Marcia Bamberg

Audiodescrição no 46º Festival de Cinema de Gramado tem público recorde e traz sorte aos filmes em competição

Mais de 80 usuários e acompanhantes assistiram aos quatro filmes com audiodescrição ao vivo no Palácio dos Festivais. Curtas e longas brasileiros e estrangeiros exibidos na noite acessível conquistaram oito Kikitos

(descrição da imagem) Na foto colorida e horizontal, um grupo com cerca de 80 pessoas posa sorridente no tapete vermelho do 46º Festival de Cinema de Gramado, na Rua Coberta, com o Palácio dos Festivais ao fundo, ao anoitecer. Acenam para nós diante de uma reprodução com aproximadamente 3 metros do Kikito, o troféu dourado e risonho com cabeça em forma de Sol. Atrás, a maioria está em pé e os demais, à frente, estão agachados ou sentados. Algumas pessoas usam bengalas brancas ou verdes e óculos escuros. Do alto, entre refletores de luz acesos, pendem folhagens que decoram a cobertura metálica com formato abaulado. (fim da descrição) Foto: Cleiton Thiele/Agência PressPhoto.

O PÚBLICO
Pela primeira vez, uma noite inteira das mostras competitivas de curtas e longas brasileiros e estrangeiros do Festival de Cinema de Gramado teve audiodescrição ao vivo. E o público respondeu em grande número ao convite para subir a Serra e assistir a quatro filmes em um dos eventos mais tradicionais e longevos do cinema no Brasil: mais de 80 pessoas, entre usuários da audiodescrição e acompanhantes, atravessaram o Tapete Vermelho e lotaram um dos setores do Palácio dos Festivais, vindas de Porto Alegre, Nova Petrópolis, Taquara, Canela, Gramado e, até, São José do Rio Preto, em São Paulo. Um recorde absoluto no retorno da OVNI Acessibilidade Universal à produção da noite com audiodescrição ao vivo em Gramado.

(descrição da imagem) A foto colorida e horizontal retrata cerca de 80 pessoas sentadas nas poltronas vermelhas da sala de exibição no Palácio dos Festivais, junto a uma parede coberta por painéis de ripas de madeira castanha. Aproximadamente metade do público usa fones de ouvido e algumas pessoas estão de óculos escuros. Ao fundo, na direita, uma cabine com duas janelas frontais. O corredor de acesso às poltronas é forrado com carpete cinza. (fim da descrição) Foto: Cleiton Thiele/Agência PressPhoto.

A EQUIPE
No total, foram 11 profissionais envolvidos na elaboração dos roteiros, consultoria, narração, leitura de legendas, suporte e coordenação de produção: as audiodescritoras da OVNI, Mimi Aragón e Kemi Oshiro; os colegas audiodescritores Letícia Schwartz, Manoel Negraes e Rafael Braz, além de Edgar Jacques e Estela Valeriano, da ETC Filmes, empresa responsável pelo roteiro original de audiodescrição do longa Ferrugem; Denis Gosch, ator encarregado do voice over no longa estrangeiro Mi Mundial; e os produtores Juliana Prestes, Lucas André e Thayse Benedet.

(descrição da imagem) Na foto colorida e vertical, a equipe da OVNI Acessibilidade Universal no 46º Festival de Cinema de Gramado posa sorridente em uma selfie na Rua Coberta, todos com roupas pesadas de frio. À frente, ao centro, Denis Gosch faz a selfie. Atrás dele, da esquerda para a direita, Letícia Schwartz, Mimi Aragón e Juliana Prestes. Na fileira de trás, Rafael Braz, Kemi Oshiro, Lucas Andre e Thayse Benedet. Uma luz forte os ilumina. Do alto, pendem folhagens que decoram a cobertura metálica com formato abaulado. (fim da descrição)

O REGISTRO EM VÍDEO
A imprensa do Festival produziu um vídeo de 52 segundos que registra a chegada do público, depoimentos e cenas da sessão acessível. O material pode ser conferido no Facebook, e tem a seguinte descrição resumida: Na abertura, em fundo preto, os títulos TV Festival e Mostra Acessível ao lado do Kikito, o troféu dourado e risonho com cabeça em forma de Sol. Na sequência, alternam-se aos depoimentos de Kemi Oshiro, Rafael Braz e Márcia Bamberg, na Rua Coberta, cenas da chegada do público pelo Tapete Vermelho (em destaque, Paulo Valentim e família e Paulo Fernando Pires e Josiane França), dos fones de ouvido e radiorreceptores, do público nas poltronas vermelhas da sala de cinema no Palácio dos Festivais usando o equipamento de audiodescrição (em destaque, Luiz Carlos da Silva, Isabel Kaiser, Elizabete Formagio, Altair Oliveira, Bruna e Elizete Schatschineider) e de Mimi Aragón narrando na cabine. No final, no Tapete Vermelho, o grupo de usuários, acompanhantes e equipe da OVNI posa para uma foto erguendo os braços.

