Libras

Shows do PoaJazzFestival terão audiodescrição da OVNI

Os nove shows no BarraShoppingSul com atrações nacionais e internacionais contarão com audiodescrição simultânea. Ações de formação de plateia no StudioClio e em escolas de Porto Alegre/RS também terão tradução e interpretação em LIBRAS.

(texto) Ministério da Cultura e BarraShoppingSul 10 anos apresentam:
PoaJazzFestival 4ª edição.
9, 10 e 11 de novembro. Centro de Eventos BarraShoppingSul.
O jazz nosso de cada dia.
Ingressos: www.blueticket.com.br
Facebook: portoalegrejazzfestival
www.poajazz.com.br
Lei de Incentivo à Cultura.
Patrocínio master: BarraShoppingSul 10 anos.
Patrocínio: Agibank e Dufrio.
Planejamento cultural: MS Produções.
Apoio cultural: StudioClio, IA UFRGS Instituto de Artes e Veterana Cerveja Artesanal.
Realização: Branco Produções, FlyAudio, Experimentais CriaCultura, Ministério da Cultura Governo Federal.
(descrição da imagem) O cartaz vertical tem fundo cinza que lembra a textura de um muro de cimento cru e é ilustrado, ao centro, pelo desenho aquarelado e em tons de azul de um saxofonista alado. Retratado dos joelhos para cima e de perfil, voltado para a esquerda, ele sopra a boquilha do instrumento em forma de jota, que sustenta com ambas as mãos. O nome do evento, em letras brancas maiúsculas, está à direita, sobre as asas do saxofonista. As demais informações, em letras pretas maiúsculas e minúsculas, estão distribuídas em quatro blocos ao redor da ilustração. No rodapé do cartaz, os logotipos em tons de cinza, preto e branco da Lei de Incentivo, dos patrocinadores, planejamento cultural, apoiadores e realizadores. No canto superior direito, em letras brancas maiúsculas, a assinatura Samba. (fim da descrição)

Em sua 4ª edição, o PoaJazzFestival terá audiodescrição simultânea em todos os shows, ao longo de três noites, e tradução e interpretação em LIBRAS na programação de debates e palestras. A produção de acessibilidade é da OVNI Acessibilidade Universal, com equipamento fornecido pela própria organização do Festival.

Os shows, nos dias 9, 10 e 11 de novembro, a partir das 20h (chegue às 19h para retirar seu ingresso, o equipamento e escutar a abertura da audiodescrição), ocorrem no Centro de Eventos do BarraShoppingSul (Av. Diário de Notícias, 300 – Cristal). Um número limitadíssimo de equipamentos e cortesias está à disposição do público usuário da audiodescrição. As reservas devem ser feitas exclusivamente pelo email ovniacessibilidade@gmail.com ou fone/Whatsapp 51 98451 2115. Esgotadas as cortesias, válidas para usuários da audiodescrição e um acompanhante cada, os ingressos para cada noite, a R$ 90, com 50% de desconto para pessoas com deficiência, estudantes ou pessoas com mais de 60 anos podem ser adquiridos pelo site Blueticket, com taxa de serviço, ou sem taxa nas lojas Multisom do Centro e dos shoppings Praia de Belas, Bourbon Ipiranga, Barra e Iguatemi. No dia de cada show, haverá bilheteria no local.

Os debates estão marcados para os dias 11, 14 e 20 de novembro, no StudioClio (R. José do Patrocínio, 698 – Cidade Baixa) e as palestras têm data e locais ainda a definir.

Sobre os shows:
Sexta-feira, dia 9 de novembro.
Marmota Jazz e Pedro Verissimo (Porto Alegre).

A Marmota foi fundada em 2011. Além de dois álbuns autorais, realizou shows em Porto Alegre, diferentes Estados do Brasil e países da Europa. Seu primeiro disco, Prospecto, foi lançado em 2015 e recebeu cinco indicações ao Prêmio Açorianos. A Margem, seu mais recente álbum, foi lançado em 2017 e traz sete composições autorais. Em 2018 o álbum é finalista do Prêmio Profissionais da Música, na categoria Artista Instrumental, ao lado de nomes como Yamandu Costa, Gabriel Grossi e Quarteto Radamés Gnatalli. A Marmota é formada pelos músicos André Mendonça (baixo acústico), Bruno Braga (bateria), Leonardo Bittencourt (piano) e Pedro Moser (guitarra).

Bourbon Sweethearts (Argentina).
O trio feminino de formação acústica traz um repertório de temas clássicos e composições próprias que fazem referência a gêneros musicais populares da primeira metade do século 20, como swing, calipso, blues e jazz. A Bourbon Sweethears se destaca por suas harmonias vocais e sua orquestração particular, tendo como principais influências The Andrews Sisters, Billie Holiday, The Mills Brothers e Josephine Baker. As meninas iniciaram sua trajetória em 2015 e já se apresentaram em lugares míticos da cena portenha, como Konex, Usina del Arte, Bebop Club, Thelonious Jazz Club, Notorious, Café Vinilo, Teatro Margarita Xirgu, Santos 4040, CC Matienzo, entre outros. Também participaram de diversos eventos no interior do país, como Salón Magallanes do Hotel Arakur de Ushuaia e diversos festivais como Festival Internacional de Jazz de Buenos Aires, Oh la la Fest, Festival de Jazz y Blues de Junín, Open Folk, Festival Macerar de Mar del Plata y de eventos como Sofar Sound Buenos Aires. O grupo é formado por Mel Muñiz (Voz, Violão Tenor e Ukelele), Cecilia Bosso (Voz e Contrabaixo) e Agustina Ferro (Voz e trombone).

Rudresh Mahanthappa (India).
Aclamado pela Pitchfork como “um dos melhores saxofonistas da atualidade”, o músico, compositor e educador Rudresh Mahanthappa é amplamente conhecido como uma das principais expressões do jazz do século 21. Ele tem mais de uma dúzia de álbuns gravados, incluindo o aclamado Bird Calls, que liderou as listas de melhores críticas no ano de 2015 e foi saudado pela PopMatters como “complexo, ritmicamente vital, livre de espírito e ainda em equilíbrio com estruturas mutantes”. Rudresh foi considerado por vários anos consecutivos o melhor saxofonista pela Revista Downbeat, da International Critics, pela Associação de Jornalistas de Jazz, pela revista Critics’Poll 2016, do JazzTimes Magazine, e pelo Village. Ele também recebeu o Guggenheim Fellowship e o Doris Duke Performing Artist Award, entre outros prêmios.

Sábado, dia 10 de novembro.
Vitor Arantes Quarteto (São Paulo).

Formado em 2014, o Vitor Arantes Quarteto tem trabalhado em um repertorio autoral inspirado em Hermeto Pascoal e Avishai Cohen, Tom Jobim e Tigran Hamasyan, Trio Corrente e Ari Hoenig. Formado por integrantes da Orquestra Jovem Tom Jobim, o grupo se encontra sob a tutela dos maestros Nelson Ayres e Tiago Costa e já acompanhou nomes como Cassio Ferreira, Leila Pinheiro, Alexandre Ribeiro, Ivan Lins, Sidmar Vieira, Josue dos Santos, Jorginho Neto e Leitieres Leite.

Mariano Loiácono Quinteto (Argentina).
Mariano começou seus estudos de piano aos oito anos. Aos doze, inicia-se no trompete na Escuela de Música Silvio Agostini, de Cruz Alta, em Córdoba, na Argentina. Dois anos depois, viaja a Rosário e depois a Buenos Aires para seguir estudando com Fernando Ciancio, solista da Orquestra Filarmônica do Teatro Colón. De volta a Rosário, ingressa como primeiro trompete da Orquestra Sinfônica Juvenil da Universidade Nacional de Rosário. Também integra a Orquestra de la Ópera de Rosario, executando obras como “La Bohème”, “Nabuco”, “Aída” e “O Barbeiro de Sevilla”, entre outras. Em 2004, começa a estudar harmonia e improvisação com o trompetista de jazz Juan Cruz de Urquiza e na EMC (Escola de Música Contemporânea, Berklee International Network). Segue estudando também com George Garzone, Jeremy Pelt, Scott Wendholt, tm Haggan, Eddie Henderson, Jim McNelly e Alex Sipiagin. Dividiu concertos e festivais com Jeff “Tain” Watts, Rufus Reid, Cyrus Chestnuts, Antonio Hart, Ugonna Okegwo, Adam Cruz, Dave Holland, Dave Douglas, Billy Cobham e Donnald Harrison.

Edu Ribeiro Quinteto (São Paulo).
O baterista virtuose, um dos mais conceituados da atualidade, toca no Trio Corrente e vem lançar seu novo disco em Porto Alegre.

Domingo, dia 11 de novembro.
Instrumental Picumã (Rio Grande do Sul).

