financiamento

DANKE volta ao palco com audiodescrição da OVNI, dia 4 de março, no Teatro de Arena

Espetáculo sobre a vida na prisão da ativista alemã Ulrike Meinhof, baseado em texto original de Dario Fo e Franca Rame, terá audiodescrição no dia 4 de março, no Teatro de Arena, em Porto Alegre/RS

ovni_danke_alvaro-moreyra(descrição da imagem) Na foto colorida e vertical, tirada durante a apresentação de DANKE com audiodescrição, na Sala Álvaro Moreyra, em fevereiro passado, dona Cledi Dutra está à esquerda, na primeira fila da plateia, de perfil, voltada para a direita, com fones de ouvido, acariciando a cabeça do cão-guia Darwin. Ela tem cabelos loiros e lisos, na altura do queixo, usa óculos de grau, blusa preta e azul, e olha carinhosamente para o cão, um flat-coated retriever de pelo castanho, olhos castanhos e miúdos, focinho longo e topetinho arrepiado, que está em pé, de frente para dona Cledi, e tem a cabeça voltada para nós. Ao fundo, na direita, desfocada, a atriz Dani Dutra, branca, magra e com os cabelos escuros presos em um coque, está caracterizada como a Carcereira, de blazer, blusa e calças pretos, em pé, voltada para a direita, com as mãos apoiadas no espaldar de uma cadeira preta. (fim da descrição) Foto: Adriana Marchiori.

O espetáculo DANKE, com Juliana Kersting e Dani Dutra, que também integram o elenco de É Proibido Miar, está na programação da Semana da Mulher organizada pelo Teatro de Arena, em Porto Alegre/RS, e terá audiodescrição da OVNI Acessibilidade Universal no dia 4 de março, a partir das 19h30, no Teatro de Arena (Altos do Viaduto Otávio Rocha, Avenida Borges de Medeiros 835, Centro Histórico – para quem vem pela Rua Duque de Caxias no sentido Gasômetro/Santa Casa é a primeira escadaria à direita, oposta ao Hotel Everest). Os ingressos, todos com desconto de 50%, já estão à venda por R$ 10 no próprio Teatro, das 12h às 18h, inclusive na hora.

Será a primeira peça com audiodescrição a ser apresentada no Arena, espaço de resistência da arte gaúcha que em 2017 está completando 50 anos. Uma campanha de financiamento coletivo no site Vakinha  viabiliza o pagamento do equipamento de transmissão do recurso de acessibilidade. Na primeira apresentação de DANKE com audiodescrição, dia 7 de fevereiro deste ano, durante o festival Porto Verão Alegre, na Sala Álvaro Moreyra, financiada com recursos próprios pela M.A. Cia – Teatro, Dança e assemelhados e apoiada pela OVNI, houve público recorde utilizando os fones de ouvido em uma peça de teatro adulto na Capital gaúcha: 40 pessoas assistiram ao espetáculo com o recurso. Mais informações sobre a audiodescrição pelo e-mail ovniacessibilidade@gmail.com ou pelos fones (51) 984 512 115, (51) 992 081 176 ou (51) 3508 6709.

SOBRE DANKE
O espetáculo de teatro adulto é baseado no texto “Eu, Ulrike? Grito…” de Dario Fo e Franca Rame, que traz o testemunho da jornalista e ativista alemã Ulrike Meinhof sobre os quatro anos em que esteve na prisão, onde morreu em circunstâncias jamais esclarecidas. Isolada em uma cela branca que a priva de parte dos sentidos, Ulrike volta-se para si e depara-se com seu duplo, a carcereira, que transita entre o real e o imaginário. A ativista social e política lutou pelos direitos humanos na década de 60, tornando-se um dos ícones femininos do século 20, assim como Rosa Luxemburgo e Olga Benário.