OS KIKITOS
E, reafirmando a tradição de sorte, os filmes exibidos na noite com audiodescrição ao vivo conquistaram ao menos um Kikito cada. O longa brasileiro Ferrugem, de Aly Muritiba, levou os prêmios de Melhor Filme, Roteiro e Desenho de Som. O curta brasileiro A Retirada Para Um Coração Bruto, de Marco Antonio Pereira, faturou os Kikitos de Melhor Trilha Sonora, Roteiro e Ator. O curta-metragem Catadora de Gente, de Mirela Kruel, rendeu à protagonista Maria Tugira Cardoso o prêmio de Melhor Atriz. Nestor Guzzini, que interpreta o pai do craque Tito Torres no longa uruguaio Mi Mundial, de Carlos Morelli, levou o Kikito de Melhor Ator.

Anúncios

Cinema acessível faz bem para todo mundo: audiodescrição traz sorte a mais um filme no Festival de Cinema de Gramado

O longa-metragem brasileiro Ausência, de Chico Teixeira, conquistou os Kikitos de Melhor Filme, Diretor, Roteiro e Trilha Musical na 43ª edição do Festival de Cinema de Gramado

ovni_ausencia_audiodescrição2015B
(descrição da imagem) A foto colorida e horizontal retrata um grupo com cerca de 50 pessoas posando sorridentes no tapete vermelho do 43º Festival de Cinema de Gramado. Diante de uma reprodução com aproximadamente 3 metros do Kikito, o troféu dourado e risonho com cabeça em forma de Sol, a maioria está em pé, atrás de seis pessoas agachadas. Algumas usam bengalas brancas e óculos escuros. Da esquerda para a direita é possível identificar Natália Konrad, Leandro Pacheco, Jerônimo dos Santos, Camila Pacheco, Eva Coimbra, Suzana Maciel, Luciano Ninov, Volnei Benfica, Viviani Xavier, Paulo Fernando Pinto, Josiane França, Karla Samanta, Eraldo Fortini, Celso Ramos, a audiodescritora da OVNI Acessibilidade Universal Mimi Aragón, Adair e Marcia Bamberg, Thaís Gonçalves, Liliane Birnfeld, Luís de Medeiros, Matheus Baldin, Isa Baldin, Francimar Maia, André Campelo, Daniel Gause, a servidora da FADERS Clarissa Meira, Emanuel Noimann, Teresinha Ponciano, a professora Ivani Gheno, do CMAEE Parobé, e seu respectivo grupo de alunos, professoras e pais. No alto da foto, ramos de árvores pendem da cobertura côncava da rua, criando um efeito decorativo. Ao longe, no centro, um banner vertical do 43º Festival de Gramado, com a imagem do Kikito sobre fundo branco, também pende da cobertura. (fim da descrição) Foto: Cleiton Thiele/Agência PressPhoto.

Já virou tradição: desde que a audiodescrição foi inserida nas exibições oficiais de longas-metragens em competição no Festival de Cinema de Gramado, os filmes apresentados com o recurso conquistam cobiçados Kikitos. Em 2012, Colegas, de Marcelo Galvão, levou os troféus de Melhor Filme, Direção de Arte e o Prêmio Especial do Júri para o trio de protagonistas Ariel Goldenberg, Breno Viola e Rita Pokk. Em 2013, A Oeste do Fim do Mundo, de Paulo Nascimento, ganhou os prêmios de Melhor Longa Estrangeiro pelo Júri Popular, Ator (para Cesar Troncoso) e Menção Honrosa. Em 2014, A Despedida, de Marcelo Galvão arrebatou os Kikitos de Melhor Diretor, Atriz (para Juliana Paes), Ator (para Nelson Xavier) e Fotografia. Na 43ª edição do Festival de Cinema de Gramado foi a vez de Ausência, de Chico Teixeira, exibido com audiodescrição no dia 11, terça-feira, levar os Kikitos de Melhor Filme, Diretor, Roteiro e Trilha Musical.

