Genifer Gerhardt

OVNI pousa no Vila Flores, em Porto Alegre/RS

(descrição da imagem) Na foto colorida e horizontal, uma vista do pátio interno do complexo arquitetônico do Vila Flores em um dia claro. Dois prédios de alvenaria com três andares cada estão dispostos em forma de L, o mais visível da esquerda para o centro da foto e o outro ao fundo, na direita. O aspecto de ambos é rústico e alegre, com tijolos aparentes, alvenaria envelhecida, janelas envidraçadas basculantes ou de madeira, sacadas em tons vibrantes, algumas delas exibindo desenhos coloridos a tinta spray, conhecidos como grafites, e, em cada telhado, três pequenos sótãos de madeira, chamados de águas-furtadas. O pátio é de paralelepípedos e ao longo dele estão distribuídos grandes carretéis virados feito mesas, bancos de madeira e concreto, tonéis coloridos de metal, lixeiras para coleta seletiva e canteiros com folhagens. (fim da descrição) Foto: Juliana Prestes.

Nossa nave acaba de chegar ao Vila Flores, um dos polos de economia criativa mais revolucionários de Porto Alegre/RS, misturando cultura, educação, inovação social, empreendedorismo e gestão colaborativa. A OVNI Acessibilidade Universal agora compartilha um dos espaços do Vila com as artistas visuais Márcia Braga e Miriam Gomes. O endereço é Rua São Carlos, 753/53 – Bairro Floresta. Nossos canais de contato seguem os mesmos: Fones 51 98451 2115 (Mimi Aragón) e 51 99208 1176 (Kemi Oshiro), E-mail ovniacessibilidade@gmail.com, Facebook, Blog e Youtube.

(descrição da imagem) Na foto horizontal, parte em preto e branco, parte colorida, as duas sócias da OVNI Acessibilidade Universal, Kemi Oshiro e Mimi Aragón, fazem graça junto a uma parede escura com o desenho a giz em amarelo e azul, no centro da imagem, de um disco voador perto de um planeta chamado Vila Flores, onde duas criaturas extraterrestres cravam uma bandeirola com o nome OVNI. Kemi, na esquerda, e Mimi, na direita, aparecem da cintura para cima, de perfil, tocando uma no dedo indicador da outra, com expressão de espanto: olhos arregalados e boca aberta. Retratadas em preto e branco, somente suas mãos estão coloridas. Kemi é magra, tem a pele bronzeada, cabelos pretos, longos e lisos, e usa suéter claro de mangas longas. Mimi é gordinha, tem a pele muito branca, cabelos prateados, curtos e meio despenteados, e usa moletom escuro. (fim da descrição) Foto: Juliana Prestes.

Não é de hoje que sonhávamos em instalar a OVNI no Vila Flores, local que conhecemos em 2014 e onde já havíamos produzido acessibilidade para eventos como as exposições de artes visuais Este Corpo Já Foi Meu (Márcia Braga), A Escuridão Que Me Clareia (Carol W) e Hertz – do lugar que estamos (Peter Gossweiler), além do espetáculo de teatro Brasil Pequeno itinerante (Genifer Gerhardt). O namoro foi longo, mas o casamento finalmente saiu!

Levar uma empresa especializada em produzir Audiodescrição (AD), Legendas para Surdos e Ensurdecidos (LSEs) e Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) a um espaço vanguardista feito o Vila Flores indica que muitos agentes de transformação cultural e social já entendem a acessibilidade como requisito indispensável a todo e qualquer projeto voltado à garantia e ao avanço de direitos.

(descrição da imagem) Na foto colorida e vertical, Mimi, na esquerda, e Kemi, na direita, estão na sala da OVNI, apoiadas no parapeito de uma janela de madeira envelhecida, vistas de fora para dentro, sorrindo para nós. Ao fundo, a parede de quadro-negro com desenho a giz amarelo em um dos cantos tem o formato de nuvem na borda superior. (fim da descrição) Foto: Juliana Prestes.

