grátis

OVNI produz Cinema Para Ver Com Os Ouvidos na 11ª edição do Projeto Vizinhança, em Porto Alegre/RS

OVNI_vizinhança_blogProjeto Vizinhança convida:
11ª edição.
3 e 4 de junho. Sábado e domingo, das 10h às 18h.
Rua Maestro Mendanha, 71 – Bairro Santana  – Porto Alegre.
Atividade: sábado, das 12h às 17h.
Cinema para ver com os ouvidos: exibição de curtas-metragens com audiodescrição da OVNI Acessibilidade Universal.
Projeto Vizinhança.
www.projetovizinhanca.art.br
www.facebook.com/ProjetoVizinhanca
projetovizinhanca@gmail.com
(descrição da imagem) O e-flyer da 11ª edição do Projeto Vizinhança, com fundo branco, é retangular e horizontal. Ao centro, em uma faixa que atravessa toda a largura do material, uma fotografia colorida mostra cinco pessoas de perfil, vendadas, sentadas em cadeiras dispostas em duas fileiras sob um telhado sem forro, com as tesouras aparentes, em um ambiente ligeiramente escurecido. Voltadas para a direita, elas parecem concentradas em algo à sua frente, que não aparece na foto. A parte de baixo da foto está recortada e contornada por uma linha lilás, lembrando um telhado de cabeça para baixo. As informações sobre o evento estão acima e abaixo da foto, em letras pretas ou lilases. No canto inferior direito, a logomarca do Projeto Vizinhança, com a palavra Projeto em letras brancas, inscrita em um pentágono preto de lados irregulares, sugerindo uma casa e remetendo ao recorte da foto, e a palavra Vizinhança em letras pretas, logo abaixo do pentágono e ocupando toda a sua largura. (fim da descrição) Foto: Kemi Oshiro.

Cinema para ver com os ouvidos
Dá para assistir a um filme sem o sentido da visão? Será possível enxergar com os ouvidos? A OVNI Acessibilidade Universal estará na 11ª Edição do Projeto Vizinhança exibindo curtas-metragens com audiodescrição. E quem não é usuário do recurso, mas quiser experimentar um jeito diferente de apreciar a sétima arte, poderá usar vendas. Porque cinema acessível faz bem para todo mundo!

O que vai rolar
Nos dias 3 e 4 de junho (sábado e domingo), das 10h às 18h, acontece a 11ª edição do Projeto Vizinhança, na Rua Maestro Mendanha, 71, bairro Santana, em Porto Alegre. Nesta edição, a programação conta com oficinas, exposição de artes visuais, cinema, música, dança e diversas atividades gratuitas para todas as idades. Além de café da manhã e almoço colaborativos em que cada um leva algo para compartilhar.

Sobre o Projeto Vizinhança
O Projeto Vizinhança nasceu em 2012 a partir de reflexões advindas do cotidiano de pessoas que se interessam por sua cidade e pelas relações que nela se constroem de vizinhança e identidade. Muitas coisas em comum uniram Márcia Braga e Aline Bueno nesta iniciativa que busca ativar espaços ociosos da cidade transformando-os, através da participação coletiva, em lugares, palco de novas experiências, estimulando a convivência entre vizinhos, a troca e a aprendizagem em um ambiente lúdico, criativo e informal.

11ª Edição do Projeto Vizinhança.
Quando:
Dias 3 e 4 de junho de 2017.
Horário: das 10h às 18h.
Dia 3, sábado, das 12h às 17h: OVNI Acessibilidade Universal apresenta: Cinema para ver com os ouvidos – exibição de curtas-metragens com audiodescrição.
Onde: Onde: Rua Maestro Mendanha, 71 (entre as Ruas Santana e Gomes Jardim) – Bairro Santana  – Porto Alegre/RS.
Quanto: Gratuito.
Mais informações sobre o Projeto Vizinhança: site, Facebook e projetovizinhanca@gmail.com

Opções de transporte coletivo com parada nas proximidades Rua Maestro mendanha:
Ônibus

