Show de abertura do 25º Porto Alegre em Cena terá audiodescrição da OVNI

Espetáculo de música instrumental com a participação de bailarinos senegaleses será no dia 11 de setembro, no Theatro São Pedro, em Porto Alegre.


(descrição da imagem) A foto colorida e horizontal retrata oito músicos posando em um palco entre instrumentos de corda e percussão. Eles estão em pé, ao centro, a maioria sorrindo para nós. São jovens negros e brancos, usando camisas e calças ou bermudas coloridas, estampadas com motivos étnicos, e tênis. Em um tablado por detrás deles, microfones, estantes para partitura e amplificadores. O fundo e o piso do palco, iluminado de cima por uma luz âmbar fora do enquadramento, são pretos. (fim da descrição) Foto: Andressa Ocker.

11 de setembro de 2018. Reserve esta data! Na abertura do 25º Festival Internacional de Artes Cênicas Porto Alegre Em Cena, o show com o grupo instrumental Höröyá, no Theatro Sao Pedro, terá audiodescrição da OVNI Acessibilidade Universal. Em breve, informações completas sobre a programação, ingressos e reserva de equipamento.

Höröyá (palavra de origem Mandeng) significa liberdade, autonomia e dignidade. O termo, que foi usado durante a luta anti-colonialista na Guiné para a afirmação de seus caminhos e ideais, hoje dá nome ao grupo instrumental de singular riqueza sonora, nascido em São Paulo, com o intuito de misturar vertentes musicais que vão do afrobeat ao samba, passando pelo jazz e funk afro-americano. Composta por integrantes de diferentes nacionalidades, a banda abarca uma vasta diversidade cultural, propondo novos e surpreendentes ritmos para musicalidades enraizadas em matrizes negras.

O potente show traz toda ancestralidade dos povos originais da África do Oeste e, com impressionantes bailarinos senegaleses e instrumentos de percussão e sopro, emociona e arrebata o público colocando o teatro todo de pé ao som de seu segundo álbum, Pan Bras’Afree’Ke Vol.1, que tem como conceito o movimento Pan Africano, conectando Brasil, Mali, Guiné, Senegal e Burkina Fasso.

Anúncios

OVNI produz audiodescrição ao vivo no 46º Festival de Cinema de Gramado

Os quatro filmes exibidos na sessão oficial das mostras competitivas do dia 21 de agosto estarão acessíveis aos usuários da audiodescrição.


(descrição da imagem) A foto colorida e horizontal retrata cerca de 50 pessoas atravessando em fila o tapete vermelho do 43º Festival de Gramado, na Rua Coberta. Algumas usam bengalas brancas e óculos escuros. Da frente para o fundo da foto é possível identificar Mimi Aragón, Adair e Marcia Bamberg, Francimar Maia, Thaís Gonçalves, Matheus e Isa Baldin, Daniel Gause, André Campelo, Teresinha Ponciano, Luciano Ninov, Paulo Fernando Pires, Josiane França, Marilena Assis, Volnei Benfica e Leandro Pacheco, professor responsável por trazer o grupo de Taquara. À direita, em direção ao fundo, as pessoas acomodadas nas mesas externas dos restaurantes da Rua Coberta observam a passagem do público usuário da audiodescrição. (fim da descrição) Foto: Cleiton Thiele/Agência PressPhoto.

De volta à produção da noite com audiodescrição ao vivo no Festival de Cinema de Gramado, a OVNI Acessibilidade Universal prevê público recorde no Palácio dos Festivais para assistir aos quatro filmes exibidos dia 21 de agosto, a partir das 18h, durante a 46ª edição do evento, um dos mais tradicionais do cinema no Brasil. Serão aproximadamente 80 usuários de audiodesccrição e acompanhantes prestigiando os curtas-metragens brasileiros Catadora de Gente, de Mirela Kruel, e A Retirada Para Um Coração Bruto, de Marco Antonio Pereira, e os longas estrangeiro Mi Mundial, de Carlos Morelli, e brasileiro Ferrugem, de Aly Muritiba.

Além das profissionais da OVNI, Mimi Aragón e Kemi Oshiro, outros audiodescritores estão envolvidos na produção dos roteiros e na consultoria: Letícia Schwartz, Rafael Braz, Manoel Negraes e os colegas Estela K. Valeriano e Edgar Jacques, da ETC Filmes, de São Paulo, empresa responsável pelo roteiro de audiodescrição original de Ferrugem, que gentilmente cedeu o material para a narração ao vivo. Outros profissionais também integram a equipe da OVNI: Denis Gosch, que fará a leitura das legendas de Mi Mundial, Juliana Prestes, Lucas Gasparotto e Thayse Benedet, que atuarão no apoio à produção. O equipamento de audiodescrição é fornecido pelo Grupo Evento.

Dois ônibus farão o transporte do público entre Porto Alegre e o Palácio dos Festivais, em Gramado. A produção do Festival também oferece ingressos aos usuários da audiodescrição e respectivos acompanhantes. As reservas devem ser feitas com o envio do nome completo e número de documento de identidade, além da informação sobre se o convidado é usuário ou acompanhante, exclusivamente pelo email ovniacessibilidade@gmail.com até o dia 18 de agosto, às 12h. A confirmação da reserva estará sujeita à capacidade do transporte e ao número de cortesias disponíveis. A preferência na reserva de ingressos será dada aos usuários da audiodescrição. Caso as cortesias se esgotem, os acompanhantes poderão adquirir seus ingressos pelo site https://bit.ly/2Mr7XLH.

Os ônibus partirão de Porto Alegre, do Largo Zumbi dos Palmares (antigo Largo da Epatur), na Cidade Baixa, pontualmente às 13h do dia 21 de agosto. Para o embarque, é obrigatória a apresentação do documento de identidade informado na solicitação da reserva. O retorno a Porto Alegre está marcado para as 23h do mesmo dia. Serão dois pontos de desembarque: na Estação Rodoviária e no Largo Zumbi dos Palmares. Usuários da audiodescrição que residem fora de Porto Alegre estão convidados a utilizar o transporte. Neste caso, também devem enviar seus dados para o email da OVNI para assegurar a vaga no ônibus, o ingresso para a sessão e o equipamento de audiodescrição. E, dia 21, estar presentes ao embarque no Largo Zumbi dos Palmares. Quem não precisar do transporte, mas desejar um ingresso para a sessão também deve fazer sua reserva por email.

Audiodescrição ao vivo no 46º Festival de Cinema de Gramado, dia 21 de agosto.
Programação no Palácio dos Festivais

18h
Mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros.
Catadora de Gente (18 minutos, Rio Grande do Sul).

Direção: Mirela Kruel.
Sinopse: Catadora de Gente é Maria Tugira Cardoso. Há 30 anos a personagem do filme dedica sua vida à catação de lixo. Com sua fala lúcida a respeito da vida e de suas complexidades, Tugira narra sua história e propõe ao espectador uma reflexão profunda sobre as desigualdades sociais do Brasil.

Ficha Técnica:
Empresa Produtora: Lança Filmes.
Produção Executiva: Mirela Kruel.
Roteirista: Mirela Kruel.
Elenco: Maria Tugira Cardoso.
Direção de Fotografia: Eduardo Nascimento Rosa.
Trilha Musical: H Hunt – Journeys, Natan Ratan – Forevertime Journeys I.
Montagem: Bruno Carboni.
Desenho de Som: Bruno Carboni.

Audiodescrição:
Roteiro: Mimi Aragón.
Consultoria: Manoel Negraes.
Narração: Mimi Aragón.


(descrição da imagem) A foto colorida e horizontal retrata uma senhora em um ambiente com fundo escuro, iluminada por uma luz que incide da esquerda para a direita. Ao centro, ela aparece do peito para cima, de frente, com o olhar ligeiramente voltado para a esquerda. Tem cerca de 60 anos, é negra, de cabelos crespos, pretos e com alguns fios prateados, enfeitados por uma faixa preta com pontinhos claros em relevo, grandes olhos castanhos e brilhantes, nariz arredondado e lábios fechados em um sorriso suave. Usa blusa roxa sob um casaco com estampa de grafismos em lilás, roxo, preto e branco. (fim da descrição) Foto: Eduardo Nascimento Rosa/Divulgação.