Faz contato, vem tomar um cafezinho e aproveita para conhecer a nova base da OVNI Acessibilidade Universal. Daqui, os ideais de respeito às diferenças e inclusão plena parecem muito mais acessíveis.

​OVNI Acessibilidade Universal
Informação e cultura para todo mundo.
Vila Flores – Rua São Carlos, 753/53 – Bairro Floresta
Porto Alegre/RS – CEP 90220-121
51 98451 2115 | 51 99208 1176
ovniacessibilidade@gmail.com
​Blog
Facebook
Youtube

Anúncios

OVNI faz audiodescrição aberta do espetáculo Brasil Pequeno Itinerante no evento Tardes Brincantes, do projeto Vila Flores – Uma Experiência Aberta

Com bonecos em miniatura, peça de teatro narra poeticamente histórias sobre brasileiros simples. É no próximo sábado, 24, no Vila Flores, com entrada franca.

O espetáculo Brasil Pequeno Itinerante, de e com Genifer Gerhardt, está na programação do evento Tardes Brincantes, que integra o projeto Vila Flores – Uma Experiência Aberta, e terá audiodescrição aberta da OVNI Acessibilidade Universal no próximo sábado, às 17h, no Vila Flores (acesso pela Rua São Carlos, 753, na altura da Rua Hoffmann, Bairro Floresta), com entrada franca.

Para quem desejar, um grupo se reunirá às 16h no portão central do Zaffari da Cristóvão Colombo (Avenida Cristóvão Colombo, 1271, esquina com a Rua Hoffmann), a uma quadra do local, com saída 16h20 para o Vila Flores. Confirme sua presença no grupo pelo e-mail ovniacessibilidade@gmail.com ou pelos fones (51) 3414 4690, (51) 8451 2115 ou (51) 9208 1176.

Brasil Pequeno Itinerante traz bonecos de biscuit em miniatura para relembrar pessoas e histórias que Genifer Gerhardt conheceu em suas andanças pelo Brasil. O figurino que também é cenário, a música ao vivo, a linguagem singela e a interação com o público estabelecem um encontro pleno de poesia, emoção e encantamento.

tardes-brincantesA Secretaria de Estado da Cultura apresenta:
Vila Flores – Uma Experiência Aberta.
Tardes Brincantes.
Ato Espelhado Companhia Teatral e convidados:
Oficina de Brinquedos com Eliane Bruél e Teatro Lambe-Lambe com Alex Anderson (Trupi di Trapu).
Apresentação do espetáculo Brasil Pequeno Itinerante*.
Dia 24/09, sábado, das 15h às 18h.
Local: Vila Flores – Rua Hoffmann, 459.
*Espetáculo com audiodescrição da OVNI Acessibilidade Universal.
Evento gratuito.
Mais informações em: www.vilaflores.net/experiencia-aberta
Realização:
Vila Flores Associação Cultural.
Financiamento:
Pró-Cultura RS, Secretaria da Cultura e Governo do Estado do Rio Grande do Sul – Todos Pelo Rio Grande.
(descrição da imagem) O e-flyer tem fundo cor de tijolo todo preenchido por tracinhos desenhados em tom ligeiramente mais claro. Na metade direita, uma foto quadrada de fundo azul claro mostra o bonequinho de um homem idoso e magro, de pele muito branca, calvo, com a camisa branca aberta e calças pretas, em pé, de braços abertos manipulados por duas mãos, logo atrás de dois bonequinhos de bois brancos e magrinhos, os três sobre um caminho feito por quatro mãos unidas. O texto, em letras que parecem escritas a mão, amarelas, azuis, pretas e brancas, está na metade esquerda do e-flyer, com dois blocos sobre faixas brancas pinceladas. Abaixo da foto, as logomarcas do realizador e dos financiadores. (fim da descrição)

SOBRE GENIFER GERHARDT E BRASIL PEQUENO ITINERANTE
Genifer Gerhardt é palhaça e bonequeira. Tendo viajado em 2009 por povoados do Brasil, percebeu que havia feito ali uma colheita valiosa: tomara conhecimento de histórias lindas e diversas provindas de pessoas distantes. Porém a distância não trazia afastamento – pelo contrário, as histórias revelavam o humano idêntico que há em cada um de nós, sentimentos e emoções comuns.