T3 – TRANSVERSAL 3
340 – JARDIM BOTANICO
438 – SANTANA
497 – MARIO QUINTANA
4971 – MARIO QUINTANA/SAFIRA

Lotação
30.3 – SANTANA

Anúncios

Programação da 11ª Mostra de Cinema e Direitos Humanos em Porto Alegre/RS traz filmes com audiodescrição e uma conversa sobre a produção do recurso no setor audiovisual

OVNI_blog_MCDHpoa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Ministério dos Direitos Humanos apresenta…
11ª Mostra Cinema e Direitos Humanos.
Muestra de Cine y Derechos Humanos.
Film and Human Rights Exhibition.
Porto Alegre/RS, 6 a 11 de junho.
2017, Brasil.
Local: Cinemateca Capitólio Petrobras.
Rua Demétrio Ribeiro, 1085 – Centro Histórico, Porto Alegre.
Entrada gratuita.
http://mostracinemaedireitoshumanos.sdh.gov.br
http://www.facebook.com/11amostracinemaedireitoshumanosbrasil
Produção: ICEM – Instituto Cultura em Movimento.
Produção local: Primeira Fila Produções.
Apoio local: OVNI Acessibilidade Universal, Cinemateca Capitólio Petrobras, Secretaria Municipal da Cultura, Secretaria Municipal da Educação e Secretaria da Justiça e Direitos Humanos do RS.
Patrocínio: Itaú e BR Petrobras.
Realização: Ministério dos Direitos Humanos e Governo Federal.
(descrição do flyer) O flyer colorido e vertical tem o fundo preenchido por uma composição de pequenos triângulos em tons de azul. O texto está em letras pretas ou brancas. Na metade superior, centralizado, logo acima do nome do evento, o desenho de uma flor que traz, no lugar das pétalas, um olho esquerdo em que a íris está representada por um rolo preto de filme. Os cílios que contornam o olho também são pretos. No caule delgado, uma única folhinha verde. As informações sobre a Mostra estão centralizadas na metade inferior do flyer. No canto inferior esquerdo, um QR Code, representado por um quadrado branco preenchido com grafismos pretos. No canto inferior direito, ao lado do símbolo de reciclagem, composto por três setas brancas dispostas em forma de triângulo, o aviso: Não descarte este impresso em via pública. No rodapé, em uma faixa branca, os logotipos dos produtores, apoiadores, patrocinadores e realizadores. (fim da descrição)

As sessões com audiodescrição serão no dia 7 de junho e o debate, dia 10, sempre com entrada franca, na Cinemateca Capitólio Petrobras

A 11ª edição da Mostra Cinema e Direitos Humanos  em Porto Alegre/RS exibirá seis filmes com audiodescrição, no dia 7 de junho, quarta-feira, e, dia 10, sábado, contará com um debate sobre a produção de audiodescrição para o setor audiovisual. Toda a programação tem entrada franca e será na Cinemateca Capitólio Petrobras (Rua Demétrio Ribeiro, 1085 – esquina com a Avenida Borges de Medeiros – Centro).

Dia 7, quarta-feira, as sessões de cinema com audiodescrição iniciam-se às 14h, 16h e 17h, cada uma com dois títulos diferentes (confira as fichas técnicas e sinopses no final deste texto). Às 14h, serão exibidos A História da Menininha que Amava Borboletas e, na sequência, Precisamos Falar do Assédio. Às 16h é a vez de Pobre Preto Puto, seguido de Carol. Às 17h, Madrepérola e Meu Nome é Jacque. A audiodescrição dos filmes foi produzida pela CPL, empresa do Rio de Janeiro, com consultoria de Alessandro Câmara de Souza.

No dia 10, sábado, o debate Ver com os ouvidos: o papel da audiodescrição na produção audiovisual está marcado para as 18h, na Sala Multimídia da Cinemateca Capitólio Petrobras. A ideia é incentivar o diálogo entre os setores da produção de cinema e de acessibilidade e o público, requisito indispensável para assegurar a qualidade funcional e estética da audiodescrição. Participam da conversa Pedro Marques, produtor e diretor na Bactéria Filmes; Mimi Aragón e Kemi Oshiro, produtoras de recursos de acessibilidade comunicacional na OVNI Acessibilidade Universal; e Rafael Braz, estudante de Psicologia, consultor e usuário de audiodescrição.