Cinco músicos do Rio Grande do Sul reúnem-se em uma proposta instrumental para compartilhar ideias e experiências musicais adquiridas acompanhando e produzindo cantores e grupos musicais em espetáculos, gravações e festivais nativistas. O Instrumental Picumã retrata a música regional gaúcha com influências e fusões de outras culturas vizinhas ao Estado. A ideia é valorizar a sonoridade típica da música regional gaúcha por meio do acordeom de Paulinho Goulart e do violão de Matheus Alves, agregando choro e bossa nova com a flauta de Texo Cabral, ritmos latinos, como candombe, salsa e chacarera com o contrabaixo do uruguaio Miguel Tejera e a sonoridade afro-brasileira com a percussão de Bruno Coelho. No repertório, composições próprias e parcerias com nomes como Leandro Rodrigues e Zelito e releituras de compositores que os influenciam, como Tom Jobim, Hermeto Pascoal, Astor Piazzolla, Lito Vitale e Chick Corea.

Maurício Einhorm, Nelson Faria e Guto Wirtti (Rio de Janeiro).
Maurício Einhorn, unanimidade como gaitista brasileiro, com 85 anos de idade e 80 de gaita, é um dos melhores do mundo, tendo tocado com Sarah Vaughan, Nina Simone e Herbie Mann, entre outros. Com presença marcante no movimento Bossa Nova, compôs “Batida Diferente”, além de “Tristeza de nós dois”, “Estamos ai” e “Alvorada”. Nascido em 23 de março de 1963, em Belo Horizonte,MG, Nelson Faria é um dos mais expressivos músicos brasileiros, contabilizando em seu currículo a edição de oito livros didáticos, sendo dois nos EUA, Japão e Itália, catorze CDs, um DVD, uma videoaula, um App, além da participação, como músico e arranjador, em mais de 200 CDs de diferentes artistas nacionais e internacionais. Também assina o modelo de guitarra Condor Nelson Faria Signature.

Gilson Peranzzetta Trio (Rio de Janeiro).
Gilson Peranzzetta faz uma releitura de standards da MPB e do jazz com nova concepção harmônica, usando a clássica formação de trio – piano, baixo acústico e bateria. Cinco vezes vencedor do Prêmio da Música Brasileira, Peranzzetta assina a direção musical e arranjos de espetáculos. Nos últimos 25 anos, o Trio é citado como um dos mais criativos e inovadores da atualidade. Dois músicos completam o grupo: Zeca Assumpção, no contrabaixo acústico, e João Cortez, na bateria. As apresentações de Gilson Peranzzetta Trio possuem uma conotação de liberdade interpretativa, com espaços para improvisos e troca entre seus integrantes.

Sobre a acessibilidade:
Produção:
OVNI Acessibilidade Universal.
Audiodescrição: Mimi Aragón.
Consultoria: Rafael Braz.
Tradução e interpretação em LIBRAS nos debates e palestras para formação de plateia: Celina Xavier Neta.

Shows do PoaJazzFestival com audiodescrição simultânea.
Quando: dias 9, 10 e 11 de novembro.
Onde: Centro de Eventos do BarraShoppingSul (Av. Diário de Notícias, 300 – Cristal, Porto Alegre/RS).
Horário: das 20h às 24h, com intervalos de, no máximo, 20 minutos entre cada um dos três shows por noite. Chegue às 19h para retirar seu ingresso, o equipamento e escutar a abertura da audiodescrição.
Dia 9 de novembro, sexta-feira: Marmota Jazz e o convidado Pedro Verissimo (Brasil); Bourbon Sweethearts (Argentina) e Rudresh Mahanthappa (India).
Dia 10 de novembro, sábado: Vitor Arantes Quarteto (Brasil); Mariano Loiácono Quinteto (Argentina) e Edu Ribeiro Quinteto (Brasil).
Dia 11 de novembro, domingo: Instrumental Picumã (Brasil); Mauricio Einhorn, Nelson Faria e Guto Wirtti (Brasil) e Gilson Peranzzetta Trio (Brasil).
Reserva de cortesias e equipamento: email ovniacessibilidade@gmail.com ou fone/Whatsapp 51 98451 2115.
Ingressos por noite: R$ 90, com 50% de desconto para pessoas com deficiência, estudantes ou pessoas com mais de 60 anos.
Passaporte para as três noites: R$ 210, com 50% de desconto para pessoas com deficiência, estudantes ou pessoas com mais de 60 anos.
Compra antecipada: Blueticket (com taxa de serviço) ou lojas Multisom do Centro e dos shoppings Praia de Belas, Bourbon Ipiranga, Barra e Iguatemi (sem taxa).
Compra na hora: bilheteria no local.
Comodidades: gastronomia e kombis da Cerveja Veterana.

Opções de transporte coletivo com parada próxima ao BarraShoppingSul:
Ônibus
T3
– TRANSVERSAL 3
T4 – TRANSVERSAL 4
1102 – RESTINGA NOVA VIA TRISTEZA/BARRA SHOPPING
111 – RESTINGA VELHA (TRISTEZA)
1111 – RESTINGA VELHA(TRISTEZA) / SHOPPING
1112 – HÍPICA / TRISTEZA
149 – ICARAÍ
165 – COHAB
168 – BELÉM NOVO(VIA TRISTEZA)
170 – JARDIM DAS PALMEIRAS / CEL MASSOT
171 – PONTA GROSSA
173 – CAMAQUÃ
179 – SERRARIA
184 – JUCA BATISTA
186 – LIBERAL
187 – PADRE REUS
188 – ASSUNÇÃO
264 – PRADO
286 – BELÉM VELHO/CRISTAL / UFRGS
R1 – RÁPIDA / JARDIM VILA NOVA
R3 – RÁPIDA / NÚCLEO ESPERANÇA
R5 – RÁPIDA PONTA GROSSA
R81 – RÁPIDA CAMPO NOVO
R84 – RÁPIDA JUCA BATISTA

Lotação:
10.1
– TRISTEZA / ASSUNÇÃO
10.3 – CRISTAL / OTTO NIEMEYER
10.4 – IPANEMA
10.5 – GUARUJÁ
20.4 – JARDIM VILA NOVA

Anúncios

Dois espetáculos da Mostra Pirlimpimpim de Teatro terão audiodescrição da OVNI Acessibilidade Universal

O Theatro São Pedro, em Porto Alegre/RS, recebe apresentações de Flamenco Imaginário e A Menina do Cabelo Vermelho nos dias 9 e 11 de outubro. Os ingressos a preços populares já estão à venda.


Ministério da Cultura e Pompeia apresentam:
Mostra Pirlimpimpim de Teatro.
De 9 a 14/10/2018, no Theatro São Pedro, em Porto Alegre/RS.
Lei de Incentivo à Cultura.
Patrocínio: Pompéia – É fácil ser fashion.
Agente cultural: Associação Amigos do Theatro São Pedro.
Apoio cultural: Gráfica Relâmpago e Secretaria da Educação – Governo do Estado do Rio Grande do Sul.
Realização: Theatro São Pedro – Porto Alegre/RS, Secretaria da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer – Governo do Estado do Rio Grande do Sul, Ministério da Cultura – Governo Federal.
(descrição da imagem) O card colorido e horizontal tem fundo estampado com uma composição gráfica de estrelas, círculos e elipses em tons de rosa, azul, roxo, verde e laranja e é ilustrado com seis fotos circulares organizadas em duas linhas e três colunas, cada uma retratando uma cena dos espetáculos em cartaz na Mostra e contornada por uma das cores que compõem o fundo. Da esquerda para a direita, na linha de cima, Flamenco Imaginário; Nina, o Monstro e o Coração Perdido e A Menina do Cabelo Vermelho; na linha de baixo, João e Maria; Chapeuzinho Vermelho e O Maravilhoso Mágico de Oz. As informações sobre a Mostra, em letras bordôs, e os logotipos coloridos da Lei de Incentivo, do patrocinador, agente cultural, apoiadores e realizadores estão em dois círculos com fundo branco posicionados à esquerda, no início de cada linha de fotos. (fim da descrição)

Dois espetáculos de dança e teatro com audiodescrição produzida pela OVNI voltam a cartaz em Porto Alegre/RS, integrando a Mostra Pirlimpimpim de Teatro, no Theatro São Pedro. Flamenco Imaginário, da Cia Del Puerto, será apresentado na estreia da programação, dia 9, terça-feira, às 15h, com audiodescrição fechada, captada por rádios individuais com fones. No dia 11, quinta-feira, na mesma hora, é a vez de A Menina do Cabelo Vermelho, da Las Brujas Cia de Teatro e Artes Integradas, que terá audiodescrição aberta, acompanhada por todo o público da sessão.
Os dois espetáculos, assim como os outros quatro que participam da Mostra, também terão sessões matinais com tradução e interpretação em LIBRAS, sempre às 10h. Os ingressos a preços populares e com desconto já podem ser adquiridos na bilheteria do Theatro São Pedro ou pelo site vendas.teatrosaopedro.com.br. Mais informações pelos fones 51 3227.5300 e 51 3227.5100.