A sessão acessível no Palácio dos Festivais, produzida pela OVNI Acessibilidade Universal com apoio da Faders – Fundação de Articulação e Desenvolvimento de Políticas Públicas para PcD e PcAH no RS, Acergs – Associação de Cegos do Rio Grande do Sul e Grupo Evento (antiga A2 Sistemas Audiovisuais), contou com a presença de aproximadamente 50 usuários da audiodescrição vindos de Porto Alegre, Taquara e Parobé. E a emoção não ficou restrita à sala de exibições do Palácio dos Festivais: ao atravessar o tapete vermelho na chegada e também na saída da sessão de Ausência, o público da audiodescrição foi aplaudido pelas pessoas reunidas em volta do tapete vermelho, na Rua Coberta. Sinal de que, tanto quanto as estrelas do cinema brasileiro e latino, os espectadores com suas bengalas brancas e óculos escuros são superaguardados a cada edição do Festival de Cinema de Gramado.


(descrição da imagem) A foto colorida e horizontal retrata cerca de 50 pessoas atravessando em fila o tapete vermelho do 43º Festival de Gramado, na Rua Coberta. Algumas usam bengalas brancas e óculos escuros. Da frente para o fundo da foto é possível identificar Mimi Aragón, Adair e Marcia Bamberg, Francimar Maia, Thaís Gonçalves, Matheus e Isa Baldin, Daniel Gause, André Campelo, Teresinha Ponciano, Luciano Ninov, Paulo Fernando Pinto, Josiane França, Marilena Assis, Volnei Benfica e Leandro Pacheco, professor responsável por trazer o grupo de Taquara. À direita, em direção ao fundo, as pessoas acomodadas nas mesas externas dos restaurantes da Rua Coberta observam a passagem do público usuário da audiodescrição. (fim da descrição) Foto: Cleiton Thiele/Agência PressPhoto.

No painel Acessibilidade no Cinema – Recursos e Tecnologia, promovido pelo Iecine – Instituto Estadual de Cinema na sexta-feira, 14, no Hotel Serra Azul, dentro da programação paralela (que também incluiu dois filmes do Festival de Cinema Acessível, produzido recentemente pelo Estúdio O Som da Luz), Mimi Aragón, sócia da OVNI Acessibilidade Universal, falou sobre os avanços da audiodescrição em Gramado desde 2012. “O Festival consolida-se como referência na exibição de filmes com audiodescrição. Além de Gramado, somente o Festival de Brasília oferece recursos de acessibilidade em suas mostras competitivas”. Assim, os espectadores com deficiência podem assistir a filmes representativos de cada nova safra da produção audiovisual brasileira e que ainda não entraram em cartaz no circuito comercial. “O próximo desafio do Festival de Gramado é incluir na mostra competitiva também as pessoas surdas e ensurdecidas”, projeta Mimi. A julgar pela sorte que a audiodescrição tem trazido aos filmes na Serra Gaúcha, quanto mais acessibilidade houver, mais obras audiovisuais conquistarão Kikitos.

ovni_ausencia_audiodescrição2015C
(descrição da imagem) A foto colorida e horizontal retrata cerca de 25 pessoas sentadas nas poltronas vermelhas da sala de exibição no Palácio dos Festivais. A maioria usa fones de ouvido e algumas estão de óculos escuros. Ao fundo, na direita, uma cabine cinza com duas janelas frontais é ocupada pelas audiodescritoras Letícia Schwartz e Kemi Oshiro. Ao lado cabine, em pé, está o técnico Israel Elias, também com fones de ouvido. Entre o público, é possível identificar Natália Konrad, Jerônimo dos Santos, Daniel Gause, André Campelo, Luís de Medeiros, Marilena Assis, Dorival Behrend, Márcia Bamberg, Adair Bamberg, Celso Ramos, Luciano Ninov, Volnei Benfica, Viviani Xavier, Josiane França, Karla Samanta, Teresinha Ponciano, Emanuel Noimann, Helenita Näher e Iara Aragão. (fim da descrição) Foto: Cleiton Thiele/Agência PressPhoto.

Audiodescrição do filme Ausência no 43º Festival de Cinema de Gramado.
Produção: OVNI Acessibilidade Universal.
Roteiro e narração da AD do filme: Letícia Schwartz.
Consultoria da AD do filme: Marilena Assis e André Campelo.
Audiodescrição ao vivo: Kemi Oshiro e Letícia Schwartz.
Suportes: Liliane Birnfeld, Helenita Näher e Iara Aragão.
Técnicos: Antonio Mondin e Israel Elias.
Apoio: FADERS, ACERGS e Grupo Evento.
Realização: 43º Festival de Cinema de Gramado.
Kikitos para Ausência: Melhor Filme Brasileiro, Diretor, Roteiro e Trilha Musical.