A 11ª Mostra circula desde o dia 8 de maio em 26 capitais brasileiras, além do Distrito Federal, e vai até 25 de junho. Na programação, 29 filmes, entre curtas, médias e longas-metragens, todos com entrada franca e exibidos com legendas closed caption. No site da Mostra é possível acompanhar a programação completa. A expectativa é receber um público de mais de 30 mil pessoas em todo o país.

Uma realização do Ministério de Direitos Humanos, com produção nacional do Instituto Cultura em Movimento – ICEM e patrocínio da Petrobras e do Itaú, em Porto Alegre a 11ª Mostra tem produção local da Primeira Fila Produções, assessoria de imprensa de Bruna Paulin e apoio da OVNI Acessibilidade Universal, Cinemateca Capitólio Petrobras, Secretarias Municipais da Cultura e da Educação e da Secretaria da Justiça e Direitos Humanos do RS.

7 de junho, quarta-feira: sessões de filmes com audiodescrição.
Entrada franca.
14h

A História da Menininha que Amava Borboletas.
Direção: Paula Du Gelly, Estados Unidos, 2016, 4 min, ficção.
Temática: Direitos das mulheres
Classificação indicativa: 14 anos.
Roteiro de audiodescrição: Larissa Costa.
Narração: Daniel Coutinho.
Leitura de legendas: Beta Brito.
Sinopse: Para onde ela queria ir, ela não podia levar ninguém… especialmente seu passado.

Precisamos Falar do Assédio.
Direção: Paula Sacchetta, Brasil, 2016, 80 min, documentário.
Temática: Direitos das Mulheres
Classificação indicativa: 14 anos.
Roteiro de audiodescrição: Larissa Costa e Renato Calvet.
Revisão final: Larissa Costa.
Narração: Daniel Coutinho.
Sinopse: Na semana da mulher, uma van-estúdio parou em nove locais em São Paulo e no Rio de Janeiro. O objetivo era coletar depoimentos de mulheres vítimas de qualquer tipo de assédio. Ao todo, 140 decidiram falar. São relatos de mulheres de 15 a 84 anos, de zonas nobres ou periferias das duas cidades, com diferenças e semelhanças na violência que acontece todos os dias e pode se dar dentro de casa, em um beco escuro ou no meio da rua, à luz do dia. O filme traz uma amostra significativa, 26 deles. Nos depoimentos puros, sem qualquer tipo de interlocução, acompanhamos um desabafo, um momento íntimo ou a oportunidade de falarem daquilo pela primeira vez.

16h
Pobre Preto Puto.
Direção: Diego Tafarel, Brasil, 2016, 15 min, documentário.
Temática: Cidadania LGBT
Classificação indicativa: 12 anos.
Roteiro de audiodescrição: Larissa Costa.
Narração: Beta Brito.
Sinopse: Nei D’Ogum é batuque, é sexo e é negritude. É amor e contradição. Um guerreiro das causas negras, gays e transexuais. Ele é a própria causa. Autodefine-se: “pobre, preto, puto”.

Carol.
Direção: Mirela Kruel, Brasil, 2016, 20 min, documentário.
Temática: Diversidade sexual / Cidadania LGBT.
Classificação indicativa: 14 anos.
Roteiro de audiodescrição: Renato Calvet.
Revisão final: Larissa Costa.
Narração: Beta Brito.
Sinopse: A história de uma mulher que se redescobriu depois de ter passado por uma situação de violência. Um registro do seu cotidiano, suas dificuldades e angústias, sonhos e alegrias. Através da proximidade com a vida de Carol vemos como é possível superar preconceitos, tristezas, e seguir em frente.

17h
Madrepérola.
Direção: Deise Hauenstein, Brasil, 2015, 15 min, documentário.
Temática: Direitos das Mulheres.
Classificação indicativa: 10 anos.
Roteiro de audiodescrição: Larissa Costa.
Narração: Daniel Coutinho.
Sinopse: Em uma maré alheia à diversidade, vivem ostras que são afetadas por serem consideradas fora dos padrões e medidas. Essa é uma história sobre como as pérolas se formam.