Sobre Flamenco Imaginário
Flamenco Imaginário é a primeira montagem para crianças da Cia Del Puerto e foi livremente inspirada no clássico “O corcunda de Notre-Dame”, de Victor Hugo. Em uma grande festa do pijama, o elenco traz à cena uma narrativa encantadora, que motiva a imaginação e os sentidos da plateia. Com trilha sonora e coreografia originais, Flamenco Imaginário foi indicado aos prêmios Tibicuera de Teatro Infanto-Juvenil e Açorianos de Dança, em 2016, e premiado nas categorias Produção, Figurino e Iluminação.
A partir das histórias de infância de cada bailarina, a proposta é expressar por meio da cultura flamenca e do sapateado americano vivências sobre bulling, preconceito e diferenças. A narrativa não é linear, mas uma sequência de cenas que instiga os adultos a olharem para sua criança interior e convida os pequenos a experimentarem ser diferentes. E, como nas brincadeiras infantis, uma situação se liga à outra e se modifica conforme a vontade.
Os figurinos inspirados na cultura flamenca propõem novas cores e texturas que atraem a criançada e transformam cada bailarina em um figura única: a flamenquita, a princesa e a cordobesa. O cenário combina referências aos vitrais da Catedral de Notre-Dame e a um quarto infantil em um dia de festa do pijama, com balões coloridos, baús, abajures e flores. A trilha sonora traz ritmos flamencos temperados com as músicas latino-americana e galega, além de sons de desenhos animados e uma referência à doce melodia de “Só você não vê”, dos gaúchos Nico Nicolaiewski e Fernando Pezão. Por fim, a luz que dá clima e tons às histórias também “dança” conforme a trilha sonora original e a coreografia com referência no baile flamenco.


(descrição da imagem) Na foto colorida e vertical, em fundo branco, a bailarina do Flamenco Imaginário, Grazi Silveira, segura um bauzinho aberto e vazio, forrado de azul claro com bolinhas pretas. Ela está à direita, em pé e de frente, nos encarando com expressão de surpresa, de olhos arregalados e boca escancarada. Grazi é bem branquinha e magrela, com cabelos pretos, compridos e encaracolados e olhos castanhos. Usa sombra azul, blush e batom cor-de-rosa. Seus cabelos estão enfeitados com uma tiarinha de crochê azul que lembra uma peineta, um enfeite típico das bailaoras flamencas. Ela usa blusinha rosa com babados e franjas azuis nas mangas roxas, curtas e bufantes; bermuda de cintura bem alta, cinza com bolinhas azuis, roxas, rosas e brancas, por cima de uma malha branca com bolinhas pretas; e sapatos de flamenco, de amarrar, com saltinho e forrados de pelúcia roxa bem felpuda. No chão, à esquerda, um caixote de feira e uma mala grande também forrados de azul claro com bolinhas pretas. Sobre a mala, uma xícara branca de cafezinho sobre um pires cor de laranja. (fim da descrição) Foto: Carlos Sillero.

Ficha técnica
Elenco: Daniele Zill, Graziela Silveira e Juliana Meirelles.
Coreografia: Juliana Prestes.
Direção: Denis Gosch.
Trilha sonora original: Giovani Capeletti.
Operação de som: José Derly.
Criação de luz: Leandro Gass.
Operação de luz: Daniel Fetter.
Produção: Ari Lopes.
Produção de audiodescrição: OVNI Acessibilidade Universal
Roteiro e narração: Mimi Aragón.
Consultoria: Rafael Braz.
Equipamento: Grupo Evento.

Sobre A Menina do Cabelo Vermelho
Buscando transmitir às crianças valores como curiosidade e respeito às diferenças de características físicas, culturais, sociais e raciais entre as pessoas, A Menina do Cabelo Vermelho está centrada em Filó, uma menina de cabelos vermelhos que gosta de imaginar muitas histórias. Por ser diferente e sem amigos, ela se sente sozinha em um universo sem cor. Levitando na imaginação, seu mundo gira em torno de objetos da casa, com os quais ela fala “pelos cotovelos” em seus devaneios. Até que um dia, brincando com sua pipa, Filó engata nos pensamentos, o vento sopra forte e ela voa mundo afora, passando por vários países, onde se depara com pessoas, roupas e hábitos distintos. Na trajetória, vivencia situações de medo, coragem, amizade, amor e, principalmente, graça e humor. Descobre no trabalho em conjunto, no respeito às diferenças e no companheirismo, a superação de suas dificuldades e a alegria de viver. Quando retorna para casa, passa a conquistar amigos no lugar onde mora e vira referência entre as crianças, a quem encanta com suas histórias cheias de diversidades sócio-culturais. Para abordar a temática da discriminação e do preconceito, a peça respeita a inteligência dos pequenos e une diferentes linguagens, entre elas teatro de atores, vídeo, teatro de objetos e sombras.


(descrição da imagem) A foto colorida e horizontal retrata os atores Denis Gosch e Lolita Goldschmidt sob uma iluminação em tons de amarelo e vermelho, caracterizados como personagens, em uma cena de A Menina do Cabelo Vermelho. Os dois aparecem de frente, lado a lado, da cintura para cima, um pouquinho curvados pra frente, com expressão apavorada, de testa franzida, olhos arregalados e boca escancarada, e braços abertos na altura da cintura, as mãos espalmadas. À esquerda, Denis usa boina vermelha, suéter amarelo com estampa xadrez e bermuda vermelha. À direita, Lolita usa peruca de fios vermelhos e longos, laçarote branco em volta da cabeça e vestido branco de mangas curtas e bufantes, enfeitado com espirais escuras. O fundo da foto é escuro. (fim da descrição) Foto: Juliano Ambrosini.

Ficha técnica
Direção: Daniel Colin.
Elenco: Denis Gosch, Diana Manenti, Lauro Fagundes e Lolita Goldschmidt.
Luz: Leandro Gass.
Trilha: Moyses Lopes.
Operação de trilha: Damon Meyer.
Figurinos: Cláudio Benevenga.
Acessórios: Margarida Rache.
Cenário: o grupo.
Produção: Las Brujas.
Produção de audiodescrição: OVNI Acessibilidade Universal.
Roteiro: Kemi Oshiro, Lolita Goldschmidt e Mimi Aragón.
Consultoria: Mariana Baierle.
Narração: Kemi Oshiro.


(descrição da imagem) O card colorido e quadrado tem fundo estampado com uma composição gráfica de estrelas e elipses em tons de rosa, azul, roxo, verde e laranja e traz, ao centro, um grande círculo branco que contém as informações sobre a Mostra, em bordô. O nome do evento está enfeitado com uma composição de estrelinhas e pontinhos. (fim da descrição)

Sobre a Mostra Pirlimpimpim de Teatro
A Mostra Pirlimpimpim de Teatro será de 9 a 14 de outubro, terça a domingo, no Theatro São Pedro. Estão programados seis espetáculos: Flamenco Imaginário; Nina, o Monstro e o Coração Perdido; A Menina do Cabelo Vermelho; João e Maria; Chapeuzinho Vermelho e O Maravilhoso Mágico de Oz. Cada um terá duas sessões diárias, às 10h e às 15h, com ingressos a preços populares, descontos especiais e gratuidade para alunos e professores da rede pública por meio de agendamento. Todos contarão com tradução e interpretação em LIBRAS.
Os ingressos para todas as sessões estão à venda na bilheteria do Theatro São Pedro ou pelo site vendas.teatrosaopedro.com.br com os seguintes valores:
R$ 40 (plateia e cadeira extra).
R$ 30 (camarote central).
R$ 20 (camarote lateral).
R$ 10 (galerias).
Os descontos de 50% valem para quem doar um brinquedo novo, associados da Associação Amigos do Theatro São Pedro (ingressos limitados), idosos (mediante comprovante, conforme Lei Federal 10.741/2003 – Estatuto do Idoso), estudantes, pessoas com deficiência, jovens de baixa renda (nos termos da Lei Federal 12.933), doadores de sangue (mediante apresentação da carteira de doador emitida pelo Hemocentro ou Bancos de Sangue do Estado do RS, nos termos da Lei Estadual 13.891), servidores estaduais e municipais, classe artística e professores de escolas públicas. Mais informações pelos fones 51 3227.5300 e 51 3227.5100.

Opções de transporte coletivo com parada próxima ao Theatro São Pedro:
Ônibus

C1 – Circular Centro
C3 – Circular Urca

Lotação
05.1
– Rio Branco

Teve acessibilidade cultural no Projeto Simultaneidade

O final de semana foi de acessibilidade cultural na terceira edição do Projeto Simultaneidade, no Vila Flores, que propôs o tema TransVerCidade, trazendo uma abordagem artística transversal e empática para ultrapassar as limitações do simples olhar e construir a cidade e as relações que desejamos. A OVNI Acessibilidade Universal participou de duas atividades na programação supervariada: no sábado, 16, exibimos filmes em curta-metragem e episódios de séries de televisão para os quais produzimos audiodescrição, legendas para surdos e ensurdecidos e janela de LIBRAS ao longo deste ano; no domingo, 17, foi a vez de usarmos a audiodescrição para mediar a oficina de cerâmica sensorial ministrada pela artista Miriam Gomes, nossa vizinha de sala no Vila Flores. As fotos abaixo registram os dois momentos dessa programação. Confira:


(descrição da imagem) Na foto colorida e quadrada, tirada em um dia ensolarado na sala da OVNI Acessibilidade Universal, no Vila Flores, na direita, em primeiro plano, em uma TV sobre uma bancada amarela, a cena de um video colorido com legendas, em que um homem de cabelos escuros e curtos em um pátio com folhagens diz: “com as diferenças que o público naturalmente tem”. Na esquerda, em um cartaz na parede preta feito lousa, a frase “Experimente descrever estes postais #paratodosverem” acima de dois cartões-postais. Ao fundo, a luz do dia entra pela janela aberta. (fim da descrição) Foto: Mimi Aragón.


