Paula Du Gelly

Programação da 11ª Mostra de Cinema e Direitos Humanos em Porto Alegre/RS traz filmes com audiodescrição e uma conversa sobre a produção do recurso no setor audiovisual

OVNI_blog_MCDHpoa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Ministério dos Direitos Humanos apresenta…
11ª Mostra Cinema e Direitos Humanos.
Muestra de Cine y Derechos Humanos.
Film and Human Rights Exhibition.
Porto Alegre/RS, 6 a 11 de junho.
2017, Brasil.
Local: Cinemateca Capitólio Petrobras.
Rua Demétrio Ribeiro, 1085 – Centro Histórico, Porto Alegre.
Entrada gratuita.
http://mostracinemaedireitoshumanos.sdh.gov.br
http://www.facebook.com/11amostracinemaedireitoshumanosbrasil
Produção: ICEM – Instituto Cultura em Movimento.
Produção local: Primeira Fila Produções.
Apoio local: OVNI Acessibilidade Universal, Cinemateca Capitólio Petrobras, Secretaria Municipal da Cultura, Secretaria Municipal da Educação e Secretaria da Justiça e Direitos Humanos do RS.
Patrocínio: Itaú e BR Petrobras.
Realização: Ministério dos Direitos Humanos e Governo Federal.
(descrição do flyer) O flyer colorido e vertical tem o fundo preenchido por uma composição de pequenos triângulos em tons de azul. O texto está em letras pretas ou brancas. Na metade superior, centralizado, logo acima do nome do evento, o desenho de uma flor que traz, no lugar das pétalas, um olho esquerdo em que a íris está representada por um rolo preto de filme. Os cílios que contornam o olho também são pretos. No caule delgado, uma única folhinha verde. As informações sobre a Mostra estão centralizadas na metade inferior do flyer. No canto inferior esquerdo, um QR Code, representado por um quadrado branco preenchido com grafismos pretos. No canto inferior direito, ao lado do símbolo de reciclagem, composto por três setas brancas dispostas em forma de triângulo, o aviso: Não descarte este impresso em via pública. No rodapé, em uma faixa branca, os logotipos dos produtores, apoiadores, patrocinadores e realizadores. (fim da descrição)

As sessões com audiodescrição serão no dia 7 de junho e o debate, dia 10, sempre com entrada franca, na Cinemateca Capitólio Petrobras

A 11ª edição da Mostra Cinema e Direitos Humanos  em Porto Alegre/RS exibirá seis filmes com audiodescrição, no dia 7 de junho, quarta-feira, e, dia 10, sábado, contará com um debate sobre a produção de audiodescrição para o setor audiovisual. Toda a programação tem entrada franca e será na Cinemateca Capitólio Petrobras (Rua Demétrio Ribeiro, 1085 – esquina com a Avenida Borges de Medeiros – Centro).

Dia 7, quarta-feira, as sessões de cinema com audiodescrição iniciam-se às 14h, 16h e 17h, cada uma com dois títulos diferentes (confira as fichas técnicas e sinopses no final deste texto). Às 14h, serão exibidos A História da Menininha que Amava Borboletas e, na sequência, Precisamos Falar do Assédio. Às 16h é a vez de Pobre Preto Puto, seguido de Carol. Às 17h, Madrepérola e Meu Nome é Jacque. A audiodescrição dos filmes foi produzida pela CPL, empresa do Rio de Janeiro, com consultoria de Alessandro Câmara de Souza.

No dia 10, sábado, o debate Ver com os ouvidos: o papel da audiodescrição na produção audiovisual está marcado para as 18h, na Sala Multimídia da Cinemateca Capitólio Petrobras. A ideia é incentivar o diálogo entre os setores da produção de cinema e de acessibilidade e o público, requisito indispensável para assegurar a qualidade funcional e estética da audiodescrição. Participam da conversa Pedro Marques, produtor e diretor na Bactéria Filmes; Mimi Aragón e Kemi Oshiro, produtoras de recursos de acessibilidade comunicacional na OVNI Acessibilidade Universal; e Rafael Braz, estudante de Psicologia, consultor e usuário de audiodescrição.

