustentáveis; consumo e produção responsáveis; combate às alterações climáticas; vida debaixo d’água; vida sobre a terra; paz, justiça e instituições fortes; parcerias em prol das metas.

Dinâmica Audiodescrição: para ver com os ouvidos, na Virada Sustentável de Porto Alegre.
Quando | 2 de abril, sábado.
Onde | EcoPonto do Parque da Redenção.
Hora | Das 14h às 15h.
Ingressos | Entrada franca.

Opções de transporte coletivo com parada nas proximidades do Parque da Redenção:
Ônibus (Av. Osvaldo Aranha)

353 – Ipiranga/PUC
473 – Jardim Carvalho/Jardim do Salso
C2 – Circular Praça XV
C3 – Circular Urca
D43 – Universitária Direta
T5 – Transversal 5
T7 – Transversal 7
280 – Otto/HPS
349 – São Caetano
429 – Protásio/Iguatemi
430 – Bela Vista/Anita
431 – Carlos Gomes
433 – Vila Jardim
436 – Jardim Ipê
438 – Santana
439 – São Manoel
441 – Antonio de Carvalho
470 – Bom Jesus
476 – Petrópolis/PUC
490 – Morro Santana
491 – Passo Dorneles/Vila Safira
492 – Petrópolis/SESC
493 – Jardim Ypu
494 – Rubem Berta/Protásio
495 – Manoel Elias
496 – Jardim Protásio Alves
525 – Rio Branco/Anita
R41 – Rápida Protásio

Ônibus (Av. João Pessoa)
343 – Campus/Ipiranga
149 – Icaraí (Centro/Bairro)
177 – Menino Deus (Centro/Bairro)
209 – Restinga
210 – Restinga Nova
211 – Restinga Velha
250 – 1° de Maio
251 – Alpes
253 – Renascença (Bairro/Centro)
254 – Embratel
256 – Intendente Azevedo
257 – Paulino Azurenha
260 – Belém Velho
262 – Jardim Vila Nova
263 – Orfanatrófio
264 – Prado (Bairro/Centro)
265 – Jardim Medianeira (Bairro/Centro)
266 – Vila Nova
269 – Lami (Bairro/Centro)
270 – Grutinha (Centro/Bairro)
271 – Amapá (Centro/Bairro)
272 – Moradas da Hípica (Bairro/Centro)
273 – Moradas da Hípica (Bairro/Centro)
274 – Glória/Azenha/Cascatinha
280 – Campo Novo (Centro/Bairro)
282 – Cruzeiro do Sul (Bairro/Centro)
283 – Ipanema/Cavalhada (Centro/Bairro)
284 – Belém Velho (São Francisco) (Bairro/Centro)
285 – Nonoai (Bairro/Centro)
288 – Ipanema/Morro Alto (Bairro/Centro)
289 – Rincão via Oscar Pereira (Bairro/Centro)
255 – Caldre Fião (Bairro/Centro)
297 – Cemitério
340 – Jardim Botânico (Bairro/Centro)
344 – Santa Maria
345 – Santa Catarina
346 – São José
347 – Alameda
348 – Jardim Bento Gonçalves
360 – Ipê
361 – Cefer
375 – Agronomia
376 – Herdeiros
394 – Mapa
395 – Quinta do Portal
397 – Bonsucesso (Bairro/Centro)
398 – Pinheiro

Lotação (Av. Osvaldo Aranha)
03.11 – Ipiranga/PUC (Osvaldo Aranha)
30.3 – Santana
40.2 – João Abott
40.4 – Petrópolis SESC
40.41 – Petrópolis FAPA
40.5 – Chácara das Pedras

Lotação (Av. João Pessoa)
03.3 – Jardim Botânico
20.1 – Medianeira
20.2 – Otto/Teresópolis
20.6 – Glória
30.1 – Canal 10
30.2 – Partenon

Curta-metragem Objetos estreia em Porto Alegre/RS, nos dias 2 e 5 de dezembro, com audiodescrição, legendas e entrada franca

O curta-metragem Objetos, com roteiro e direção de Germano de Oliveira, será exibido pela primeira vez em Porto Alegre/RS em duas sessões com audiodescrição e legendas para surdos e ensurdecidos (LSE), recursos produzidos pela OVNI Acessibilidade Universal. A primeira é dia 2/12, quarta-feira, às 19h, na Sala P.F. Gastal, na Usina do Gasômetro (Av. Pres. João Goulart, 551 – Centro) e a segunda ocorre dia 5/12, sábado, às 16h, no Vila Flores (Rua Hoffmann, 459 – Floresta), dentro da programação do Projeto Simultaneidade, criado por artistas, coletivos e entusiastas para valorizar espaços que guardam as memórias da cidade, transformando-os em núcleos de convívio, trocas de experiência e simultaneidades afetivas e criativas. As sessões têm entrada franca e ao final uma está previsto um bate-papo com o diretor Germano de Oliveira, da Avante Filmes, Mimi Aragón e Kemi Oshiro, da OVNI Acessibilidade Universal.