(descrição da imagem) Na foto colorida e horizontal, tirada no Atelier de Cerâmica do Vila Flores, a artista Miriam Gomes orienta a oficina de cerâmica sensorial com três participantes vendadas. Miriam, de meia idade e cabelos curtos e avermelhados, usa camiseta regata vermelha, um longo avental creme respingado de tinta, sandálias e está na esquerda, em pé, de perfil, voltada para a direita, atenta à atividade de três mulheres sentadas em volta de uma mesa com potes de argila e moldes metálicos. Cada participante tem as mãos sobre uma placa de argila, parecendo moldá-la. Ao fundo, junto à parede de azulejos brancos, um aparador e uma prateleira repletos de copos, vasos, tigelas, moringas e pratos de cerâmica. Entre o aparador e a mesa, no chão de lajotas vermelhas, um torno elétrico para cerâmica e, bem na direita, em um cômodo ao lado, um forno de cerâmica com painel digital. (fim da descrição) Foto: Kemi Oshiro.

ovni_simultaneidade_ceramica sensorial2
(descrição da imagem) A foto colorida e vertical retrata uma das participantes da oficina de cerâmica sensorial com a venda no alto da testa, olhando para baixo, sorrindo admirada para as três peças que produziu: um incensário, um prato e um vaso. Sentada à mesa de trabalho, ela tem os braços abertos e as palmas das mãos lambuzadas de argila voltadas para cima, expressando surpresa. Ela é negra, tem os cabelos pretos, curtos, crespos e volumosos, o peito tatuado e usa camiseta regata branca, colete jeans e calças pretas. Atrás dela, junto à parede de azulejos brancos, o torno elétrico e o aparador com peças de cerâmica. (fim da descrição) Foto: Miriam Gomes.
 

OVNI pousa no Vila Flores, em Porto Alegre/RS

(descrição da imagem) Na foto colorida e horizontal, uma vista do pátio interno do complexo arquitetônico do Vila Flores em um dia claro. Dois prédios de alvenaria com três andares cada estão dispostos em forma de L, o mais visível da esquerda para o centro da foto e o outro ao fundo, na direita. O aspecto de ambos é rústico e alegre, com tijolos aparentes, alvenaria envelhecida, janelas envidraçadas basculantes ou de madeira, sacadas em tons vibrantes, algumas delas exibindo desenhos coloridos a tinta spray, conhecidos como grafites, e, em cada telhado, três pequenos sótãos de madeira, chamados de águas-furtadas. O pátio é de paralelepípedos e ao longo dele estão distribuídos grandes carretéis virados feito mesas, bancos de madeira e concreto, tonéis coloridos de metal, lixeiras para coleta seletiva e canteiros com folhagens. (fim da descrição) Foto: Juliana Prestes.

Nossa nave acaba de chegar ao Vila Flores, um dos polos de economia criativa mais revolucionários de Porto Alegre/RS, misturando cultura, educação, inovação social, empreendedorismo e gestão colaborativa. A OVNI Acessibilidade Universal agora compartilha um dos espaços do Vila com as artistas visuais Márcia Braga e Miriam Gomes. O endereço é Rua São Carlos, 753/53 – Bairro Floresta. Nossos canais de contato seguem os mesmos: Fones 51 98451 2115 (Mimi Aragón) e 51 99208 1176 (Kemi Oshiro), E-mail ovniacessibilidade@gmail.com, Facebook, Blog e Youtube.

(descrição da imagem) Na foto horizontal, parte em preto e branco, parte colorida, as duas sócias da OVNI Acessibilidade Universal, Kemi Oshiro e Mimi Aragón, fazem graça junto a uma parede escura com o desenho a giz em amarelo e azul, no centro da imagem, de um disco voador perto de um planeta chamado Vila Flores, onde duas criaturas extraterrestres cravam uma bandeirola com o nome OVNI. Kemi, na esquerda, e Mimi, na direita, aparecem da cintura para cima, de perfil, tocando uma no dedo indicador da outra, com expressão de espanto: olhos arregalados e boca aberta. Retratadas em preto e branco, somente suas mãos estão coloridas. Kemi é magra, tem a pele bronzeada, cabelos pretos, longos e lisos, e usa suéter claro de mangas longas. Mimi é gordinha, tem a pele muito branca, cabelos prateados, curtos e meio despenteados, e usa moletom escuro. (fim da descrição) Foto: Juliana Prestes.

Não é de hoje que sonhávamos em instalar a OVNI no Vila Flores, local que conhecemos em 2014 e onde já havíamos produzido acessibilidade para eventos como as exposições de artes visuais Este Corpo Já Foi Meu (Márcia Braga), A Escuridão Que Me Clareia (Carol W) e Hertz – do lugar que estamos (Peter Gossweiler), além do espetáculo de teatro Brasil Pequeno itinerante (Genifer Gerhardt). O namoro foi longo, mas o casamento finalmente saiu!

Levar uma empresa especializada em produzir Audiodescrição (AD), Legendas para Surdos e Ensurdecidos (LSEs) e Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) a um espaço vanguardista feito o Vila Flores indica que muitos agentes de transformação cultural e social já entendem a acessibilidade como requisito indispensável a todo e qualquer projeto voltado à garantia e ao avanço de direitos.

(descrição da imagem) Na foto colorida e vertical, Mimi, na esquerda, e Kemi, na direita, estão na sala da OVNI, apoiadas no parapeito de uma janela de madeira envelhecida, vistas de fora para dentro, sorrindo para nós. Ao fundo, a parede de quadro-negro com desenho a giz amarelo em um dos cantos tem o formato de nuvem na borda superior. (fim da descrição) Foto: Juliana Prestes.

Faz contato, vem tomar um cafezinho e aproveita para conhecer a nova base da OVNI Acessibilidade Universal. Daqui, os ideais de respeito às diferenças e inclusão plena parecem muito mais acessíveis.

​OVNI Acessibilidade Universal
Informação e cultura para todo mundo.
Vila Flores – Rua São Carlos, 753/53 – Bairro Floresta
Porto Alegre/RS – CEP 90220-121
51 98451 2115 | 51 99208 1176
ovniacessibilidade@gmail.com
​Blog
Facebook
Youtube

A Menina do Cabelo Vermelho circula pelo RS e PR com audiodescrição da OVNI e tradução para LIBRAS

outdoor_a_menina_do_cebelo_vermelho_210616_1557_RGB
Ministério da Cultura e Petrobras apresentam:
A Menina do Cabelo Vermelho, um espetáculo da Las Brujas cia de teatro & artes integradas.
Viamão/RS: 7 de julho, 10h e 15h, Colégio Stella Maris (Rua Coronel Mário Antunes da Veiga, 453, Centro).
São José dos Pinhais/PR: 21 de setembro, 10h e 15h, Teatro do SESI (Rua XV de Novembro, 1800, Centro).
Santo Antônio da Patrulha/RS: 27 de setembro, 10h e 15h, Qorpo Santo Centro de Convenções (Rua Bolívia, 75 – 151).
Entrada gratuita.
Todas as apresentações terão audiodescrição aberta e tradução em LIBRAS.
Apoios:
Lei de Incentivo à Cultura.
OVNI Acessibilidade Universal – Informação e cultura para todo mundo.
Poneshi Centro de Yoga e Meditação – Continuação do Cosmelli Yoga Center.
CSM.
Fecomércio RS.
Sesc.
SESI.
Projeto:
Las Brujas cia de teatro & artes integradas.
Diana Manenti produção e arte.
Patrocínio:
BR Petrobras.
Realização:
Ministério da Cultura.
Brasil Governo Federal.
(descrição da imagem) O e-flyer colorido e horizontal, com fundo que lembra um céu azul cheio de nuvens branquinhas, é ilustrado na esquerda com uma foto da personagem Filó, a Menina do Cabelo Vermelho. Ela aparece da cintura para cima, de frente, com o rosto voltado para a direita e iluminado por uma luz dourada, sorrindo de olhos fechados, com os braços abertos e erguidos acima da cabeça. Filó tem longos cabelos vermelhos de lã enfeitados por uma faixa branca com lacinho e usa vestido branco de mangas curtas, decorado com espirais de vento azuis e brancas. Parece voar, levada por uma pipa vermelha e amarela com quatro lacinhos coloridos na rabiola. Ao centro, o título da peça está em grandes letras vermelhas que imitam a escrita à mão. Na direita, as informações sobre as apresentações estão em letras azuis escuras. No rodapé, as logomarcas dos apoiadores, das responsáveis pelo projeto, dos patrocinadores e dos realizadores. (fim da descrição)

Audiodescrição.
Roteiro: Kemi Oshiro, Lolita Goldschmidt e Mimi Aragón
Consultoria: Mariana Baierle.
Narração: Kemi Oshiro.

LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais.
Tradutora e intérprete: Celina Nair Xavier Neta.