Do andar e sua repercussão, a artista ganhou dois prêmios nacionais: PRÊMIO AGENTE JOVEM DA CULTURA: DIÁLOGOS E AÇÕES INTERCULTURAIS, que visou identificar, reconhecer, valorizar e divulgar iniciativas culturais já realizadas e com comprovado impacto cultural – e PRÊMIO FUNARTE DE TEATRO MYRIAM MUNIZ/2012, que viabilizou a montagem do espetáculo “Brasil Pequeno”. Nascia ali um espetáculo minimalista que passou a disseminar as histórias ouvidas nos povoados. Das pessoas, Genifer criou bonecos em miniatura; das histórias fez canção e contação miúda.

Porém, em uma temporada de 12 apresentações em residências de Porto Alegre/RS, as histórias se multiplicaram: passava a contar, mas também passava a ouvir. Novas histórias ouvidas e surgiu a vontade de contar estas também, além de dialogar com públicos distintos. Surgia o Brasil Pequeno Itinerante, um espetáculo pensado para rua, com histórias distintas das apresentadas no Brasil Pequeno, mas mantendo a mesma proposta e conceito: falar da pequenez com a miudeza de bonecos, objetos, cantigas e detalhes em um figurino que é também cenário. Olho no olho, a proximidade na imensidão.

O espetáculo andante teve sua estréia em abril de 2014, com oito apresentações no 6º Festival de Teatro de Rua de Porto Alegre – encenações em bairros periféricos, centrais e penitenciária. Os locais interferiam diretamente na encenação na medida em que buscava aproximar-se do público, distinto e único como é o público de rua. A maneira interativa de contar as histórias ao lidar com a participação do público leva à peça um frescor e presença singulares onde é apresentada. São características marcantes de uma proposta que quer e busca diálogo permanente com a rua, seus passantes e suas histórias: sempre distintas, mas sempre semelhantes.

Brasil Pequeno Itinerante assim carrega em si a ideia de que qualquer história, se bem contada, pode levar à poesia e ao encontro. Ao contrário do Brasil Pequeno, que tem um início, meio e fim definidos, no Itinerante as histórias podem mudar, as personagens reais também, mas permanecem a delicadeza e o cuidado em cada conto.

Espetáculo de teatro Brasil Pequeno Itinerante com audiodescrição aberta e entrada franca.
Onde: Centro Cultural Vila Flores (Rua São Carlos, 753, na altura da Rua Hoffmann, Bairro Floresta).
Quando: 24 de setembro, sábado, às 17h.
Duração aproximada: 45 minutos.
Ponto de encontro: Zaffari da Cristóvão (Avenida Cristóvão Colombo, 1271, esquina com a Rua Hoffmann), a partir das 16h. Partida para o Vila Flores às 16h20.
Inscrições para o ponto de encontro: e-mail ovniacessibilidade@gmail.com ou fones (51) 3414 4690, (51) 8451 2115 ou (51) 9208 1176.

Opções de transporte coletivo com parada na Avenida Cristóvão Colombo na altura da Rua Hoffmann:
Ônibus

T5 – Transversal 5
608 – IAPI
610 – Minuano
611 – Lindoia
617 – Iguatemi
620 – Iguatemi / V. Jardim
637 – Chácara das Pedras
TR61 – Cristóvão Colombo
671 – Carlos Gomes / Salso

Lotação
50.6
– Guerino / Lindoia
50.8 – Higienópolis – Benjanin Constant
50.81 – Higienópolis – Hospital Militar