Mostra competitiva de longas-metragens estrangeiros.
Mi Mundial (102 minutos, Uruguai/Argentina/Brasil).
Direção: Carlos Morelli.
Sinopse: Tito, um garoto que mora na cidade de Colônia, no Uruguai, possui um talento natural para o futebol. As notícias de sua habilidade atraem um representante da Capital que lhe oferece um contrato que pode tirá-lo, e a sua família, da pobreza. A exigência dos treinos o faz abandonar os estudos e Tito deixa de ver o futebol como diversão para enfrentar precocemente as responsabilidades do mundo adulto. Quando Tito está a um passo de conseguir um contrato com o Santos, do Brasil, seu sonho se quebra em mil pedaços e ele deve voltar ao povoado para começar de novo, enfrentar o maior desafio da sua vida e tentar ser um verdadeiro campeão.

Ficha Técnica:
Empresa Produtora: La Gota Cine, Panda Filmes, Pensa & Rocca, Coral Cine e U Films.
Produção Executiva: Lucia Gaviglio Salkind.
Roteiro: Carlos Morelli, com a colaboração de Martín Salinas.
Elenco: Facundo Campelo, Candelaria Rienzi, Cesar Troncoso, Nestor Guzzini, Marcel Keoroglian e Verónica Perrota.
Direção de Fotografia: Sebastián Gallo.
Direção de Arte: Cristina Nigro.
Trilha Musical: André Sittoni.
Trilha Sonora Original: André Sittoni.
Montagem: Santiago Bednarik, Carlos Morelli.
Desenho de Som: André Sittoni.

Audiodescrição:
Roteiro: Mimi Aragón.
Consultoria: Rafael Braz.
Narração: Kemi Oshiro.
Voice over: Denis Gosch.


(descrição da imagem) A foto colorida e horizontal retrata, em um dia ensolarado, um garoto saltando de lado, os pés apontados para a esquerda, prestes a chutar uma bola de couro de gomos brancos e pretos. Ele aparece de corpo inteiro, à direita, com o braço esquerdo estendido na altura do ombro, o direito junto ao corpo e o joelho direito flexionado, com o pé a cerca de um metro da bola que flutua quase ao centro da foto, na altura da sua cabeça. Tem cerca de 13 anos, é branco, magro, de cabelos castanhos curtos e lisos. Usa camiseta alaranjada com um escudo no lado esquerdo do peito, calções brancos, meias pretas e chuteiras em cinza e vermelho. Ao fundo, a passarela de um viaduto. (fim da descrição) Foto: Sebastián Gallo/Divulgação.

20h30
Mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros.
A Retirada Para Um Coração Bruto (14 minutos, Minas Gerais).
Direção: Marco Antonio Pereira.
Sinopse: Ozório é um senhor que vive sozinho onde o Judas perdeu as botas, na zona rural de Cordisburgo/MG. Passa seus dias ouvindo rock no rádio, enquanto vive o luto da sua companheira. Até que um movimento no céu quebra sua solidão.

Ficha Técnica:
Empresa Produtora: Estúdio Marco.
Produção Executiva: Ariane Rocha.
Roteiro: Marco Antonio Pereira.
Elenco: Manoel do Norte.
Direção de Fotografia: Marco Antonio Pereira.
Direção de Arte: Marco Antonio Pereira.
Trilha Musical: Manoel do Norte.
Trilha Sonora Original: Manoel do Norte.
Montagem: Marco Antonio Pereira.
Desenho de Som: Marco Antonio Pereira.

Audiodescrição:
Roteiro: Letícia Schwartz.
Consultoria: Rafael Braz.
Narração: Mimi Aragón.


(descrição da imagem) A foto colorida e horizontal retrata, em um dia de céu claro com nuvens, um homem em pé em um terreno de chão batido, com vegetação baixa, algumas árvores e cerca de madeira rústica. Quase ao centro da foto, ele aparece de costas, das panturrilhas para cima, observando um grande disco voador cinzento que flutua ao fundo, a uns 50 metros acima da vegetação um pouco amarelada. O homem é magro e tem a pele marrom clara. Com a mão direita, segura a aba do chapéu de palha e usa camisa branca de mangas longas e calças jeans. (fim da descrição) Foto: Divulgação.

Mostra competitiva de longas-metragens brasileiros.
Ferrugem (100 minutos, Paraná).
Direção: Aly Muritiba.
Sinopse: Tati é uma adolescente cheia de vida, que gosta de compartilhar seus melhores momentos no Instagram e Facebook. Mas sua vida virará ao avesso quando algo que ela não queria compartilhar com ninguém cai no grupo de WhatsApp do colégio.

Ficha Técnica:
Empresa Produtora: Grafo Audiovisual.
Produção Executiva: Antônio Junior, Chris Spode.
Roteiro: Aly Muritiba e Jessica Candal.
Elenco: Tifanny Dopke, Giovanni de Lorenzi, Clarissa Kiste, Enrique Diaz, Pedro Inoue e Dudah Azevedo.
Direção de Fotografia: Rui Poças A.I.P.
Direção de Arte: Tiago Marques.
Trilha Musical: Love Is Over (Banda Copacabana Club); This Way – Michel Godoy Remix (Banda Copacabana Club e Michel Godoy); Shadow in my way (Pantanum); Eletric High (Pantanum); Infiel (Marília Mendonça).
Montagem: João Menna Barreto.
Desenho de Som: Alexandre Rogoski.

Audiodescrição original: ETC Filmes Acessibilidade.
Roteiro: Estela K. Valeriano.
Consultoria: Edgar Jacques.
Adaptação do roteiro original: Kemi Oshiro.
Narração: Kemi Oshiro.


(descrição da imagem) A foto colorida e horizontal retrata uma jovem de cabeça baixa, o rosto sério iluminado por luzes fortes em tons de roxo, vermelho e amarelo. Ao centro, ela aparece do peito para cima, de perfil, voltada para a direita. Com cerca de 16 anos, é branca, magra e tem cabelos castanhos e lisos, na altura dos ombros, sobrancelhas espessas e nariz arredondado. Usa blusa preta de mangas curtas estampada com bolinhas multicoloridas. Ao fundo, desfocadas, três pessoas com roupas coloridas. (fim da descrição) Foto: Divulgação.

OVNI produz audiodescrição para dois espetáculos de teatro em Porto Alegre/RS

Dia 25 de julho, quarta-feira, tem Qual a Diferença entre o Charme e o Funk, no Teatro Bruno Kiefer. E nos dias 3 e 4 de agosto, sexta e sábado, é a vez das sessões acessíveis de Arena Selvagem, no Teatro de Arena. Os dois espetáculos têm entrada franca.