Começa hoje “Eu Não Dava Praquilo”, primeira peça de teatro com audiodescrição em Joinville/SC

eflyer
(descrição da imagem)
Ministério da Cultura e Petrobras apresentam:
Eu Não Dava Praquilo.
Com Cassio Scapin. Direção: Elias Andreato. Roteiro: Cássio Junqueira e Cassio Scapin.
17, 18 e 19 de maio de 2016, às 20h.
Dia 18 de maio, duas sessões: uma às 18h e outra às 20h.
Galpão de Teatro AJOTE (Rua XV de Novembro, 1383).
Ingressos: R$ 25.
Vendas antecipadas: http://www.enjoyevents.com.br e Capitão Space Batataria e Pizzaria (Av. Marquês de Olinda, 3340 – Glória, Joinville/SC, 89216-100. Fone: 47 3422.5544. Horário de funcionamento: de segunda a domingo, das 18h30 às 0h).
Todas as sessões com acessibilidade: intérprete de LIBRAS e audiodescrição.
Duração: 60 minutos.
Classificação indicativa: 16 anos.
Patrocínio: Lei de Incentivo à Cultura e BR Petrobras.
Realização: Ministério da Cultura e Governo Federal Brasil Pátria Educadora.

O e-flyer vertical com fundo branco é ilustrado na metade superior com uma foto em preto e branco de Cassio Scapin, dos ombros para cima e de frente, cobrindo o olho direito com a mão direita. Ele nos encara sem sorrir, com os lábios ligeiramente entreabertos. Tem a pele clara, cabelos pretos, olhos escuros e amendoados, nariz adunco e boca ampla, com o lábio inferior mais carnudo que o superior. Usa camisa clara e paletó escuro. Sobre sua bochecha esquerda, o título Eu Não Dava Praquilo está em duas linhas, em letras maiúsculas vermelhas e centralizadas dentro de um retângulo de cantos arredondados e contornado por uma linha falhada, lembrando a impressão de um carimbo. As informações sobre o espetáculo e as sessões em Joinville estão em caracteres vermelhos e pretos centralizados, e também nas laterais do e-flyer. No rodapé, as logomarcas em verde e amarelo dos patrocinadores e realizadores. (fim da descrição)

O pessoal da AJIDEVI, que nos apoia na mobilização do público na minitemporada catarinense, foi quem informou: Eu Não Dava Praquilo é a primeira peça de teatro a ser apresentada com audiodescrição em Joinville/SC.

E a estreia dessa minitemporada para lá de especial para todos nós é hoje! O público está animadíssimo e nós aqui na OVNI, muito felizes por mais esse passo na difusão da acessibilidade cultural. O espetáculo também terá tradução em LIBRAS. Teatro acessível faz bem para todo mundo!

“Eu Não Dava Praquilo” chega a Joinville/SC com audiodescrição da OVNI Acessibilidade Universal

Com Cassio Scapin, monólogo que homenageia o ofício teatral enfocando a vida da atriz, diretora e professora Myriam Muniz estará em cartaz com acessibilidade nos dias 17, 18 e 19 de maio, no Galpão de Teatro da AJOTE. O patrocínio é da Petrobras Distribuidora.
EU NÃO DAVA PRAQUILO 2 - DNG (descrição da imagem) A foto colorida e horizontal, com fundo preto, mostra Cassio Scapin em ação na peça Eu Não Dava Praquilo, sob um foco de luz branca, sentado em uma cadeira sobre um tablado circular de madeira clara, com um cigarro apagado na mão direita erguida na altura da cabeça. Magro, de pele clara e cabelos pretos penteados para trás, ele usa camiseta, calças e, nos ombros, um xale, tudo na cor preta, e está descalço. Tem a cabeça ligeiramente inclinada para trás, os olhos semicerrados e os lábios abertos, como se falasse no momento da foto. Seu cotovelo esquerdo está apoiado no braço da cadeira. No tablado, à esquerda, uma caixa grande de fósforos, e, à direita, algumas folhas de papel. (fim da descrição) Foto: João Caldas Filho.

Depois do sucesso da minitemporada em Porto Alegre/RS, em março passado, chega a Joinville/SC, nos dias 17, 18 e 19 de maio, o monólogo Eu Não Dava Praquilo, uma homenagem à atriz, diretora e professora Myriam Muniz, com Cassio Scapin e direção de Elias Andreato. Todas sessões terão audiodescrição da OVNI Acessibilidade Universal, com apoio da AJIDEVI na mobilização do público. O espetáculo, que também contará com tradução e interpretação em LIBRAS, foi contemplado pela seleção pública do Programa Petrobras Distribuidora de Cultura 2015/2016.

As apresentações ocorrem no Galpão de Teatro da AJOTE (R. XV de Novembro, 1383), sempre às 20h. No dia 18, haverá uma sessão extra às 18h. Os ingressos custam R$ 25 e já podem ser adquiridos no site Enjoy Events ou na Capitão Space Batataria e Pizzaria (Av. Marquês de Olinda, 3340 – Glória. Fone: 47 3422.5544. De segunda a domingo, das 18h30 às 0h). Há desconto de 50% para pessoas com deficiência (mediante apresentação do cartão do Benefício de Prestação Continuada), idosos e estudantes.

Sinopse
O monólogo cômico-dramático Eu Não Dava Praquilo evoca fatos pessoais e profissionais da vida de Myriam Muniz, homenageando também o ofício teatral e sua importância como agente de transformação individual e social. Para o co-autor do texto e intérprete, Cassio Scapin, seria impossível contar a história dos palcos brasileiros sem falar na artista paulistana, dona de personalidade ímpar e que tinha uma forma igualmente única de representar. O diretor Elias Andreato considera Myriam Muniz uma sacerdotisa do teatro, com ensinamentos que marcaram profunda e apaixonadamente muitos artistas.

5D III (descrição da imagem) A foto colorida e horizontal mostra Cassio Scapin em ação na peça Eu Não Dava Praquilo, sentado em uma cadeira de madeira voltada para o fundo do palco, onde há um enorme painel de tecido bordado com flores e folhas em tons de dourado, marrom e roxo. O ator, com seus cabelos pretos, lisos e curtos penteados para trás e presos no alto da testa por uma tiara escura, usa um xale preto nos ombros, calças na mesma cor e está de pernas cruzadas e descalço, nos observando por cima do ombro direito, quase sorrindo, com as sobrancelhas arqueadas, olhos bem abertos, lábios fechados e o braço direito apoiado no espaldar da cadeira, segurando um cigarro entre os dedos da mão erguida na altura do rosto. (fim da descrição) Foto: João Caldas Filho.

Cassio Scapin
Formado pela Escola de Arte Dramática da USP, Cassio Scapin é um dos grandes atores brasileiros. Participou de diversas telenovelas, filmes, minisséries e peças de teatro. Trabalha como ator profissional desde 1984 e, nos últimos anos, esteve nas peças “O Mistério de Irma Vap”, com direção de Marília Pêra, e “O Libertino”, com direção de Jô Soares. Na televisão, é muito reconhecido pela participação no Castelo Rá-Tim-Bum. Na TV Record, atuou na novela “Ribeirão do Tempo” e integra o elenco de “Escrava Mãe”, que estreia dia 16 de maio. No Multishow, esteve no ar no seriado “Trair e Coçar, é só Começar”. Recebeu os prêmios Mambembe, Governador do Estado, Associação Paulista dos Críticos de Arte – APCA e Apetesp, entre muitos outros. Por sua atuação em Eu Não Dava Praquilo, foi indicado aos Prêmios Shell, Quem e APCA, este conquistado em 2013. No currículo, reúne participações em mais de 30 projetos no teatro, 12 na televisão, além de concertos, longas e curtas-metragens.

muniz-678x1024 (descrição da imagem) A foto colorida e vertical, com fundo marrom desfocado, mostra Myriam Muniz do peito para cima, nos observando, séria, com a cabeça ligeiramente inclinada para a esquerda e uma das sobrancelhas arqueadas. É uma mulher idosa, branca, de cabelos grisalhos e longos, presos em uma trança, rosto oval, sobrancelhas escuras, olhos amendoados sob os óculos de grau retangulares e pretos, nariz grande e boca pequena, de lábios carnudos e rosados. Usa blusa escura sob um xale floreado e colar de pérolas. (fim da descrição) Foto: Divulgação.

 

 

Myriam Muniz
Atriz, diretora e professora, Myriam Muniz (1931-2004) perpetuou seu nome na história do teatro brasileiro do século 20. Egressa da Escola de Arte Dramática, a paulistana descendente de portugueses e italianos passou pelo Teatro Oficina, Teatro Brasileiro de Comédia, Teatro de Arena e pelas companhias de Dulcina de Moraes e Nydia Licia, além de fundar o Centro de Estudos Macunaíma, hoje conhecido como Teatro Escola Macunaíma, uma das mais respeitadas instituições para formação de atores do País. Por lá passaram Paulo Betti, Eliane Giardini, Lília Cabral, Domingos Montagner e Cristina Pereira, entre outros. Atuou em dezenas de peças, filmes e algumas produções para a TV. Em 1975, Myriam dirigiu o mítico show “Falso Brilhante”, o mais bem-sucedido da carreira de Elis Regina, com quem se desentendeu durante os ensaios. Seu último trabalho foi no filme “Nina”, de Heitor Dália, lançado em 2004, no qual interpreta a avarenta e cruel dona Eulália. Sua trajetória artística está documentada nos livros “Giramundo: O Percurso de Uma Atriz – Myriam Muniz”, organizado por Maria Thereza Vargas, e “Myriam Muniz – uma pedagoga do teatro”, de Marcelo Braga. Em 2006, a Funarte criou o “Prêmio de Teatro Myriam Muniz”, para estimular e fomentar a produção e pesquisa de artes cênicas.