A 11ª Mostra circula desde o dia 8 de maio em 26 capitais brasileiras, além do Distrito Federal, e vai até 25 de junho. Na programação, 29 filmes, entre curtas, médias e longas-metragens, todos com entrada franca e exibidos com legendas closed caption. No site da Mostra é possível acompanhar a programação completa. A expectativa é receber um público de mais de 30 mil pessoas em todo o país.

Uma realização do Ministério de Direitos Humanos, com produção nacional do Instituto Cultura em Movimento – ICEM e patrocínio da Petrobras e do Itaú, em Porto Alegre a 11ª Mostra tem produção local da Primeira Fila Produções, assessoria de imprensa de Bruna Paulin e apoio da OVNI Acessibilidade Universal, Cinemateca Capitólio Petrobras, Secretarias Municipais da Cultura e da Educação e da Secretaria da Justiça e Direitos Humanos do RS.

7 de junho, quarta-feira: sessões de filmes com audiodescrição.
Entrada franca.
14h

A História da Menininha que Amava Borboletas.
Direção: Paula Du Gelly, Estados Unidos, 2016, 4 min, ficção.
Temática: Direitos das mulheres
Classificação indicativa: 14 anos.
Roteiro de audiodescrição: Larissa Costa.
Narração: Daniel Coutinho.
Leitura de legendas: Beta Brito.
Sinopse: Para onde ela queria ir, ela não podia levar ninguém… especialmente seu passado.

Precisamos Falar do Assédio.
Direção: Paula Sacchetta, Brasil, 2016, 80 min, documentário.
Temática: Direitos das Mulheres
Classificação indicativa: 14 anos.
Roteiro de audiodescrição: Larissa Costa e Renato Calvet.
Revisão final: Larissa Costa.
Narração: Daniel Coutinho.
Sinopse: Na semana da mulher, uma van-estúdio parou em nove locais em São Paulo e no Rio de Janeiro. O objetivo era coletar depoimentos de mulheres vítimas de qualquer tipo de assédio. Ao todo, 140 decidiram falar. São relatos de mulheres de 15 a 84 anos, de zonas nobres ou periferias das duas cidades, com diferenças e semelhanças na violência que acontece todos os dias e pode se dar dentro de casa, em um beco escuro ou no meio da rua, à luz do dia. O filme traz uma amostra significativa, 26 deles. Nos depoimentos puros, sem qualquer tipo de interlocução, acompanhamos um desabafo, um momento íntimo ou a oportunidade de falarem daquilo pela primeira vez.

16h
Pobre Preto Puto.
Direção: Diego Tafarel, Brasil, 2016, 15 min, documentário.
Temática: Cidadania LGBT
Classificação indicativa: 12 anos.
Roteiro de audiodescrição: Larissa Costa.
Narração: Beta Brito.
Sinopse: Nei D’Ogum é batuque, é sexo e é negritude. É amor e contradição. Um guerreiro das causas negras, gays e transexuais. Ele é a própria causa. Autodefine-se: “pobre, preto, puto”.

Carol.
Direção: Mirela Kruel, Brasil, 2016, 20 min, documentário.
Temática: Diversidade sexual / Cidadania LGBT.
Classificação indicativa: 14 anos.
Roteiro de audiodescrição: Renato Calvet.
Revisão final: Larissa Costa.
Narração: Beta Brito.
Sinopse: A história de uma mulher que se redescobriu depois de ter passado por uma situação de violência. Um registro do seu cotidiano, suas dificuldades e angústias, sonhos e alegrias. Através da proximidade com a vida de Carol vemos como é possível superar preconceitos, tristezas, e seguir em frente.

17h
Madrepérola.
Direção: Deise Hauenstein, Brasil, 2015, 15 min, documentário.
Temática: Direitos das Mulheres.
Classificação indicativa: 10 anos.
Roteiro de audiodescrição: Larissa Costa.
Narração: Daniel Coutinho.
Sinopse: Em uma maré alheia à diversidade, vivem ostras que são afetadas por serem consideradas fora dos padrões e medidas. Essa é uma história sobre como as pérolas se formam.