Qual a Diferença entre o Charme e o Funk, Grupo Pretagô
Ministério da Cultura apresenta:
Cenas Diversas. Cena Negra.
Qual a Diferença entre o Charme e o Funk.
25 de julho, 19h, Casa de Cultura Mario Quintana, Sala Bruno Kiefer.
Com Bruno Cardoso, Bruno Fernandes, Camila Falcão, Laura Lima, Manuela Miranda e Silvana Rodrigues.
Direção: Thiago Pirajira.
Entrada franca, com retirada de senhas uma hora antes do espetáculo.
Patrocínio: Lei de Incentivo à Cultura e Banrisul.
Realização: Governo do Estado do Rio Grande do Sul, AACCMQ – Associação dos Amigos Casa de Cultura Mario Quintana, Casa de Cultura Mario Quintana, Governo do Estado do Rio Grande do Sul – Secretaria da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer, Ministério da Cultura e Governo Federal.
(descrição da imagem) O e-flyer colorido e quadrado tem fundo amarelo-limão e é ilustrado, ao centro, por uma montagem com as fotos sobrepostas de duas atrizes em uma cena do espetáculo e do prédio da Casa de Cultura Mario Quintana. A montagem está coberta por pinceladas e respingos em azul, rosa e branco. As atrizes aparecem de frente, lado a lado, da cintura para cima, e usam um traje preso abaixo dos seios, em estampa de zebra, com listras irregulares claras e escuras. Cada uma aponta para o alto com o punho esquerdo fechado. Abaixo da ilustração, em grandes letras maiúsculas verdes, o título do espetáculo. O restante do texto, em letras pretas e verdes, está distribuído acima e nas laterais da ilustração e abaixo do título. No rodapé, os logotipos coloridos dos patrocinadores e realizadores. (fim da descrição)

O espetáculo
Partindo da necessidade de dar visibilidade às questões negras brasileiras, um grupo de sete artistas negros estudantes do curso de Teatro da UFRGS desenvolve o projeto Qual a Diferença entre o Charme e o Funk para tecer uma grande discussão, a partir da arte, sobre a questão racial social: preconceitos, afirmatividade, visibilidade, cultura e memória. Dando voz ao momento social atual, no qual as questões de cor, gênero, credo e posições políticas são pontuadas a partir de ações e políticas públicas, o espetáculo, que se utilizou do nome da canção do funk composto pelos MC’s Dollores e Marquinhos nos anos noventa, suscita a reflexão sobre a juventude negra brasileira, dando voz e trazendo para a cena assuntos ligados a religiosidade, morte, preconceito, arte e memória.

Ficha técnica
Direção: Thiago Pirajira.
Orientação: Celina Alcântara.
Elenco: Bruno Cardoso, Bruno Fernandes, Camila Falcão, Laura Lima, Manuela Miranda e Silvana Rodrigues.
Trilha Sonora: João Pedro Cé.
Músicos: João Pedro Cé e Duda Cunha.
Criação de luz: Guto Greca.
Operação de luz: Thais Fernandes.
Figurino: Mari Falcão.
Fotografia: Andre Reali Olmos.
Produção: Thiago Pirajira.

Audiodescrição
Roteiro: Kemi Oshiro.
Consultoria: Rafael Braz.
Narração: Kemi Oshiro.
Equipamento: Grupo Evento.
Suporte: Mimi Aragón.

O Grupo Pretagô
Qual a Diferença entre o Charme e o Funk é o primeiro trabalho do Grupo Pretagô e venceu do prêmio Açorianos de melhor trilha sonora em 2014. Em 2018, o Pretagô, um quilombo de artistas, atores e músicos oriundos do Departamento de Arte Dramática da UFRGS, em Porto Alegre, comemora quatro anos de trajetória, realizando atividades artísticas e culturais para refletir a representação e representatividade da pessoa negra nas artes cênicas. Além da pesquisa permanente sobre identidade e inserção, promove diversas atividades como saraus, oficinas, ocupações em espaços de resistências da cidade. Também conta com outros dois espetáculos em seu repertório: Afrome, vencedor do prêmio Açorianos de Melhor Produção e de Melhor espetáculo pelo júri popular Brasken em cena, e Noite Pretagô.

Serviço
Qual a Diferença entre o Charme e o Funk com audiodescrição.
Teatro Bruno Kiefer, no sexto andar da Casa de Cultura Mario Quintana (Rua dos Andradas, 736 – Centro, Porto Alegre/RS. Pela Rua dos Andradas, sentido Praça da Alfândega/Usina do Gasômetro, na entrada da esquerda).
25 de julho, quarta-feira, às 19h. Chegue até as 18h30 para pegar seu equipamento e escutar as notas de abertura da audiodescrição.
Entrada franca.
Reserva de ingressos e equipamento pelo email ovniacessibilidade@gmail.com ou WhatsApp 51 98451 2115.

Arena Selvagem, Grupo Cerco.
Secretaria de Estado da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer e Grupo Cerco 10 anos apresentam:
Arena Selvagem.
Direção: Inês Marocco.
13 de julho a 5 de agosto.
Sextas e sábados às 20 horas. Domingos às 18 horas.
Teatro de Arena. Avenida Borges de Medeiros, 835.
Entrada franca.
Programação extra.
3 e 4 de agosto: sessão com LIBRAS e audiodescrição.
Oficina: A dinâmica dos animais na linguagem cênica.
26 de julho, das 14 às 18 horas.
Ingresso: entrada franca.
Vagas: 20.
Inscrições email: dlnunes.lopes@gmail.com
Bate-papo sobre o processo de criação do espetáculo: 22 de julho, logo após a sessão.
Ingresso: entrada franca.
Mais informações: Facebook e Instagram Grupo Cerco.
Apoio: Fecomércio RS e SESC.
Produção e gestão: Cardápio Cultural e Kreativ Produções Culturais.
Realização: Grupo Cerco 10 Anos.
Financiamento: Pró-cultura RS – Fundo de apoio à cultura e Governo do Estado do Rio Grande do Sul – Secretaria da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer.
Agendamento de escolas e instituições: 51 98436.5552 e dlnunes.lopes@gmail.com
Foto e arte: Marina Kerber.
(descrição da imagem) O panfleto horizontal tem fundo branco e está dividido em duas partes: uma à esquerda e outra à direita. A da esquerda, com informações gerais sobre a temporada, está ilustrada, ao centro, por uma montagem com múltiplas fotos sobrepostas e em preto e branco de uma jovem retratada dos ombros para cima. Ela tem pele clara, cabelos e olhos escuros. Seu olhar está voltado para nós. Sua cabeça, rosto e ombros estão parcialmente cobertos por rabiscos, pinceladas, manchas e respingos em vermelho, branco e preto. Alguns se espalham para fora da montagem, tingindo parte do fundo branco do panfleto. No alto, o título tem em destaque as palavras Arena em vermelho e Selvagem em preto, tudo em letras maiúsculas. O restante do texto é preto, também em letras maiúsculas, e está distribuído em blocos ao redor da ilustração. A parte da direita, que traz as informações sobre a programação extra, tem texto em letras maiúsculas vermelhas e pretas. No canto superior direito, o desenho em traços e pinceladas pretos e vermelhos de uma figura humana da qual só estão visíveis o olho esquerdo, a boca e o braço esquerdo. Com uma mancha vermelha no lugar da testa e outra preta no lugar do olho direito, a figura tem o olho arregalado, a boca vermelha escancarada e os dentes arreganhados. Um jorro composto por longas pinceladas em vermelho e cinza parece escapar da boca. Na altura do ombro, a mão crispada sobre uma mancha vermelha. No rodapé, os logotipos pretos dos apoiadores, produtores, do realizador e dos financiadores. (fim da descrição)

O espetáculo
O que é ser selvagem? O Grupo Cerco te convida a entrar em uma arena onde seres humanos encontram-se com sua animalidade. A cidade e a selva. A opressão e a liberdade. O instinto e a sobrevivência. Em meio à artificialidade que criamos para nos diferenciar entre nós e dos outros animais, nossos corpos revelam que essas mudanças são superficiais diante da força da nossa natureza.

Ficha Técnica
Criação coletiva do Grupo Cerco. Livremente inspirado em textos de Carlos Carvalho, Franz Kafka, Carlos Drummond de Andrade e do grupo.
Direção: Inês Marocco.
Assistência de Direção: Kalisy Cabeda e Manoela Wunderlich.
Dramaturgia: Celso Zanini, Elisa Heidrich e Marina Kerber.
Elenco: Anildo Böes, Celso Zanini, Elisa Heidrich, Kalisy Cabeda, Manoela Wunderlich, Martina Fröhlich, Marina Kerber, Philipe Philippsen.
Trilha sonora original: Celso Zanini, Martina Fröhlich, Philipe Philippsen.
Iluminação: Carolina Zimmer.
Figurino: Daniel Lion.
Confecção de máscaras: Diego Steffani.
Cenografia: Rodrigo Shalako.
Programação Visual: Marina Kerber.
Tradução e Interpretação para LIBRAS: Ângela Russo.
Audiodescrição: OVNI Acessibilidade Universal.
Produção e Gestão: Daniela Lopes/Cardápio Cultural e Kreativ Produções Culturais.
Produção executiva: Daniela Lopes.
Realização: Grupo Cerco – 10 Anos.
Apoio: Fecomércio SESC.
Financiamento: FAC Pró-cultura e Governo do Estado do Rio Grande do Sul.