Reportagem no canal Octo sobre a estreia da minitemporada em Porto Alegre.
Clique aqui para conferir.
(Vídeo sem recursos de acessibilidade. O repórter está no corredor entre o palco e a primeira fila de poltronas da plateia, perto do ator Cassio Scapin, que recebe os cumprimentos do público. Ao fundo, a tradutora e intérpete de LIBRAS em Porto Alegre, Celina Nair Xavier Neta. No palco, os usuários da audiodescrição fazem um tour tátil pelo cenário.)

O que diz a crítica sobre Eu Não Dava Praquilo.
“Ontem fui ao teatro assistir à peça Eu Não Dava Praquilo, que conta a história da vida da Myriam Muniz. Foi uma experiência única! O ator Cassio Scapin interpreta, sozinho, aquela mulher de forma tão espetacular e tão perfeita que tive a sensação de estar numa sessão espírita…”
Fábio Bibancos, Folha de S. Paulo.

“De fato, vemos Myriam. A Myriam de Cassio. E não somente porque Cassio consegue reproduzir inflexões de voz, cacoetes e modos de dizer da Myriam ‘de verdade’. Mas, sobretudo, porque a essência de Myriam empresta o corpo, os trejeitos, a voz e o olhar de Cassio para se fazer presente. (…) Eu Não Dava Praquilo é um espetáculo que nos lembra da sensação frequente de que não damos para essa tarefa hercúlea que é viver – e viver com consciência e plenitude. Mas justamente por reconhecermos que não nascemos prontos, que lapidar é preciso, que ainda tropeçaremos 40 mil vezes… é que aprendemos a estar vivos, a ser autônomos, a trabalhar nossos talentos e a lidar com nossas imperfeições. E, sim, sim, podemos alcançar fagulhas de felicidade. Isso nos disse a Myriam. Isso nos disse o Cassio.”
Maria Fernanda Vomero, Revista Época São Paulo.

“A montagem abre-se ao bom humor e às verdades cortantes. É feliz e inteligente ao dispensar a verossimilhança ou a caracterização para conversar diretamente com a maioria dos espectadores que desconhece a homenageada e não tem familiaridade com a cultura de teatro – e, no entanto, mostram-se embarcados. (…) Scapin harmoniza diferentes registros sem dificuldades. É narrador, Muniz e ele mesmo, ator.”
Valmir Santos, Teatrojornal – Leituras de Cena.

“O resultado é um belo monólogo, marcado por sutilezas e repleto de subtextos.”
Dirceu Alves Jr., Revista Veja São Paulo.

Ficha técnica do espetáculo.
Roteiro: Cássio Junqueira e Cassio Scapin.
Elenco: Cassio Scapin.
Direção: Elias Andreato.
Figurino e Cenário: Fabio Namatame.
Iluminação: Wagner Freire.
Trilha Sonora: Jonatan Harold.
Assistente de Direção: André Acioli.
Produção Executiva: Angela Dória.
Fotos: João Caldas Filho.
Programação Visual: Denise Bacellar.
Direção de Produção: Fernanda Signorini.
Realização: Signorini Produções e Dub Serviços Artísticos.
Produção local: Studio Produções.
Assessoria de Imprensa local: Santa Cultura.
Espetáculo contemplado pela seleção pública do Programa Petrobras Distribuidora de Cultura 2015/2016.

Ficha técnica da audiodescrição.
Roteiro:
Mimi Aragón.
Revisão: Rafael Braz.
Narração: Kemi Oshiro.
Equipamento: Easy Translation Services.
Apoio: AJIDEVI

Sessões do espetáculo Eu Não Dava Praquilo, em Joinville/SC, com audiodescrição e interpretação em LIBRAS.
Quando |
De 17 a 19 de maio de 2016 (terça, quarta e quinta).
Onde | Galpão de Teatro da AJOTE (R. XV de Novembro, 1383).
Hora | Terça (17), quarta (18) e quinta (19), às 20h. Sessão extra na quarta (18), às 18h.
Duração | 60 minutos.
Ingressos | R$ 25, com 50% de desconto para pessoas com deficiência (mediante apresentação do cartão do Benefício de Prestação Continuada), idosos e estudantes. Vendas antecipadas no site Enjoy Events ou na Capitão Space Batataria e Pizzaria (Av. Marquês de Olinda, 3340 – Glória. Fone: 47 3422.5544. De segunda a domingo, das 18h30 às 0h).

Cassio Scapin convida para a peça Eu Não Dava Praquilo, com audiodescrição e LIBRAS, em Porto Alegre/RS

Cassio Scapin, co-autor e ator de Eu Não Dava Praquilo, manda um recado pra gente aqui em Porto Alegre. Ele, que é magro e com a musculatura definida, tem a pele muito branca, cabelos pretos, curtos e lisos, rosto anguloso, sobrancelhas espessas, olhos castanhos amendoados, nariz adunco e boca ampla, com o lábio inferior mais carnudo que o superior, aparece no vídeo da cintura para cima, de camiseta azul de mangas curtas, em uma sala com teto e paredes brancos. No canto inferior direito, uma janela destaca a tradutora e intérprete de LIBRAS, Celina Xavier Neta. Clique neste link para saber mais sobre o espetáculo e as apresentações acessíveis em Porto Alegre.


Espetáculo contemplado pela seleção pública do Programa Petrobras Distribuidora de Cultura 2015/2016.

“Eu Não Dava Praquilo” faz minitemporada em Porto Alegre/RS com audiodescrição e interpretação em LIBRAS

Com Cassio Scapin, monólogo que homenageia o ofício teatral enfocando a vida da atriz, diretora e professora Myriam Muniz estará em cartaz nos dias 4, 5 e 6 de março, no Centro Histórico-Cultural da Santa Casa. A produção de acessibilidade é da OVNI Acessibilidade Universal e os ingressos já estão à venda.

Chega a Porto Alegre/RS, nos dias 4, 5 e 6 de março, o monólogo Eu Não Dava Praquilo, uma homenagem à atriz, diretora e professora Myriam Muniz, com Cassio Scapin, direção de Elias Andreato e patrocínio da Petrobras. Todas as sessões terão audiodescrição e interpretação em LIBRAS, recursos produzidos pela OVNI Acessibilidade Universal. O espetáculo foi contemplado pela seleção pública do Programa Petrobras Distribuidora de Cultura 2015/2016.

As apresentações ocorrem no teatro do Centro Histórico-Cultural da Santa Casa (Av. Independência, 75 – Centro), com sessões às 20h, na sexta e no sábado, e às 19h, no domingo. Os ingressos custam R$ 25 e já estão à venda no café do teatro (Phyto Bistrô), até 3 de março, das 14h às 18h. Nos dias de espetáculo, a bilheteria abre três horas antes de cada sessão. Há desconto de 50% para pessoas com deficiência (mediante apresentação do cartão para recebimento do Benefício de Prestação Continuada), idosos, estudantes e titulares do Clube do Assinante ZH, com um acompanhante.

Sinopse
O monólogo cômico-dramático evoca fatos pessoais e profissionais da vida de Myriam Muniz, homenageando também o ofício teatral e sua importância como agente de transformação, tanto individual quanto social. Para o co-autor do texto e intérprete Cassio Scapin, seria impossível contar a história dos palcos brasileiros sem falar na artista paulistana, dona de personalidade ímpar e que tinha uma forma igualmente única de representar. O diretor Elias Andreato considera Myriam Muniz uma sacerdotisa do teatro, com ensinamentos que marcaram profunda e apaixonadamente muitos artistas.

5D III
(descrição da imagem) A foto colorida e horizontal, com fundo preto, mostra Cassio Scapin em ação na peça Eu Não Dava Praquilo, sob um foco de luz branca, sentado em uma cadeira sobre um tablado circular de madeira clara, com um cigarro apagado na mão direita erguida na altura da cabeça. Magro, de pele clara e cabelos pretos penteados para trás, ele usa camiseta, calça e, sobre os ombros, um xale, tudo na cor preta, e está descalço. Tem a cabeça ligeiramente inclinada para trás, os olhos semicerrados e a boca entreaberta, como se falasse no momento da foto. Seu cotovelo esquerdo está apoiado no braço da cadeira. No tablado, à esquerda, uma caixa grande de fósforos, e, à direita, algumas folhas de papel. (fim da descrição) Foto: João Caldas Filho.