Com duração de aproximadamente 15 minutos, Objetos é livremente inspirado no conto homônimo de Lygia Fagundes Telles. Marcos Contreras e Áurea Baptista interpretam Miguel e Lorena. O casal conversa em seu apartamento, cercado de objetos que remetem às suas lembranças em comum, sugerindo uma crise que se manifesta apenas nas entrelinhas.

ovniacessibilidadeuniversal_objetos_cartazAD(descrição do cartaz)
A Secretaria de Estado da Cultura apresenta:
Dirigido por Germano de Oliveira…
Objetos.

Uma coprodução Avante Filmes e Casa de Cinema de Porto Alegre. Com Áurea Baptista e Marcos Contreras. Roteiro: André Araújo e Germano de Oliveira (livremente inspirado no conto de Lygia Fagundes Telles). Produção: Germano de Oliveira e Nora Goulart. Produção executiva: Jessica Luz e Nicky Klöpsh. Direção de produção: Jessica Luz. Assistência de produção: Marcio Reolon. Assistência de direção: Filipe Matzembacher. Direção de fotografia: Bruno Polidoro. Colorização: Lígia Tiemi Sumi. Direção de arte: Valéria Verba. Produção de objetos: Sheila Marafon. Figurino: Laura Gutierrez. Montagem: Germano de Oliveira. Som direto: Marcos Lopes. Edição de som e mixagem: Tiago Bello.

Produção: Avante e Casa de Cinema de Porto Alegre. Financiamento: Pró-Cultura RS – Fundo de apoio à cultura, Governo do Rio Grande do Sul/Secretaria da Cultura – Promover a igualdade faz a diferença. Apoio: CiaRio Brasil – Centro de Infraestrutura Audiovisual e CTAV/Centro Técnico Audiovisual – Secretaria do Audiovisual/Ministério da Cultura.

O cartaz do curta-metragem Objetos é vertical e tem como fundo uma fotografia colorida que destaca em primeiro plano, à meia-luz, um globo de vidro transparente na mão de um homem branco e de cabelos e barba escuros, cuja cabeça aparece ao fundo, desfocada. Suas feições estão indefinidas através do globo, que contém três espécies de bolha em forma de gota invertida. Um pequeno foco de luz na superfície do globo reflete-se na palma da mão do homem. O texto, em caracteres brancos ou cinzas, está centralizado. O nome do diretor aparece no alto do cartaz, acima do globo; o título e a ficha técnica estão na metade inferior, na altura do pulso do homem; e as logomarcas dos produtores, financiadores e apoiadores estão no rodapé. (fim da descrição)

Vencedor do edital Desenvolvimento da Economia da Cultura Pró-Cultura RS FAC e produzido em uma parceria da Casa de Cinema de Porto Alegre com a Avante Filmes, o curta-metragem foi gravado em Porto Alegre/RS, no início de agosto de 2014. Sua première ocorreu em outubro passado, no XI Festival Panorama Internacional Coisa de Cinema, em Salvador/BA. No Rio Grande do Sul, foi exibido apenas em Pelotas, dentro do 7º Festival Internacional de Cinema da Fronteira.

Clique no vídeo abaixo e confira um teaser de Objetos com audiodescrição e legendas:

Germano de Oliveira é roteirista, diretor e montador; Valéria Verba assina a Direção de Arte; Bruno Polidoro, a Direção de Fotografia, e Tiago Bello, o Desenho de Som. A Avante Filmes é uma das jovens produtoras do RS, resultado do encontro de profissionais formados dos cursos de Realização Audiovisual da Unisinos e de Tecnologia em Produção Audiovisual da PUCRS.

Ficha técnica da audiodescrição e das legendas.
Produção dos recursos de acessibilidade: OVNI Acessibilidade Universal.
Roteiro de audiodescrição: Mimi Aragón.
Consultoria: Moira Braga.
Narração: Lívia Dávalos.
Estúdio: O Som da Luz.
Gravação, montagem e mixagem: Bruno Klein.
Decupagem sonora: Mimi Aragón e Kemi Oshiro.
Legendagem: Kemi Oshiro.
Revisão: Pedro Loss.

Exibições do curta-metragem Objetos, de Germano de Oliveira, com audiodescrição e legendas para surdos e ensurdecidos (LSE), em Porto Alegre/RS.
Quando | dias 2 e 5 de dezembro de 2015.
Onde |
(dia 2/12, quarta-feira, às 19h) Sala P.F. Gastal, na Usina do Gasômetro (Av. Pres. João Goulart, 551 – Centro).
(dia 5/12, sábado, às 16h) Vila Flores (Rua Hoffmann, 459 – Floresta), dentro da programação do Projeto Simultaneidade.
Quanto | entrada franca.