Audiodescrição
Roteiro: Mimi Aragón.
Consultoria: Rafael Braz.
Narração: Kemi Oshiro.
Equipamento: Grupo Evento.
Suporte: Mimi Aragón.

O Grupo Cerco
O Grupo Cerco surgiu em 2008 em Porto Alegre e a pesquisa de linguagem cênica é a sua principal característica. A sua marca é o processo colaborativo, onde o “ator/autor” tem a possibilidade de trabalhar em diferentes frentes de criação que vão além da atuação, buscando soluções estéticas para trazer força aos conteúdos que apresenta. O Grupo tem a sua frente a Professora Doutora Inês Alcaraz Marocco. Durante sua trajetória, conquistou 10 importantes prêmios do teatro gaúcho e constitui-se em um dos mais significativos e premiados grupos da atual cena teatral.

Serviço
Arena Selvagem com audiodescrição.
Teatro de Arena (Avenida Borges de Medeiros, 835 – Centro, Porto Alegre/RS. Nos altos do Viaduto da Borges, pela Rua Duque de Caxias, sentido Usina do Gasômetro/Independência, no primeiro acesso à direita, de frente para o Hotel Everest).
3 e 4 de agosto, sexta-feira e sábado, às 20h. Chegue até as 19h30 para pegar seu equipamento e escutar as notas de abertura da audiodescrição.
Entrada franca.
Reserva de ingressos e equipamento pelo email dlnunes.lopes@gmail.com ou fone/WhatsApp 51 98436 5552.

Vem aí mais teatro e dança com audiodescrição da OVNI

Quer audiodescrição em espetáculos de teatro e de dança? A gente faz!

Em agosto, o Grupo Cerco, que está completando 10 anos, faz duas sessões de seu novíssimo espetáculo, Arena Selvagem, com audiodescrição (e também LIBRAS), no Teatro de Arena, em Porto Alegre/RS. As apresentações serão nos dias 3 e 4, com entrada franca. Reserve as datas! Em breve, a gente divulga por aqui informações completas sobre as sessões acessíveis.

Secretaria de Estado da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer e Grupo Cerco 10 anos apresentam:
Arena Selvagem.
Direção: Inês Marocco.
13 de julho a 5 de agosto.
Sextas e sábados às 20 horas. Domingos às 18 horas.
Teatro de Arena. Avenida Borges de Medeiros, 835.
Entrada franca.
Mais informações: Facebook e Instagram Grupo Cerco.
Apoio: Fecomércio RS e SESC.
Produção e gestão: Cardápio Cultural e Kreativ Produções Culturais.
Realização: Grupo Cerco 10 Anos.
Financiamento: Pró-cultura RS – Fundo de apoio à cultura e Governo do Estado do Rio Grande do Sul – Secretaria da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer.
Agendamento de escolas e instituições: 51 98436.5552 e dlnunes.lopes@gmail.com
Foto e arte: Marina Kerber.
(descrição da imagem) O card quadrado tem fundo branco e é ilustrado, ao centro, por uma montagem com múltiplas fotos sobrepostas e em preto e branco de uma jovem retratada dos ombros para cima. Ela tem pele clara, cabelos e olhos escuros. Seu olhar está voltado para nós. Sua cabeça, rosto e ombros estão parcialmente cobertos por rabiscos, pinceladas, manchas e respingos em vermelho, branco e preto. Alguns se espalham para fora da montagem, tingindo parte do fundo branco do card. No alto, o título tem em destaque as palavras Arena em vermelho e Selvagem em preto, tudo em letras maiúsculas. O restante do texto é preto, também em letras maiúsculas, e está distribuído em blocos ao redor da ilustração. No rodapé, os logotipos pretos dos apoiadores, produtores, do realizador e dos financiadores. (fim da descrição)

E Flamenco Imaginário, premiado espetáculo de flamenco para crianças de 0 a 100 anos da Companhia e Escola de Flamenco Del Puerto, em breve circulará com audiodescrição por três cidades do interior do Rio Grande do Sul. Por ora, a gente só pode adiantar que vai ter festa do pijama com sapateado e castanholas na Serra, no Centro e nos arredores do Sul do Estado. Passa aqui logo mais para saber todos os detalhes sobre essa animadíssima turnê flamenca!

(descrição da imagem) A foto colorida e horizontal mostra os quatro bailarinos de Flamenco Imaginário saltando, risonhos e animados, no palco iluminado de um teatro, em meio ao cenário do espetáculo, composto por uma armação de metal com cortina clara e quatro portas giratórias em forma de círculos coloridos, e um bau, um caixote e duas maletas claras com bolinhas escuras. Usando seus figurinos multicoloridos, com listras e franjas, babados e bolinhas, e calçando sapatos felpudos, os bailarinos aparecem de corpo inteiro, lado a lado: da esquerda para a direita, Leo, de perfil, voltado para a direita, e Ju, Dani e Grazi, de frente. (fim da descrição) Foto: Adriana Marchiori.

Mistura Fina – Música para fugir do trânsito terá mediação audiodescrita ao longo de 2018

Shows musicais no Foyer Nobre do Theatro São Pedro, em Porto Alegre/RS, toda quinta, às 18h30, com entrada franca, serão mediados pela OVNI Acessibilidade Universal.

Até dezembro deste ano, todos os shows do projeto Mistura Fina – música para fugir do trânsito, no Foyer Nobre do Theatro São Pedro, em Porto Alegre/RS, terão mediação com audiodescrição da OVNI Acessibilidade Universal. Abrindo as comemorações pelos 160 anos do templo cultural dos gaúchos, o Mistura Fina prevê 40 shows ao longo de 2018, todas as quintas-feiras úteis, sempre das 18h30 às 19h30, com entrada franca. As vagas para a mediação audiodescrita, que se inicia meia hora antes de cada atração, são limitadas e devem ser reservadas com antecedência pelo e-mail ovniacessibilidade@gmail.com ou Whatsapp (51) 98451 2115. Em março, apresentam-se, no dia 22, a cantora Elisa Meneghetti, com o show MPB Sul, e, no dia 29, a roda de samba do Instituto Brasilidades. A programação de abril será divulgada em breve.

Elisa Meneghetti é uma intérprete da música popular brasileira. Na estrada profissionalmente desde 2010, já se apresentou nas principais casas noturnas e teatros do Estado. O estilo, que transita entre a psicodelia tropicalista, o funk norte-americano, o reggae e o bom e velho rock, é resultado da clara influência que carregam também os integrantes de peso da banda, formada por Andrei Correa (guitarra), Duda Cunha (bateria) e Filipe Narcizo (contrabaixo). Junto há oito anos, o grupo mostra propriedade e estilo nas canções escolhidas, numa perceptível simbiose e muito amor à musica e ao palco. Atualmente, Elisa trabalha em seu projeto próprio, a ser lançado no segundo semestre de 2018, reunindo composições de autores do RS como Nei Lisboa, Lico Silveira, Zé Caradípia, entre outros. Paralelamente, encabeça ‘Elisa e os Balangandãs’, que traz versões ousadas para clássicos de grandes mestres, como Vinícius de Moraes, Bill Withers, Belchior, Janis Joplin, Di Melo e outros, e também o projeto ‘Pra Viajar’, um show em homenagem ao compositor e cantor gaúcho Nei Lisboa.