Cassio Scapin
Formado pela Escola de Arte Dramática da USP, Cassio Scapin é um dos grandes atores brasileiros. Participou de diversas telenovelas, filmes, minisséries e peças de teatro. Trabalha como ator profissional desde 1984 e, nos últimos anos, esteve nas peças “O Mistério de Irma Vap”, com direção de Marília Pêra, e “O Libertino”, com direção de Jô Soares. Na televisão, é muito reconhecido pela participação no Castelo Rá-Tim-Bum. Na TV Record, atuou na novela “Ribeirão do Tempo” e integra o elenco de “Escrava Mãe”, novela ainda inédita. No Multishow, esteve no ar no seriado “Trair e Coçar, é só Começar”. Recebeu os prêmios Mambembe, Governador do Estado, Associação Paulista dos Críticos de Arte – APCA e Apetesp, entre muitos outros. Por sua atuação em Eu Não Dava Praquilo, foi indicado aos Prêmios Shell, Quem e APCA, este conquistado em 2013. No currículo, reúne participações em mais de 30 projetos no teatro, 12 na televisão, além de concertos, longas e curtas-metragens.

Myriam Muniz
muniz-678x1024(descrição da imagem) A foto colorida e vertical, com fundo marrom desfocado, mostra Myriam Muniz do peito para cima; ela nos observa, séria, com a cabeça ligeiramente inclinada para a esquerda e uma das sobrancelhas arqueadas. É uma mulher idosa, branca, de cabelos grisalhos e longos, presos em uma trança, rosto oval, sobrancelhas escuras, olhos amendoados sob os óculos de grau retangulares e pretos, nariz grande e boca pequena, de lábios carnudos e rosados. Usa blusa escura sob um xale floreado e colar de pérolas. (fim da descrição) Foto: Divulgação.

 

 

Atriz, diretora e professora, Myriam Muniz (1931-2004) perpetuou seu nome na história do teatro brasileiro do século 20. Egressa da Escola de Arte Dramática, a paulistana descendente de portugueses e italianos passou pelo Teatro Oficina, Teatro Brasileiro de Comédia, Teatro de Arena e pelas companhias de Dulcina de Moraes e Nydia Licia, além de fundar o Centro de Estudos Macunaíma, hoje conhecido como Teatro Escola Macunaíma, uma das mais respeitadas instituições para formação de atores do País. Por lá passaram Paulo Betti, Eliane Giardini, Lília Cabral, Domingos Montagner e Cristina Pereira, entre outros. Atuou em dezenas de peças, filmes e algumas produções para a TV. Em 1975, Myriam dirigiu o mítico show “Falso Brilhante”, o mais bem-sucedido da carreira de Elis Regina, com quem se desentendeu durante os ensaios. Seu último trabalho foi no filme “Nina”, de Heitor Dália, lançado em 2004, no qual interpreta a avarenta e cruel dona Eulália. Sua trajetória artística está documentada nos livros “Giramundo: O Percurso de Uma Atriz – Myriam Muniz”, organizado por Maria Thereza Vargas, e “Myriam Muniz – uma pedagoga do teatro”, de Marcelo Braga. Em 2006, a Funarte criou o “Prêmio de Teatro Myriam Muniz”, para estimular e fomentar a produção e pesquisa de artes cênicas.

O que diz a crítica sobre Eu Não Dava Praquilo
“Ontem fui ao teatro assistir a peça Eu Não Dava Praquilo, que conta a história da vida da Myriam Muniz. Foi uma experiência única! O ator Cassio Scapin interpreta, sozinho, aquela mulher de forma tão espetacular e tão perfeita que tive a sensação de estar numa sessão espírita…”
Fábio Bibancos, Folha de S. Paulo.

“De fato, vemos Myriam. A Myriam de Cassio. E não somente porque Cassio consegue reproduzir inflexões de voz, cacoetes e modos de dizer da Myriam ‘de verdade’. Mas, sobretudo, porque a essência de Myriam empresta o corpo, os trejeitos, a voz e o olhar de Cassio para se fazer presente. (…) Eu Não Dava Praquilo é um espetáculo que nos lembra da sensação frequente de que não damos para essa tarefa hercúlea que é viver – e viver com consciência e plenitude. Mas justamente por reconhecermos que não nascemos prontos, que lapidar é preciso, que ainda tropeçaremos 40 mil vezes… é que aprendemos a estar vivos, a ser autônomos, a trabalhar nossos talentos e a lidar com nossas imperfeições. E, sim, sim, podemos alcançar fagulhas de felicidade. Isso nos disse a Myriam. Isso nos disse o Cassio.”
Maria Fernanda Vomero, Revista Época São Paulo.

“A montagem abre-se ao bom humor e às verdades cortantes. É feliz e inteligente ao dispensar a verossimilhança ou a caracterização para conversar diretamente com a maioria dos espectadores que desconhece a homenageada e não tem familiaridade com a cultura de teatro – e, no entanto, mostram-se embarcados. (…) Scapin harmoniza diferentes registros sem dificuldades. É narrador, Muniz e ele mesmo, ator.”
Valmir Santos, Teatrojornal – Leituras de Cena.

“O resultado é um belo monólogo, marcado por sutilezas e repleto de subtextos.”
Dirceu Alves Jr., Revista Veja São Paulo.

Ficha técnica do espetáculo
Roteiro: Cássio Junqueira e Cassio Scapin.
Elenco: Cassio Scapin.
Direção: Elias Andreato.
Figurino e Cenário: Fabio Namatame.
Iluminação: Wagner Freire.
Trilha Sonora: Jonatan Harold.
Assistente de Direção: André Acioli.
Produção Executiva: Angela Dória.
Fotos: João Caldas.
Programação Visual: Denise Bacellar.
Direção de Produção: Fernanda Signorini.
Realização: Signorini Produções e Dub Serviços Artísticos.
Produção local: Primeira Fila Produções.
Assessoria de Imprensa local: Bruna Paulin – Assessoria de Flor em Flor.
Este espetáculo foi contemplado pela seleção pública do Programa Petrobras Distribuidora de Cultura 2015/2016.

Ficha técnica dos recursos de acessibilidade
Produção de acessibilidade: OVNI Acessibilidade Universal.
Tradução e interpretação em LIBRAS: Celina Xavier Neta.
Roteiro de audiodescrição: Mimi Aragón.
Revisão: Rafael Braz.
Narração: Kemi Oshiro.
Equipamento: Grupo Evento (antiga A2 Sistemas Audiovisuais).
Equipe de apoio: Débora Maier, Eva Mothci e Tanira Lessa Flores Soares.

Sessões da peça Eu Não Dava Praquilo, em Porto Alegre/RS, com audiodescrição e interpretação em LIBRAS.
Quando | De 4 a 6 de março de 2016, sexta, sábado e domingo.
Onde | Teatro do Centro Histórico-Cultural da Santa Casa (Av. Independência, 75 – Centro).
Hora | Sexta (4) e sábado (5), às 20h, domingo (6), às 19h.
Ingressos | R$ 25, com 50% de desconto para pessoas com deficiência (mediante apresentação do cartão para recebimento do Benefício de Prestação Continuada), idosos, estudantes e titulares do Clube do Assinante ZH, com um acompanhante. Até 3 de março, no Phyto Café (Av. Independência, 75 – Centro), das 14h às 18h. No teatro, a bilheteria abre três horas antes de cada sessão.

Opções de transporte coletivo com parada nas proximidades do Centro Histórico-Cultural Santa Casa:
Ônibus

T9 – Transversal 9
510 – Auxiliadora
608 – IAPI
637 – Chácara das Pedras

Lotação
05.1 e 05.11 – Rio Branco
30.3 – Santana
50.1 e 50.11 – Auxiliadora
50.2 – IAPI
50.3 e 50.31 – Montserrat
50.61 – Guerino/ Lindoia/ Auxiliadora

É Proibido Miar volta ao palco em curtíssima temporada em Porto Alegre/RS

Grande sucesso na temporada de inverno, espetáculo de teatro para crianças (de qualquer idade) com audiodescrição e língua de sinais feitas pelos próprios atores retorna ao Centro Histórico-Cultural Santa Casa nos dias 3 e 4 de outubro.

miar3(descrição da imagem) Na foto colorida e horizontal, os quatro atores da peça É Proibido Miar estão de frente, lado a lado, da cintura para cima, sorrindo, de macacões coloridos com capuzes com orelhinhas, e as pontinhas dos narizes levemente pintadas de preto, lembrando focinhos. Cada um faz o sinal em Libras correspondente a uma letra da palavra Miar. Na esquerda, Ju, a mais alta, branca e com olhos verdes, de macacão preto, cinza e branco, faz o M, com os dedos seu vizinho, pai de todos e fura-bolo apontados para baixo. Joana, negra, com grandes olhos castanhos – e o esquerdo levemente pintado de branco -, de macacão marrom, bege e branco, faz o I, com o mindinho apontado para cima. Dani, branca, com olhinhos bem pequenos e castanhos, de macacão laranja, pêssego e vermelho, faz o A, com todos os dedos fechados na palma da mão. Douglas, branco, com olhos castanhos arregalados, barba e boca aberta, de macacão vermelho, laranja e marrom, faz o R, com o fura-bolo e o pai de todos cruzados e apontados para cima. Ao fundo, cortinas escuras. (fim da descrição) Foto: Thais Fernandes.