Meu Nome é Jacque.
Direção: Angela Zoé, Brasil, 2106, 72 min, documentário.
Temática: Cidadania LGBT / Diversidade Sexual.
Classificação indicativa: 12 anos.
Roteiro de audiodescrição: Larissa Costa.
Narração: Daniel Machline.
Sinopse: O documentário aborda a diversidade através da história de vida de Jaqueline Côrtes, uma mulher transexual brasileira, que vive com Aids. Militante pela causa, Jacque tem a vida marcada por lutas e conquistas como representante do governo brasileiro na ONU. Hoje mora numa pequena cidade, levando uma vida voltada para a maternidade e a família. Ao acompanhar o cotidiano de Jacque, este documentário apresenta os inúmeros desafios que foram rompidos pela personagem.

10 de junho, sábado, 18h: conversa Ver com os ouvidos: o papel da audiodescrição na produção audiovisual. Entrada franca.
A produção de audiodescrição no setor audiovisual é, mais do que uma recente exigência legal no Brasil, a garantia do direito de acesso de pelo menos 36 milhões de pessoas com deficiência visual à arte cinematográfica. Entre outros requisitos, o diálogo permanente entre produtores de cinema, de acessibilidade e o público torna-se indispensável para assegurar a qualidade funcional e estética deste recurso de acessibilidade comunicacional. Participantes: Pedro Marques, produtor, diretor e artista digital na Bactéria Filmes; Mimi Aragón e Kemi Oshiro, produtoras e audiodescritoras na OVNI Acessibilidade Universal, e Rafael Braz, estudante de Psicologia, consultor e usuário de audiodescrição.

Opções de transporte coletivo com parada nas proximidades da Cinemateca Capitólio Petrobras:
Ônibus
C1 – CIRCULAR CENTRO
C2 – CIRCULAR PRACA XV
C3 – CIRCULAR URCA
165 – COHAB
168 – BELEM NOVO (VIA TRISTEZA)
171 – PONTA GROSSA
173 – CAMAQUA
178 – PRAIA DE BELAS
179 – SERRARIA
184 – JUCA BATISTA
186 – LIBERAL
187 – PADRE REUS
188 – ASSUNCAO
195 – TV
209 – RESTINGA
253 – RENASCENÇA
254 – EMBRATEL
257 – PAULINO AZURENHA/AZENHA/CASCATINHA
262 – JARDIM V. NOVA
263 – ORFANOTROFIO
264 – PRADO
265 – JARDIM MEDIANEIRA
266 – VILA NOVA
267 – LAMI (VIA BELEM NOVO)
268 – BELEM NOVO (VIA CAVALHADA)
269 – LAMI/BELEM
270 – GRUTINHA
271 – AMAPA
274 – GLORIA/AZENHA/CASCATINHA
281 – CAMPO NOVO
283 – IPANEMA/CAVALHADA
285 – NONOAI
288 – IPANEMA/MORRO ALTO
289 – RINCAO/VIA OSCAR PEREIRA
D63 – ORFANOTROFIO/DIRETA
340 – JARDIM BOTANICO
344 – SANTA MARIA
345 – SANTA CATARINA
347 – ALAMEDA
348 – JARDIM BENTO GONCALVES
361 – CEFER
375 – AGRONOMIA/INFORMATICA
395 – QUINTA DO PORTAL/SALGADO FILHO
3974 – BONSUCESSO/SANTA HELENA
398 – PINHEIRO

Lotação
02.1 – MENINO DEUS
02.11 – MENINO DEUS/ VIA JOSE DO PATROCINIO
03.1 – IPIRANGA/ PUC – BORGES
03.3 – JARDIM BOTANICO/JARDIM DO SALSO
10.1 – TRISTEZA/ASSUNCAO
10.3 – CRISTAL/OTTO NIEMEYER
10.4 – IPANEMA
10.41 – IPANEMA/JARDIM ISABEL
10.5 – GUARUJA – WENCESLAU ESCOBA
10.51 – GUARUJA – CAVALHADA
10.52 – GUARUJA/PONTA GROSSA
20.1 – MEDIANEIRA
20.11 – MEDIANEIRA / MORRO SAO CAETANO
20.2 – OTTO/TERESÓPOLIS
20.5 – ALTO TERESOPOLIS – VIA PRAIA DE BELAS
20.6 – GLORIA
30.1 – CANAL 10 VIA APARÍCIO BORGES
30.2 – PARTENON/PINHEIRO/PARADA 21