Criado em 2008, o Instituto Brasilidades já reuniu milhares de pessoas de diferentes regiões, formando um público diversificado e comprovando a demanda por ações desta natureza. Com entrada gratuita e sempre em locais centrais da cidade, as atividades levam à população um conteúdo cultural pouco difundido nas mídias tradicionais, contribuindo para a afirmação do RS em um contexto nacional multicultural. No palco do Foyer Nobre, o Brasilidades irá promover mais uma de suas tradicionais roda de samba, levando ao público obras e compositores como Paulinho da Viola, Cartola, Dona Ivone Lara, Candeia, Geraldo Pereira, Wilson Baptista, Noel Rosa, Velhas Guardas entre outros bambas. Preservando o conceito das clássicas rodas de samba e agregando as diferenças em seu entorno, a roda apresenta instrumentos pouco comuns nas rodas de samba atuais, como cuíca, reco-reco de madeira, pandeiro de couro e atabaque.

Secretaria de Estado da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer e Sulgás apresentam:
Mistura Fina. Música para fugir do trânsito.
Apoio: OVNI Acessibilidade Universal.
Agente cultural: Primeira Fila Produções.
Realização: AATSP – Associação Amigos do Theatro São Pedro e Theatro São Pedro – Porto Alegre/RS.
Patrocínio: SulGás.
Financiamento: Pró-cultura RS – Lei de Incentivo à Cultura e Governo do Estado do Rio Grande do Sul.
(descrição da imagem) O e-flyer colorido e horizontal tem como fundo uma foto noturna do Theatro São Pedro iluminado por fachos coloridos. Em destaque, o segundo piso do prédio claro, em estilo neoclássico, com a fachada voltada para a esquerda. O terraço, no pórtico avançado da entrada, está quase às escuras, no espaço entre quatro janelões retangulares arrematados por pequenos frontões. No térreo, é possível identificar o topo das portas e janelas em arco. No alto do e-flyer, o texto em letras brancas ao lado do logotipo do projeto Mistura Fina, também em branco, com as letras i substituídas por setas vermelhas. No rodapé, em uma faixa branca, os logotipos da apoiadora, agente cultural, realizadores, patrocinador e financiadores. (fim da descrição).

SOBRE O PROJETO
Mistura Fina – música para fugir do trânsito é o novo projeto do Theatro São Pedro que, reunindo diversas linguagens musicais, propõe uma agradável parada na hora do rush para quem trabalha ou está no Centro Histórico, esperando que o trânsito acalme. A iniciativa tem financiamento do Governo do Estado do RS, por meio da Secretaria da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer, via Lei de Incentivo/Pró-Cultura RS, e patrocínio da Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul – Sulgás.
Mistura Fina traz ao palco do Foyer Nobre – espaço com destacado histórico de guarida a diversas manifestações artísticas, com janelas para a praça Marechal Deodoro e a Catedral da Capital – grandes expressões da nossa música e seus convidados para um saboroso happy hour, temperado com arte, entretenimento e bom gosto. As apresentações irão ocorrer sempre às quintas feiras, às 18h30, com entrada franca.
No total de 40 apresentações, subirão ao palco do Foyer Nobre músicos locais e do interior do Estado. Com curadoria afiada de Arthur de Faria e Bruno Melo, Mistura Fina – música para fugir do trânsito traz ao palco do Foyer Nobre do Theatro São Pedro trabalhos bem elaborados, assegurando ao público a certeza de bons espetáculos.

(descrição da imagem) O logotipo do projeto Mistura Fina – música para fugir do trânsito está em letras brancas sobre fundo preto. As palavras “mistura” e “fina”, ambas em grandes letras maiúsculas sem serifa, estão uma acima da outra. As duas letras i estão alinhadas e foram substituídas por duas setas vermelhas: uma ascendente em “mistura” e outra descendente em “fina”, com um ponto branco entre ambas. A expressão “Música para fugir do trânsito” está em letras minúsculas, também sem serifa, em duas linhas, à direita da palavra “fina”. (fim da descrição)

Mistura Fina – música para fugir do trânsito, com mediação audiodescrita.
Onde: Foyer Nobre do Theatro São Pedro (Praça Marechal Deodoro, s/nº, Centro Histórico, Porto Alegre/RS).
Quando: quintas-feiras úteis de 2018.
Hora: 18h30 (a mediação audiodescrita se inicia às 18h, pontualmente).
Reserva de vagas para a mediação audiodescrita: e-mail ovniacessibilidade@gmail.com ou Whatsapp (51) 98451 2115.
Entrada: grátis.
Realização: Associação Amigos do Theatro São Pedro.
Agente cultural: Primeira Fila Produções
Financiamento: Governo do Estado do Rio Grande do Sul, SEDACLTEL e Pró-cultura RS.
Patrocínio: SulGás.
Apoio: OVNI Acessibilidade Universal.

Opções de transporte coletivo com parada próxima ao Theatro São Pedro:
Ônibus

C1 – Circular Centro
C3 – Circular Urca

Lotação
05.1 – Rio Branco

Teve acessibilidade cultural no Projeto Simultaneidade

O final de semana foi de acessibilidade cultural na terceira edição do Projeto Simultaneidade, no Vila Flores, que propôs o tema TransVerCidade, trazendo uma abordagem artística transversal e empática para ultrapassar as limitações do simples olhar e construir a cidade e as relações que desejamos. A OVNI Acessibilidade Universal participou de duas atividades na programação supervariada: no sábado, 16, exibimos filmes em curta-metragem e episódios de séries de televisão para os quais produzimos audiodescrição, legendas para surdos e ensurdecidos e janela de LIBRAS ao longo deste ano; no domingo, 17, foi a vez de usarmos a audiodescrição para mediar a oficina de cerâmica sensorial ministrada pela artista Miriam Gomes, nossa vizinha de sala no Vila Flores. As fotos abaixo registram os dois momentos dessa programação. Confira:


(descrição da imagem) Na foto colorida e quadrada, tirada em um dia ensolarado na sala da OVNI Acessibilidade Universal, no Vila Flores, na direita, em primeiro plano, em uma TV sobre uma bancada amarela, a cena de um video colorido com legendas, em que um homem de cabelos escuros e curtos em um pátio com folhagens diz: “com as diferenças que o público naturalmente tem”. Na esquerda, em um cartaz na parede preta feito lousa, a frase “Experimente descrever estes postais #paratodosverem” acima de dois cartões-postais. Ao fundo, a luz do dia entra pela janela aberta. (fim da descrição) Foto: Mimi Aragón.


(descrição da imagem) Na foto colorida e horizontal, tirada no Atelier de Cerâmica do Vila Flores, a artista Miriam Gomes orienta a oficina de cerâmica sensorial com três participantes vendadas. Miriam, de meia idade e cabelos curtos e avermelhados, usa camiseta regata vermelha, um longo avental creme respingado de tinta, sandálias e está na esquerda, em pé, de perfil, voltada para a direita, atenta à atividade de três mulheres sentadas em volta de uma mesa com potes de argila e moldes metálicos. Cada participante tem as mãos sobre uma placa de argila, parecendo moldá-la. Ao fundo, junto à parede de azulejos brancos, um aparador e uma prateleira repletos de copos, vasos, tigelas, moringas e pratos de cerâmica. Entre o aparador e a mesa, no chão de lajotas vermelhas, um torno elétrico para cerâmica e, bem na direita, em um cômodo ao lado, um forno de cerâmica com painel digital. (fim da descrição) Foto: Kemi Oshiro.

ovni_simultaneidade_ceramica sensorial2
(descrição da imagem) A foto colorida e vertical retrata uma das participantes da oficina de cerâmica sensorial com a venda no alto da testa, olhando para baixo, sorrindo admirada para as três peças que produziu: um incensário, um prato e um vaso. Sentada à mesa de trabalho, ela tem os braços abertos e as palmas das mãos lambuzadas de argila voltadas para cima, expressando surpresa. Ela é negra, tem os cabelos pretos, curtos, crespos e volumosos, o peito tatuado e usa camiseta regata branca, colete jeans e calças pretas. Atrás dela, junto à parede de azulejos brancos, o torno elétrico e o aparador com peças de cerâmica. (fim da descrição) Foto: Miriam Gomes.
 