O Bingo está de volta! Depois do grande sucesso da temporada em julho e agosto na Sala Álvaro Moreyra e no Teatro do Centro Histórico-Cultural Santa Casa, em Porto Alegre/RS, o espetáculo de teatro para crianças (de 1 a 100 anos!) É Proibido Miar, da MA Companhia – teatro, dança e assemelhados, retorna ao teatro da Santa Casa (Av. Independência, 75) para somente duas apresentações, nos dias 3 e 4 de outubro, sábado e domingo, às 16h (chegue 15 minutos antes para conferir o tour tátil pelo cenário conduzido pelo elenco).

Os ingressos a preços promocionais para venda antecipada já estão disponíveis na Livraria Bamboletras (Shopping Nova Olaria – R. General Lima e Silva, 776) a R$ 20, com 50% de desconto para idosos, estudantes, classe artística, pessoas com deficiência e funcionários da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. No teatro, podem ser adquiridos uma hora antes de cada apresentação a R$ 30, com a mesma política de descontos.

Sinopse:
Baseado no livro infantil homônimo de Pedro Bandeira, o espetáculo É Proibido Miar conta a história de Bingo, um filhote de cachorro que não via nenhum problema em miar, mas sua família e sua dona não pensavam como ele. E é aí que as coisas acontecem…

Acessibilidade:
É Proibido Miar traz uma proposta inédita em termos de acessibilidade no teatro: os próprios atores fazem a audiodescrição e a tradução para língua de sinais. A ideia é investigar o potencial criativo da audiodescrição como narrativa e da Libras como gestual, inserindo-as na concepção dramatúrgica e propondo uma linguagem teatral experimental. O programa da peça foi impresso em fonte ampliada e também em braille e no início do espetáculo o público é convidado a um tour tátil pelo cenário, conduzido pelo atores.

Ficha técnica:
Direção: Denis Gosch
Assistência de Direção: Ricardo Zigomático
Dramaturgia adaptada: Daniel Colin
Elenco: Dani Dutra, Douglas Dias, Joana Amaral e Juliana Kersting
Assessoria em LIBRAS: Joana Amaral
Assessoria em audiodescrição: Mimi Aragón (OVNI Acessibilidade Universal)
Coordenação pedagógica: Patrícia Colin
Trilha sonora original: Moysés Lopes e Alexandre Fritzen
Preparação vocal: Beto Chedid
Figurinos e adereços: Fabrízio Rodrigues
Cenário: Denis Gosch e Fabrízio Rodrigues
Iluminação: Casemiro Azevedo
Bilheteria: Simone Dornelles
Produção: Fio Produtora Cultural
Produção executiva: Débora Maier
Direção de produção: Juliana Kersting

miar2(descrição da imagem) Na foto colorida e horizontal, Joana está à esquerda e Ju à direita, ambas na penumbra, ligeiramente iluminadas por uma luz prateada, de macacões coloridos com capuzes com orelhinhas. Joana, negra, com grandes olhos castanhos – e o esquerdo levemente pintado de branco -, de macacão marrom, bege e branco, está de perfil, da cintura para cima, e nos olha de lado, com a testa franzida e a boca entreaberta, parecendo curiosa. À direita, Ju, branca, alta e de macacão preto, cinza e branco, aparece dos joelhos para cima e meio desfocada atrás de uma cortina escura que a luz deixa quase transparente. Ju tem a boca mais ou menos aberta e estende o braço direito na direção de Joana, parecendo chamá-la. (fim da descrição) Foto: Thais Fernandes.

O que afirma quem já assistiu:
“Foi tão criativa e me senti criança outra vez, pude acompanhar a cada instante como se eu estivesse fazendo parte da história.”
Patricia Rodrigues Witt, terapeuta ocupacional, surda (texto completo em http://surdezsilencioemvoodeborboleta.com/blog/2015/07/12/me-senti-tao-integrada-nessa-peca-libras-e-audio-descricao/).

“Agradeço de coração toda a atenção dispensada a mim e à Beatriz. Com certeza este momento ficará em nossa memória, como a primeira vez em que a levei ao teatro e também a primeira vez em que assistimos a um espetáculo onde fomos verdadeiramente incluídos.”
Emanuel Noimann, funcionário público, cego.

“”Realmente fora de série! Assisti com meu irmão Claudio Roberto, que é cego e com o André Luiz, seu filho de 4 anos. Meu irmão parecia uma criança, como o seu filho. Me emocionei por vê-lo tão feliz! Quando saímos, ele falou: ‘me senti dentro do palco’.”
Cecília Quaresma, aposentada.

“Divertido demais! (…) Na fila de entrada já fiquei contente ao abrir o programa/cartaz e ver fonte ampliada… (…) Imagina as pessoas com baixa visão, que coisa bem boa poder ler um programa de espetáculo, pq ali tem uma fonte que lhes permite isso! Inclusão! Ótimo acolhimento à diversidade! Fantástico observar as crianças da plateia tentando imitar os sinais de Libras, que os atores faziam e esticando a cabecinha pra cima, acompanhando o que a audiodescrição lhes apontava, lhes chamava a atenção. (…) Se pras crianças cegas isso é fundamental pra conhecerem o ambiente, pras crianças/pais que enxergam é (…) um despertar pros outros elementos que fazem uma cena, além do que está na sua frente. Tão legal explicar no início o que é Libras e o que é Audiodescrição e pra que serve! Libras já é mais conhecida, mas AD… puxa, quantas pessoas hoje foram pra casa entendendo este recurso!”.
Márcia Ilha Marques, funcionária pública.

“Fazia tempo que eu não surpreendia tanto com um espetáculo e fiquei realmente estarrecida quando vi “É Proibido Miar”, um espetáculo que eleva a palavra “inclusivo” para outro patamar. Eu já tinha ouvido falar que tinha audiodescrição (para cegos), que tinha libras (para surdos) mas achava que essas “traduções” eram externas à obra. Tomei um susto quando vi que estava tudo dentro, com os atores agindo enquanto se descrevem e falam em libras enquanto falam com a voz. (…) É um “espetáculo infantil” só porque acontece de tarde e a história que deu base à dramaturgia é infantil, mas os adultos se deliciaram. (…) É a minha recomendação pra quem quer ver algo diferente de tudo que já se viu.”
Dedé Ribeiro, produtora cultural (texto completo em https://dederibeiro.wordpress.com/2015/07/28/todos-iguais-todos-diferentes-todos-assistindo-teatro-bom/).

“Sucesso de público em todas as sessões. Muito bom receber uma peça que incorpora em sua dramaturgia recursos de acessibilidade, a fim de democratizar o acesso à cultura.”
Simone Pedrozo da Silveira, Centro Histórico-Cultural Santa Casa.

“A riqueza e fluidez da Libras e da Audiodescrição incorporadas à dinâmica e sensibilidade teatral uniram a todos na plateia em uma apreciação integrada. (…) Um trabalho que vai marcar a trajetória do teatro infantil! (…) Não deixem de assistir!”
Lisiane Medeiros, atriz.

“É um trabalho emocionante… Vai pegando o público e cativando até o emocionante e filosófico final.”
Carlos Azevedo, iluminador.

miar1(descrição da imagem) Na foto colorida e horizontal, Dani, Joana e Douglas estão de frente, da cintura para cima, de macacões coloridos com capuzes com orelhinhas. No meio e à frente está Joana, negra, com grandes olhos castanhos – e o esquerdo levemente pintado de branco -, de macacão marrom, bege e branco, sorrindo, com o braço esquerdo esticado para cima. Atrás dela, à esquerda, Dani, branca, de macacão laranja, pêssego e vermelho, desvia o rosto, os olhos fechados com força, as bochechas cheias e o dedo fura-bolo na frente da boca, fazendo cara de nojinho. Também atrás de Joana, à direita, Douglas, branco, de barba castanha, macacão vermelho, laranja e marrom, tapa o nariz e abre a boca, como se exclamasse: “Argh!”. Ao fundo, cortinas escuras. (fim da descrição) Foto: Thais Fernandes.

É Proibido Miar, espetáculo de teatro para crianças com audiodescrição e língua de sinais feitas pelos próprios atores.
Datas: 3 e 4 de outubro, sábado e domingo.
Hora: 16h (chegue 15 minutos antes para conferir o tour tátil pelo cenário conduzido pelo elenco).
Local: Teatro do Centro Histórico-Cultural Santa Casa (Av. Independência, 75). Estacionamento pago no local. Ambiente adaptado para receber também o público com deficiência física ou mobilidade reduzida.
Ingressos antecipados: R$ 20 (Livraria Bamboletras (Shopping Nova Olaria – R. General Lima e Silva, 776).
Ingressos no local (bilheteria aberta uma hora antes da apresentação): R$ 30.
Desconto: 50% para idosos, estudantes, classe artística, pessoas com deficiência e funcionários da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre.
Informações: fones 51 9958 0519 (Débora Maier), 51 9217 1585 (Juliana Kersting) ou e-mail producao@eproibidomiar.com.br.

Opções de transporte coletivo com parada nas proximidades do Centro Histórico-Cultural Santa Casa:
Ônibus

T9 – Transversal 9
C3 – Circular 3
510 – Auxiliadora
608 – IAPI
637 – Chácara das Pedras

Lotação
05.1 e 05.11 – Rio Branco
30.3 – Santana
50.1 e 50.11 – Auxiliadora
50.2 – IAPI
50.3 e 50.31 – Montserrat
50.61 – Guerino/ Lindoia/ Auxiliadora