e-Book sobre Tradução Audiovisual traz dois artigos de Kemi Oshiro

(descrição da imagem) A fotografia colorida e vertical é uma reprodução da capa do livro “Acessibilidade audiovisual: produção inclusiva nos contextos acadêmicos, culturais e nas plataformas web”, organizado por Lucinéa Marcelino Villela e publicado pela Canal 6 Editora. O título, em letras amarelas e brancas, e os nomes da organizadora e da editora, em letras brancas, estão em um retângulo horizontal preto centralizado na metade inferior da capa, ilustrada com a fotografia colorida de alguém mostrando um tablet que exibe a imagem noturna e ligeiramente desfocada de uma rua com um automóvel preto e pessoas na calçada. Sobre essa imagem, a ilustração colorida de um olho estilizado formado por uma íris azul contornada por três linhas largas, a de fora, amarela, a do meio, laranja, e a de dentro, vermelha. Ao lado do retângulo preto, na margem direita da capa, outro retângulo, vertical e amarelo, com a mesma altura do preto. (fim da descrição)

A OVNI Acessibilidade Universal está comemorando a publicação do e-book “Acessibilidade audiovisual: Produção inclusiva nos contextos acadêmicos, culturais e nas plataformas web”. O obra, organizada pela professora-doutora Lucinéa Marcelino Villela (Unesp-Bauru/SP), conta com oito capítulos que discutem a tradução audiovisual em pesquisas nas áreas da Audiodescrição e das Legendas para Surdos e Ensurdecidos, dois deles de autoria de Kemi Oshiro, uma das sócias da OVNI.

O primeiro, intitulado “Produzir com qualidade: o papel do produtor em audiodescrição”, é parte do trabalho de conclusão de Kemi na Especialização em Audiodescrição da Universidade Federal de Juiz de Fora/MG. O segundo, “La imagen hablada”, foi produzido a partir de seu trabalho final no Máster en Estudios de Cine y Audiovisual Contemporáneos, realizado na Universidad Pompeu Fabra, em Barcelona, Espanha, entre 2012 e 2014.

O livro constitui uma amostra do que o grupo de Pesquisa Mídia Acessível e Tradução Audiovisual (MATAV) produziu nos últimos três anos, sempre com foco nas pessoas com deficiência auditiva e visual e no treinamento e formação de futuros pesquisadores e profissionais das áreas de tradução, comunicação e de acessibilidade cultural.

Editado pela Canal 6 Livraria, “Acessibilidade audiovisual: produção inclusiva nos contextos acadêmicos, culturais e nas plataformas web” tem download gratuito pelo site site da editora.

Filó de Bolso com audiodescrição aberta no Santander Cultural

filodebolso(descrição da imagem) A foto colorida e horizontal mostra, à esquerda, a atriz Diana Manenti, que aparece do peito para cima, de perfil, por trás de uma barra horizontal toda coberta por vários tecidos: preto com bolinhas brancas; listrado de preto e branco; vermelho; verde; amarelo. Diana usa uma máscara de miçangas em tons de marrom, branco, vermelho e amarelo que lhe cobre quase toda a cabeça, deixando à mostra só um olho arregalado e a boca contraída em um biquinho, como se assoprasse algo. Longos fios de sisal aplicados no topo da máscara imitam cabelos que descem em cascata pelo peito da atriz. Ela usa túnica roxa e tem um microfone tipo headset na altura do queixo. À direita, está pendurada sobre o tecido verde uma máscara feita com a fotografia do rosto da atriz Lolita Goldschmidt caracterizada como Filó, com um laçarote branco nos cabelos vermelhos de lã, olhos arregalados e boca escancarada. Ao fundo, desfocados, ramos de árvores contra a luz do dia. (fim da descrição) Foto: Renata Ibis