Dia 2/12, quarta-feira, às 19h, na Sala P.F. Gastal (Av. Pres. João Goulart, 551 – Centro).
Opções de transporte coletivo com parada Usina do Gasômetro.
Ônibus

176 – Serraria (Rodoviária)
178 – Praia de Belas
180 – Diário
188 – Assunção
244 – Santa Teresa
272 – Moradas da Hípica
282 – Cruzeiro do Sul
2821 – Pereira Passos
255 – Caldre Fião
346 – São José
3491 – São Caetano
376 – Herdeiros/Esmeralda
394 – Mapa
397 – Bonsucesso
492 – Petrópolis/SESC
R32 – Rápida Bonsucesso

Lotação
20.5 Alto Teresópolis

Dia 5/12, sábado, às 16h, no Vila Flores (R. Hoffmann, 447 – Floresta).
Opções de transporte coletivo com parada na Avenida Cristóvão Colombo na altura da Rua Hoffmann:
Ônibus

T5 – Transversal 5
608 – IAPI
610 – Minuano
611 – Lindoia
617 – Iguatemi
620 – Iguatemi / V. Jardim
637 – Chácara das Pedras
TR61 – Cristóvão Colombo
671 – Carlos Gomes / Salso

Lotação
50.6 – Guerino / Lindoia
50.8 – Higienópolis – Benjanin Constant
50.81 – Higienópolis – Hospital Militar

Las Brujas Cia de Teatro e feitiços e OVNI Acessibilidade Universal convidam para o workshop Produção Cultural – A Acessibilidade em Projetos de Teatro

A atividade, dia 29/09, às 15h, no Centro Cultural CEEE Erico Verissimo, com entrada franca, terá como ponto de partida o projeto A Menina do Cabelo Vermelho, contemplado pelo Programa Petrobras Distribuidora de Cultura 2015/2016.

A Las Brujas Cia de Teatro e feitiços e a OVNI Acessibilidade Universal realizam um workshop sobre acessibilidade em projetos de teatro no dia 29 de setembro, terça-feira, das 15h às 17h, na Sala Noé de Mello Freitas do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo (R. dos Andradas, 1223 – Centro Histórico, Porto Alegre), com entrada franca. O workshop Produção Cultural – A Acessibilidade em Projetos de Teatro propõe como ponto de partida o projeto A Menina do Cabelo Vermelho, que teve a montagem do espetáculo homônimo financiada pelo Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2012.

A Las Brujas Cia de Teatro abordará questões relativas à inclusão de recursos acessíveis (como a audiodescrição e a Libras – Língua Brasileira de Sinais) em projetos de teatro. Os resultados desse projeto serão exibidos em vídeo e áudio. A Cia recentemente foi contemplada para a circulação desse mesmo espetáculo pelo Programa Petrobras Distribuidora de Cultura 2015/2016, que prevê ações estendidas de recursos acessíveis, como oficinas e intercâmbio com grupos. E para tratar especificamente sobre a produção de acessibilidade, estará presente no workshop a OVNI Acessibilidade Universal, empresa com vasta experiência no mercado e que é parceira da Las Brujas em todas as ações que envolvem esse tema.

A parceria entre a Las Brujas Cia de Teatro e feitiços e as profissionais da OVNI Acessibilidade Universal iniciou-se em 2013, com a montagem do espetáculo de teatro infantil A Menina do Cabelo Vermelho, e consolidou-se com a iniciativa de realizar a primeira temporada de teatro infantil na Região Sul com o recurso de audiodescrição aberta em todas as sessões. A iniciativa pioneira resultou no convite para integrarem a programação da II IncludIt – Conferência Internacional para a Inclusão, em Leiria, Portugal, em julho de 2014. Além da participação em palestras e debates, foi apresentado na Praça Rodrigues Lobo o espetáculo Filó de Bolso – A Menina do Cabelo Vermelho com audiodescrição aberta.

Workshop Produção Cultural – A Acessibilidade em Projetos de Teatro
Realização: Las Brujas Cia de Teatro e feitiços e OVNI Acessibilidade Universal.
Promoção: Centro Cultural CEEE Erico Verissimo, Grupo CEEE e Governo do Estado do RS.
Data: 29 de Setembro de 2015, das 15h as 17h, Sala Noé de Mello Freitas, Centro Cultural CEEE Erico Verissimo (R. dos Andradas, 1223 – Centro Histórico, Porto Alegre).
Valor: entrada franca.
Informações: Las Brujas Cia de Teatro e feitiços
OVNI Acessibilidade Universal
lasbrujasciadeteatro@gmail.com
ovniacessibilidade@gmail.com
Público-alvo: Artistas, produtores e demais interessados no tema da acessibilidade.
Ministrantes: Diana Manenti e Lolita Goldschmidt (Las Brujas Cia de Teatro e feitiços), Mimi Aragón (OVNI Acessibilidade Universal).