OVNI estará em duas atividades da terceira edição do Projeto Simultaneidade, no Vila Flores

No sábado, 16, conversaremos sobre a produção de recursos de acessibilidade comunicacional e no domingo, 17, mediaremos com AD a oficina de cerâmica sensorial ministrada pela artista Miriam Gomes

(descrição da imagem) Na foto colorida e horizontal, uma vista do pátio interno do complexo arquitetônico do Vila Flores em um dia claro. Dois prédios de alvenaria com três andares cada estão dispostos em forma de L, o mais visível da esquerda para o centro da foto e o outro ao fundo, na direita. O aspecto de ambos é rústico e alegre, com tijolos aparentes, alvenaria envelhecida, janelas envidraçadas basculantes ou de madeira, sacadas em tons vibrantes, algumas delas exibindo desenhos coloridos a tinta spray, conhecidos como grafites, e, em cada telhado, três pequenos sótãos de madeira, chamados de águas-furtadas. O pátio é de paralelepípedos e ao longo dele estão distribuídos grandes carretéis virados feito mesas, bancos de madeira e concreto, tonéis coloridos de metal, lixeiras para coleta seletiva e canteiros com folhagens. (fim da descrição) Foto: Juliana Prestes.

Em 2015, dois anos antes de nos instalarmos no Vila Flores, participamos da segunda edição do Simultaneidade, lançando em Porto Alegre a versão do curta-metragem Objetos, de Germano Oliveira, com audiodescrição e legendas para surdos e ensurdecidos.
Agora, na programação desta terceira edição do projeto bienal que, em 2013, alinhou os primeiros passos do centro cultural do Bairro Floresta focado em economia criativa, empreendedorismo e sustentabilidade, preparamos dois momentos para celebrar nossa chegada ao Vila e debater o tema TransVerCidade, que propõe uma abordagem transversal, empática e que ultrapassa as limitações do simples olhar para construir a cidade e as relações que queremos. Confira:

OVNI de portas abertas.
16/12, sábado, das 13h às 20h, na OVNI Acessibilidade Universal.

A gente percebe o mundo à nossa volta com todos os sentidos. Nesta terceira edição do Simultaneidade, a OVNI Acessibilidade Universal abre suas portas para quem quiser conhecer um pouquinho sobre a produção de audiodescrição, legendas para surdos e ensurdecidos e LIBRAS. Vem tomar um café com a gente, trocar uma ideia sobre acessibilidade comunicacional e exercitar a empatia para entender por que o mundo, a partir do quintal de cada um de nós, fica mais justo e bonito se estiver acessível a todos.

Oficina de cerâmica sensorial.
Ministrantes: Miriam Gomes e OVNI Acessibilidade Universal.
17/12 – 14h às 15h, no Atelier de Cerâmica.

Uma oficina para experimentar as possibilidades da cerâmica… de olhos vendados! Com a ajuda da audiodescrição, que traduz cores e formas em palavras.

Clique aqui e saiba mais sobre a terceira edição do Simultaneidade.

Clique aqui e confira a programação completa.

Clique aqui e confirme sua presença no evento do Facebook.

Simultaneidade III – Edição TransVerCidade.
Quando: 16 e 17 de dezembro, sábado e domingo, das 10h às 22h.
Onde: Vila Flores (Rua São Carlos, 753 (a 30 metros da esquina com a Rua Hoffmann) – Bairro Floresta).
Quanto: Contribuição consciente.

Opções de transporte coletivo com parada na Avenida Cristóvão Colombo, na altura da Rua Hoffmann:
Ônibus

T5 – Transversal 5
608 – IAPI
610 – Minuano
611 – Lindoia
617 – Iguatemi
620 – Iguatemi / Vila Jardim
637 – Chácara das Pedras
TR61 – Cristóvão Colombo
671 – Carlos Gomes / Salso

Lotação
50.6 – Guerino / Lindoia
50.8 – Higienópolis – Benjanin Constant
50.81 – Higienópolis – Hospital Militar

Olé! Flamenco Imaginário terá audiodescrição no dia 10 de setembro, em Porto Alegre/RS

Mais de 40 contribuições pelo site Vakinha permitiram reunir fundos para, pela primeira vez, tornar acessível aos usuários da AD um espetáculo de flamenco para crianças

DanieJuKEmanuelDenaui

(descrição da imagem) A foto colorida e quadrada, com fundo branco, mostra as bailarinas Juliana Kersting, na esquerda, e Daniele Zill, na direita, caracterizadas como personagens do espetáculo Flamenco Imaginário, usando roupas  e maquiagem bem coloridas. Elas são brancas, têm cabelos castanhos, estão em pé e aparecem dos joelhos para cima. Sorrindo, Dani ajeita um chapeuzinho verde na cabeça de Ju, que revira os olhos, um pouquinho estrábica, e está de frente, com as mãos sobre os joelhos um ligeiramente dobrados, como se estivesse quase agachada. Por cima de um tipo de macacão verde com bolinhas brancas e pernas azuis bem folgadas, Ju usa um casaquinho azul de gola amarela, rendinhas verdes e babados nas mangas longas. Tem os olhos pintados com sombra azul, pontinhos escuros nas bochechas e está de batom cor de rosa. Dani está quase de frente, um pouquinho inclinada sobre Ju. Ela usa vestido curto, azul com bolinhas brancas, rendinhas amarelas, babados nas mangas curtinhas e, nas pernas, malha branca com pontinho pretos. Tem os olhos pintados de rosa, usa batom laranja e seus cabelos, enfeitados com florzinhas, estão presos por uma renda em tons de amarelo e laranja em um coque atrás da orelha. (fim da descrição) Foto: Emanuel Denaui.

Conseguimos! Nossa campanha de financiamento coletivo foi um sucesso e, graças às contribuições de mais de 40 pessoas (e aqui vai o agradecimento especial da OVNI, também em nome da Del Puerto, a cada doador e cada compartilhamento do link da campanha), o espetáculo Flamenco Imaginário, da Del Puerto, terá uma sessão com audiodescrição (AD) da OVNI Acessibilidade Universal no dia 10 de setembro, domingo, às 16h, no Teatro Renascença (Centro Municipal de Cultura, Arte e Lazer Lupicínio Rodrigues – Avenida Erico Verissimo, 307, Bairro Menino Deus), em Porto Alegre/RS.

Os ingressos antecipados podem ser adquiridos por meio do site Entreatos ou na sede da Del Puerto, na Avenida Cristóvão Colombo, 752, Bairro Floresta, em Porto Alegre/RS. Aos preços de R$ 30 (inteira) e R$ 15 (pessoas com deficiência, crianças de colo, estudantes, idosos e classe artística), também serão vendidos no dia da sessão, na bilheteria do Teatro, a partir das 15h. Mais informações pelos fones 51 3028 4488 e 51 98451 2115.

Sobre o Flamenco Imaginário.
Flamenco Imaginário é a primeira montagem para crianças da Cia Del Puerto e foi livremente inspirada no clássico “O corcunda de Notre-Dame”, de Victor Hugo. Em uma grande festa do pijama, o elenco traz à cena uma narrativa encantadora, que provoca a imaginação e os sentidos da plateia. Com trilha sonora e coreografia inéditas, Flamenco Imaginário foi indicado aos prêmios Tibicuera de Teatro Infanto-Juvenil e Açorianos de Dança, em 2016, e premiado nas categorias Produção, Figurino e Iluminação.

A partir das histórias de infância de cada bailarino-ator, a proposta é expressar por meio da cultura flamenca e do sapateado americano vivências sobre bulling, preconceito, diferenças, primeiro amor. A narrativa não é linear, mas uma sequência de cenas que instiga os adultos a olharem para sua criança interior e convida os pequenos a experimentarem ser diferentes. E, como nas brincadeiras infantis, uma situação se liga à outra e se modifica conforme a vontade.

Os figurinos inspirados na cultura flamenca propõem novas cores e texturas que atraem a criançada e transformam cada ator-bailarino em um figura única: a flamenquita, a princesa, a cordobesa e o toureiro. O cenário combina referências aos vitrais da Catedral de Notre-Dame e a um quarto infantil em um dia de festa do pijama, com balões coloridos, baús, abajures e flores. A trilha sonora traz ritmos flamencos temperados com as músicas latino-americana e galega, além de sons de desenhos animados e uma referência à doce melodia de “Só você não vê”, dos gaúchos Nico Nicolaiewski e Fernando Pezão. Por fim, a luz que dá clima e tons às histórias também “dança” conforme a trilha sonora original e a coreografia com referência no baile flamenco.