FICHA TÉCNICA DO ESPETÁCULO
Texto: Dario Fo e Franca Rame.
Idealização e concepção: Juliana Kersting.
Atuação: Dani Dutra e Juliana Kersting.
Orientação e preparação das atrizes: Denis Gosch.
Coreógrafa e colaboradora: Juliana Prestes.
Iluminação: Leandro Gass.
Operação de som: Denis Gosch.
Audiodescrição: OVNI Acessibilidade Universal.
Produção e realização: M.A. Cia – Teatro, Dança e Assemelhados.

ovni_danke_cor(descrição da imagem) A foto colorida e horizontal mostra a atriz Juliana Kersting em uma cena de DANKE, caracterizada como Ulrike Meinhof. Branca, magra, com cabelos escuros e lisos, na altura do pescoço, despenteados e algo úmidos, ela aparece dos joelhos para cima, quase de frente, ajoelhada, com o tronco inclinado, rente ao chão, olhando para baixo, onde aninha entre os braços um grande tecido branco amarrotado, com expressão atenta e cuidadosa – os olhos semicerrados e os lábios carnudos fechados. Usa blusa branca de tecido leve com mangas compridas e decote em V e calças brancas. Da esquerda, chega uma luz forte que ilumina parcialmente os cabelos e o rosto concentrado da atriz. (fim da descrição)

FICHA TÉCNICA DA AUDIODESCRIÇÃO
Roteiro: Mimi Aragón.
Consultoria: Rafael Braz.
Narração: Kemi Oshiro.
Equipamento: Grupo Evento.
Suporte: Juliana Prestes e Mimi Aragón.
Produção: OVNI Acessibilidade Universal.

Crítica:
Antonio Hohlfeldt, 27 de maio de 2005, Jornal do Comércio: “Num espetáculo seco, de cerca de 50 minutos de duração, a cena, aberta desde a entrada do público, apresenta duas figuras: a prisioneira e sua guardiã, vivida por Paola Oppitz (…) Não se fala, não se tosse, não se pisca. Juliana Kersting eletriza a todos. Cumpre a sina da prisioneira. O escuro se faz sobre a mulher em posição fetal.”

Antonio Hohlfeldt, 11 de maio de 2012, Jornal do Comércio: “A interpretação de Juliana Kersting é dura e sensível, ao mesmo tempo. Desde a sequência inicial sente-se a luta da personagem no sentido de não perder sua humanidade e sua identidade. Os elementos cênicos introduzidos pela direção, bem como a trilha sonora, idealizada pela atriz e cuidadosamente desenvolvida, criam um ambiente opressor, que invade até mesmo o espaço da plateia. A proximidade da sala, evidentemente, colabora com isso, mas se a direção não soubesse usar esta proximidade, ela seria apenas um detalhe não incluído na estrutura dramática da encenação.”

DANKE com audiodescrição da OVNI Acessibilidade Universal.
Quando: 4 de março, sábado, às 20h. A audiodescrição começa às 19h30. Chegue às 19h para retirar seu equipamento, trazendo um documento válido.
Onde: Teatro de Arena (Altos do Viaduto Otávio Rocha, Avenida Borges de Medeiros 835, Centro Histórico, Porto Alegre/RS – para quem vem pela Rua Duque de Caxias no sentido Gasômetro/Santa Casa é a primeira escadaria à direita, oposta ao Hotel Everest).
Duração aproximada: 50 minutos.
Ingressos: Preço único promocional de R$ 10, à venda no Teatro de Arena, das 12h às 18h, inclusive na hora.
Dúvidas sobre ingressos: (51) 3226 0242.
Informações sobre a audiodescrição: e-mail ovniacessibilidade@gmail.com ou pelos fones (51) 984 512 115, (51) 992 081 176 ou (51) 3508 6709.
Estacionamento: O Teatro conta com estacionamento localizado na Rua Duque de Caxias. O preço único para o público do espetáculo é R$ 15. Pegar cartão na bilheteria e apresentar no estacionamento. Para mais informações, entre em contato com o Teatro de Arena pelo fone (51) 3226 0242 ou email teatrodearena@sedac.rs.gov.br

Opções de transporte coletivo com parada próxima ao Teatro de Arena:
ÔNIBUS
Todas as linhas que passam pela Avenida Borges de Medeiros sob o Viaduto Otávio Rocha, no sentido centro/bairro ou bairro/centro, mais as seguintes, com parada nas proximidades das escadarias:
C11 – CIRCULAR CENTRO/SÁBADOS – CENT/BAIR/CENT
C2 – CIRCULAR PRACA XV – CENT/BAIR/CENT
C31 – CIRCULAR URCA/SABADOS/DOMINGOS/FERIADOS – CENT/BAIR/CENT

LOTAÇÃO
Todas as linhas que passam pela Avenida Borges de Medeiros sob o Viaduto Otávio Rocha, no sentido centro/bairro ou bairro/centro, mais a seguinte, com trajeto pela Rua Duque de Caxias:
05.1 – RIO BRANCO/VIA IPA – BAIRRO/CENTRO e CENTRO/BAIRRO