Meu Nome é Jacque.
Direção: Angela Zoé, Brasil, 2106, 72 min, documentário.
Temática: Cidadania LGBT / Diversidade Sexual.
Classificação indicativa: 12 anos.
Roteiro de audiodescrição: Larissa Costa.
Narração: Daniel Machline.
Sinopse: O documentário aborda a diversidade através da história de vida de Jaqueline Côrtes, uma mulher transexual brasileira, que vive com Aids. Militante pela causa, Jacque tem a vida marcada por lutas e conquistas como representante do governo brasileiro na ONU. Hoje mora numa pequena cidade, levando uma vida voltada para a maternidade e a família. Ao acompanhar o cotidiano de Jacque, este documentário apresenta os inúmeros desafios que foram rompidos pela personagem.

10 de junho, sábado, 18h: conversa Ver com os ouvidos: o papel da audiodescrição na produção audiovisual. Entrada franca.
A produção de audiodescrição no setor audiovisual é, mais do que uma recente exigência legal no Brasil, a garantia do direito de acesso de pelo menos 36 milhões de pessoas com deficiência visual à arte cinematográfica. Entre outros requisitos, o diálogo permanente entre produtores de cinema, de acessibilidade e o público torna-se indispensável para assegurar a qualidade funcional e estética deste recurso de acessibilidade comunicacional. Participantes: Pedro Marques, produtor, diretor e artista digital na Bactéria Filmes; Mimi Aragón e Kemi Oshiro, produtoras e audiodescritoras na OVNI Acessibilidade Universal, e Rafael Braz, estudante de Psicologia, consultor e usuário de audiodescrição.

Opções de transporte coletivo com parada nas proximidades da Cinemateca Capitólio Petrobras:
Ônibus
C1 – CIRCULAR CENTRO
C2 – CIRCULAR PRACA XV
C3 – CIRCULAR URCA
165 – COHAB
168 – BELEM NOVO (VIA TRISTEZA)
171 – PONTA GROSSA
173 – CAMAQUA
178 – PRAIA DE BELAS
179 – SERRARIA
184 – JUCA BATISTA
186 – LIBERAL
187 – PADRE REUS
188 – ASSUNCAO
195 – TV
209 – RESTINGA
253 – RENASCENÇA
254 – EMBRATEL
257 – PAULINO AZURENHA/AZENHA/CASCATINHA
262 – JARDIM V. NOVA
263 – ORFANOTROFIO
264 – PRADO
265 – JARDIM MEDIANEIRA
266 – VILA NOVA
267 – LAMI (VIA BELEM NOVO)
268 – BELEM NOVO (VIA CAVALHADA)
269 – LAMI/BELEM
270 – GRUTINHA
271 – AMAPA
274 – GLORIA/AZENHA/CASCATINHA
281 – CAMPO NOVO
283 – IPANEMA/CAVALHADA
285 – NONOAI
288 – IPANEMA/MORRO ALTO
289 – RINCAO/VIA OSCAR PEREIRA
D63 – ORFANOTROFIO/DIRETA
340 – JARDIM BOTANICO
344 – SANTA MARIA
345 – SANTA CATARINA
347 – ALAMEDA
348 – JARDIM BENTO GONCALVES
361 – CEFER
375 – AGRONOMIA/INFORMATICA
395 – QUINTA DO PORTAL/SALGADO FILHO
3974 – BONSUCESSO/SANTA HELENA
398 – PINHEIRO

Lotação
02.1 – MENINO DEUS
02.11 – MENINO DEUS/ VIA JOSE DO PATROCINIO
03.1 – IPIRANGA/ PUC – BORGES
03.3 – JARDIM BOTANICO/JARDIM DO SALSO
10.1 – TRISTEZA/ASSUNCAO
10.3 – CRISTAL/OTTO NIEMEYER
10.4 – IPANEMA
10.41 – IPANEMA/JARDIM ISABEL
10.5 – GUARUJA – WENCESLAU ESCOBA
10.51 – GUARUJA – CAVALHADA
10.52 – GUARUJA/PONTA GROSSA
20.1 – MEDIANEIRA
20.11 – MEDIANEIRA / MORRO SAO CAETANO
20.2 – OTTO/TERESÓPOLIS
20.5 – ALTO TERESOPOLIS – VIA PRAIA DE BELAS
20.6 – GLORIA
30.1 – CANAL 10 VIA APARÍCIO BORGES
30.2 – PARTENON/PINHEIRO/PARADA 21