AdrianaMarchioriHORADOCHÁ

(descrição da imagem) Na foto colorida e horizontal, três bailarinos do espetáculo Flamenco Imaginário estão em cena, no Teatro de Arena, em Porto Alegre, iluminados por uma luz clara, parecendo beber de xicrinhas brancas de cafezinho, ajoelhados em volta de uma mesa feita de malas forradas de papel azul claro com bolinhas marrons. Todos estão de maquiagem colorida nos olhos e usam pijamas brancos com bolinhas pretas e sapatos felpudos que lembram pantufas. Na esquerda, em uma das pontas da mesa, Leonardo Dias está de touca vermelha com bolotas penduradas nos lados da cabeça e, por cima do pijama, usa calças curtas com listras em bege, marrom, vermelho e preto, com franjas e bolotas. Apertando a boca como se estivesse quase estalando os lábios, ele olha pro público com jeito sério, com o traseiro apoiado em um bauzinho forrado igual às malas. Ao centro, atrás da mesa, Juliana Kersting está com a cabeça um pouco inclinada pra trás, de olhos fechados, virando sua xícara na boca aberta. Na direita, na outra ponta da mesa, Daniele Zill também está com a cabeça inclinada pra trás, com a xícara encostada na boca. Ela tem os cabelos castanhhos presos e enfeitados com uma redinha e flores em tons de laranja e amarelo. Abaixo dela, no chão, uma maletinha redonda também forrada. Ao fundo, o cenário que parece um biombo formado por círculos coloridos de vários tamanhos e, mais atrás, um tipo de cortina de bolinhas de isopor. (fim da descrição) Foto: Adriana Marchiori.

Sobre a Del Puerto.
A Escola e Companhia de Flamenco Del Puerto foi fundada em 1999 e desde então realiza um intenso trabalho de pesquisa técnica, expressiva e histórico-cultural da arte flamenca. A companhia já circulou por todo o Brasil com suas montagens e recebeu prêmios e indicações, entre eles os troféus Açorianos de Dança em 2008, 2012, 2014 e 2016; o troféu Tibicuera, em 2016; o Prêmio Funarte Klauss Vianna, em 2013 e o Prêmio de Pesquisa em Artes Cênicas do Teatro de Arena, em 2015. Além da produção de espetáculos, a Del Puerto mantém um calendário de aulas regulares de flamenco em sua sede própria, em Porto Alegre. O ensino da arte flamenca inclui baile e música para todos os níveis, inclusive turmas infantis. Os alunos da escola compõem um grupo amador que exercita o conteúdo das aulas em shows e apresentações especiais. Os professores também ministram aulas particulares e cursos, além de atuarem na criação de coreografias e na composição musical.

Ficha técnica do Flamenco Imaginário.
​Idealização:
Daniele Zill.
Direção: Denis Gosch.
Coreografia: Juliana Prestes.
Trilha sonora original: Giovani Capeletti.
Elenco: Daniele Zill, Graziela Silveira, Juliana Kersting e Leonardo Dias.
Percussão e efeitos: Gustavo Rosa.
Design e operação de luz: Leandro Gass.
Figurinos e cenário: Antonio Rabadan.
Audiodescrição: OVNI Acessibilidade Universal.
Produção executiva e artística: Daniele Zill e Juliana Kersting.
Assessoria de imprensa: Bruna Paulin.
Realização: Del Puerto Produções.

Ficha técnica da audiodescrição.
Roteiro e narração:
Mimi Aragón.
Consultoria: Rafael Braz.
Equipamento: Grupo Evento.
Suporte: Kemi Oshiro e Juliana Prestes.
Produção: OVNI Acessibilidade Universal.

Flamenco Imaginário com audiodescrição da OVNI Acessibilidade Universal.
Quando:
10 de setembro, domingo, às 16h. A audiodescrição começa às 15h45. Chegue até as 15h30 para retirar seu equipamento, trazendo um documento válido.
Onde: Teatro Renascença (Centro Municipal de Cultura, Arte e Lazer Lupicínio Rodrigues – Avenida Erico Verissimo, 307, Bairro Menino Deus, Porto Alegre/RS).
Duração aproximada: 50 minutos.
Ingressos antecipados: Online, pelo site Entreatos, ou na sede da Del Puerto, na Avenida Cristóvão Colombo, 752, Bairro Floresta, Porto Alegre/RS.
Ingressos no dia: Na bilheteria do Teatro, a partir das 15h.
Valores: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (pessoas com deficiência, crianças de colo, estudantes, idosos e classe artística).
Informações sobre a audiodescrição: fones 51 98451 2115 e 51 99208 1176 ou email ovniacessibilidade@gmail.com.

Opções de linhas de ônibus com parada em frente ao Teatro Renascença (Centro Municipal de Cultura, Arte e Lazer Lupicínio Rodrigues – Avenida Erico Verissimo, 307, Bairro Menino Deus):
149 – Icaraí (bairro-centro)
149.1 – Icaraí Alto Taquari (bairro-centro)
195 – TV
253 – Renascença (centro-bairro)
254 – Embratel Cascatinha (bairro-centro)
254.1 – Embratel Canudos Cascatinha (bairro-centro)
257 – Paulino Azurenha
260.1 – Belém Velho Cascatinha (bairro-centro)
260.2 – Belém Velho João Pessoa (centro-bairro)
262 – Jardim Vila Nova
262.1 – Jardim Vila Nova Cascatinha (bairro-centro)
263 – Orfanotrofio (centro-bairro)
270 – Grutinha (bairro-centro)
270.1 – Grutinha via Amapá (bairro-centro)
271 – Amapá (bairro-centro)
274 – Gloria Azenha Cascatinha (centro-bairro)
274.1 – Gloria Cascatinha Azenha (bairro-centro)
281 – Campo Novo (bairro-centro)
281.1 – Campo Novo Morro Agudo (bairro-centro)
281.2 – Campo Novo Gedeon Leite (bairro-centro)
283 – Ipanema Cavalhada (bairro-centro)
283.2 – Ipanema Cavalhada Cirino Prunes (bairro-centro)
284 – Belém Velho São Francisco Rincão Betão – (centro/bairro)
288 – Ipanema Morro Alto – (centro/bairro)
289 – Rincão via Oscar Pereira- (centro/bairro)

Flamenco Imaginário tem campanha de financiamento coletivo para uma sessão com audiodescrição no dia 10 de setembro, em Porto Alegre/RS

Iniciativa da Del Puerto e da OVNI, ação busca reunir fundos para, pela primeira vez, tornar acessível aos usuários da AD um espetáculo de flamenco para crianças

(descrição da imagem) Na foto colorida e horizontal, três bailarinos do espetáculo Flamenco Imaginário estão em cena, no Teatro de Arena, em Porto Alegre, iluminados por uma luz clara, parecendo beber de xicrinhas brancas de cafezinho, ajoelhados em volta de uma mesa feita de malas forradas de papel azul claro com bolinhas marrons. Todos estão de maquiagem colorida nos olhos e usam pijamas brancos com bolinhas pretas e sapatos felpudos que lembram pantufas. Na esquerda, em uma das pontas da mesa, Leonardo Dias está de touca vermelha com bolotas penduradas nos lados da cabeça e, por cima do pijama, usa calças curtas com listras em bege, marrom, vermelho e preto, com franjas e bolotas. Apertando a boca como se estivesse quase estalando os lábios, ele olha pro público com jeito sério, com o traseiro apoiado em um bauzinho forrado igual às malas. Ao centro, atrás da mesa, Juliana Kersting está com a cabeça um pouco inclinada pra trás, de olhos fechados, virando sua xícara na boca aberta. Na direita, na outra ponta da mesa, Daniele Zill também está com a cabeça inclinada pra trás, com a xícara encostada na boca. Ela tem os cabelos castanhhos presos e enfeitados com uma redinha e flores em tons de laranja e amarelo. Abaixo dela, no chão, uma maletinha redonda também forrada. Ao fundo, o cenário que parece um biombo formado por círculos coloridos de vários tamanhos e, mais atrás, um tipo de cortina de bolinhas de isopor. (fim da descrição) Foto: Adriana Marchiori.