Ela conheceu terras distantes voando em sua pipa e agora chega a Porto Alegre para contar para todo mundo tudo o que descobriu em suas aventuras mundo afora. É a peça Filó de Bolso, versão pocket do espetáculo infantil A Menina do Cabelo Vermelho, da Las Brujas Cia de Teatro e feitiços, que estreou com audiodescrição aberta no ano passado, durante a II IncludIt – Conferência Internacional para a Inclusão, em Leiria, Portugal, e será apresentada pela primeira vez em formato acessível a pessoas com deficiência visual e surdas na Capital gaúcha. A atração, dia 26 de fevereiro, quinta-feira, às 18h, no Grande Hall do Santander Cultural, tem entrada franca.
A audiodescrição é da OVNI Acessibilidade Universal, com narração de Mimi Aragón. Simone Dornelles fará a mediação em Libras. A audiodescritora Lívia Motta, da Ver Com Palavras, estará na plateia conferindo a acessibilidade do espetáculo. Mais cedo, participa da oficina sobre audiodescrição no teatro ministrada pela OVNI no Santander Cultural. A atividade ocorre entre 24 e 27 de fevereiro e também contará com a presença da atriz e produtora Lolita Goldschmidt, que atua na peça Filó de Bolso ao lado de Diana Manenti. As vagas para a oficina estão esgotadas.

Espetáculo Filó de Bolso – A Menina do Cabelo Vermelho, com audiodescrição aberta e mediação em Libras.
Duração: 35 minutos.
Local: Santander Cultural – Grande Hall (Rua Sete de Setembro, 1028 – Praça da Alfândega – Porto Alegre/RS).
Quando: 26 de fevereiro.
Horário: 18h.
Vagas: por ordem de chegada, sujeito à lotação.
Faixa etária: livre.

Fevereiro vem aí com oficina de audiodescrição e espetáculo de teatro com AD aberta no Santander Cultural, em Porto Alegre/RS

A audiodescritora Lívia Motta, da Ver Com Palavras, estará na Capital gaúcha para acompanhar as atividades, que têm entrada franca

Uma oficina de sensibilização e introdução à audiodescrição e uma apresentação com AD aberta do espetáculo teatral Filó de Bolso, versão pocket de A Menina do Cabelo Vermelho, da Las Brujas Cia de Teatro e feitiços, no Santander Cultural, em Porto Alegre/RS, movimentam a OVNI Acessibilidade Universal em fevereiro. A programação contará com a presença da audiodescritora Lívia Motta, em um intercâmbio cultural entre a OVNI, a Las Brujas e a Ver Com Palavras, empresa de Lívia em São Paulo/SP com reconhecida atuação nacional na área da acessibilidade cultural. A oficina ocorre de 24 a 27 de fevereiro, das 14h às 16h30, e a sessão de teatro acessível é dia 26, às 18h. Todas atividades são gratuitas.

Oficina de audiodescrição
Objetivo: Sensibilizar o público sobre a importância de tornar espetáculos teatrais acessíveis a todo tipo de espectador e fazer a arte chegar ao maior número possível de pessoas.
Ministrantes: Mimi Aragón e Kemi Oshiro, audiodescritoras da OVNI Acessibilidade Universal, e Lolita Goldschmidt, atriz e produtora da Las Brujas Cia de Teatro e feitiços.
Local: Santander Cultural – Sala Multiuso.
Quando: de 24 a 27 de fevereiro, de terça a sexta-feira.
Horário: das 14h às 16h30.
Público-alvo: educadores e demais interessados.
Inscrições: diretamente com o Santander Cultural pelo e-mail ecult03@santander.com.br

Espetáculo Filó de Bolso – A Menina do Cabelo Vermelho, com audiodescrição aberta
Sinopse: Com linguagem dinâmica e duração de 35 minutos, o espetáculo conta as aventuras de Filó, uma menina de longos cabelos vermelhos que sonha em conhecer o mundo.
Local: Santander Cultural – Grande Hall.
Quando: 26 de fevereiro.
Horário: 18h.
Vagas: por ordem de chegada, sujeito à lotação.
Faixa etária: livre.

Santander Cultural
Rua Sete de Setembro, 1028 (Praça da Alfândega)
Centro Histórico | Porto Alegre/RS |Brasil
Telefone: 51 3287 5500
E-mail: scultura@santander.com.br
Site: www.santandercultural.com.br