Segue no ar a campanha de financiamento coletivo para uma sessão com audiodescrição (AD) do premiado espetáculo Flamenco Imaginário, da Del Puerto, no dia 10 de setembro, no Teatro Renascença, em Porto Alegre/RS. As contribuições com qualquer valor, via cartão de crédito ou boleto, podem ser feitas no site Vakinha, a partir do link http://www.vakinha.com.br/vaquinha/audiodescricao-para-espetaculo-infantil-flamenco-imaginario. Até agora, a produção independente da Del Puerto e da OVNI Acessibilidade Universal arrecadou mais da metade do valor destinado à produção da AD, mas a integralização ainda depende de mais doações. Quem não puder contribuir, ajuda bastante compartilhando a campanha. Se tudo der certo, será a primeira vez que um espetáculo de flamenco para crianças terá audiodescrição. Ingressos antecipados podem ser adquiridos por meio do site Entreatos ou na Del Puerto (Avenida Cristóvão Colombo, 752 – Floresta – Porto Alegre/RS – fone 51 3028 4488).

Sobre o Flamenco Imaginário.
Flamenco Imaginário é uma grande festa do pijama. Livremente inspirado na dramaturgia de O Corcunda de Notre Dame, de Victor Hugo, o espetáculo da Del Puerto é voltado ao universo dos pequenos, mas atrai toda a família: os adultos se emocionam e as crianças se divertem muito. Flamenco Imaginário tem trilha sonora composta especialmente por Giovani Capeletti e cenário e figurinos de Antonio Rabadan. Idealizado por Daniele Zill, é dirigido por Denis Gosch e tem coreografias de Juliana Prestes. No elenco, além de Daniele, Graziela Silveira, Juliana Kersting e Leonardo Dias.

Sobre a Del Puerto.
A Escola e Companhia de Flamenco Del Puerto foi fundada em 1999 e desde então realiza um intenso trabalho de pesquisa técnica, expressiva e histórico-cultural da arte flamenca. A companhia já circulou por todo o país com suas montagens, recebeu prêmios e indicações, entre eles os troféus Açorianos de Dança em 2008, 2012 e 2014; o Prêmio Funarte Klauss Vianna 2013 e o Prêmio de Pesquisa em Artes Cênicas do Teatro de Arena em 2015. Atualmente, a Companhia circula com o premiado espetáculo para crianças Flamenco Imaginário, indicado aos prêmios Tibicuera de Teatro Infanto-Juvenil e Açorianos de Dança em 2016, e premiado nas categorias Produção, Figurino e Iluminação.

Ficha técnica.
​Idealização:
Daniele Zill.
Direção: Denis Gosch.
Coreografia: Juliana Prestes.
Trilha sonora original: Giovani Capeletti.
Elenco: Daniele Zill, Graziela Silveira, Juliana Kersting e Leonardo Dias.
Percussão e efeitos: Gustavo Rosa.
Design e operação de luz: Leandro Gass.
Figurinos e cenário: Antonio Rabadan.
Audiodescrição: OVNI Acessibilidade Universal.
Produção executiva e artística: Daniele Zill e Juliana Kersting.
Assessoria de imprensa: Bruna Paulin.
Realização: Del Puerto Produções.

OVNI pousa no Vila Flores, em Porto Alegre/RS

(descrição da imagem) Na foto colorida e horizontal, uma vista do pátio interno do complexo arquitetônico do Vila Flores em um dia claro. Dois prédios de alvenaria com três andares cada estão dispostos em forma de L, o mais visível da esquerda para o centro da foto e o outro ao fundo, na direita. O aspecto de ambos é rústico e alegre, com tijolos aparentes, alvenaria envelhecida, janelas envidraçadas basculantes ou de madeira, sacadas em tons vibrantes, algumas delas exibindo desenhos coloridos a tinta spray, conhecidos como grafites, e, em cada telhado, três pequenos sótãos de madeira, chamados de águas-furtadas. O pátio é de paralelepípedos e ao longo dele estão distribuídos grandes carretéis virados feito mesas, bancos de madeira e concreto, tonéis coloridos de metal, lixeiras para coleta seletiva e canteiros com folhagens. (fim da descrição) Foto: Juliana Prestes.

Nossa nave acaba de chegar ao Vila Flores, um dos polos de economia criativa mais revolucionários de Porto Alegre/RS, misturando cultura, educação, inovação social, empreendedorismo e gestão colaborativa. A OVNI Acessibilidade Universal agora compartilha um dos espaços do Vila com as artistas visuais Márcia Braga e Miriam Gomes. O endereço é Rua São Carlos, 753/53 – Bairro Floresta. Nossos canais de contato seguem os mesmos: Fones 51 98451 2115 (Mimi Aragón) e 51 99208 1176 (Kemi Oshiro), E-mail ovniacessibilidade@gmail.com, Facebook, Blog e Youtube.

(descrição da imagem) Na foto horizontal, parte em preto e branco, parte colorida, as duas sócias da OVNI Acessibilidade Universal, Kemi Oshiro e Mimi Aragón, fazem graça junto a uma parede escura com o desenho a giz em amarelo e azul, no centro da imagem, de um disco voador perto de um planeta chamado Vila Flores, onde duas criaturas extraterrestres cravam uma bandeirola com o nome OVNI. Kemi, na esquerda, e Mimi, na direita, aparecem da cintura para cima, de perfil, tocando uma no dedo indicador da outra, com expressão de espanto: olhos arregalados e boca aberta. Retratadas em preto e branco, somente suas mãos estão coloridas. Kemi é magra, tem a pele bronzeada, cabelos pretos, longos e lisos, e usa suéter claro de mangas longas. Mimi é gordinha, tem a pele muito branca, cabelos prateados, curtos e meio despenteados, e usa moletom escuro. (fim da descrição) Foto: Juliana Prestes.

Não é de hoje que sonhávamos em instalar a OVNI no Vila Flores, local que conhecemos em 2014 e onde já havíamos produzido acessibilidade para eventos como as exposições de artes visuais Este Corpo Já Foi Meu (Márcia Braga), A Escuridão Que Me Clareia (Carol W) e Hertz – do lugar que estamos (Peter Gossweiler), além do espetáculo de teatro Brasil Pequeno itinerante (Genifer Gerhardt). O namoro foi longo, mas o casamento finalmente saiu!

Levar uma empresa especializada em produzir Audiodescrição (AD), Legendas para Surdos e Ensurdecidos (LSEs) e Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) a um espaço vanguardista feito o Vila Flores indica que muitos agentes de transformação cultural e social já entendem a acessibilidade como requisito indispensável a todo e qualquer projeto voltado à garantia e ao avanço de direitos.

(descrição da imagem) Na foto colorida e vertical, Mimi, na esquerda, e Kemi, na direita, estão na sala da OVNI, apoiadas no parapeito de uma janela de madeira envelhecida, vistas de fora para dentro, sorrindo para nós. Ao fundo, a parede de quadro-negro com desenho a giz amarelo em um dos cantos tem o formato de nuvem na borda superior. (fim da descrição) Foto: Juliana Prestes.

Faz contato, vem tomar um cafezinho e aproveita para conhecer a nova base da OVNI Acessibilidade Universal. Daqui, os ideais de respeito às diferenças e inclusão plena parecem muito mais acessíveis.

​OVNI Acessibilidade Universal
Informação e cultura para todo mundo.
Vila Flores – Rua São Carlos, 753/53 – Bairro Floresta
Porto Alegre/RS – CEP 90220-121
51 98451 2115 | 51 99208 1176
ovniacessibilidade@gmail.com
​Blog
Facebook
Youtube